Categorias
Artigos

Como eu (ainda) uso o Trello para gerenciar meus projetos

Nesse ano de 2021, eu quero me divertir mais, e isso significa escrever mais – principalmente para FabioFortkamp.com, que é a minha principal expressão criativa. No meu intuito de mostrar meu trabalho, eu planejei um post sobre como eu uso o Trello, a minha ferramenta de gerenciamento de projetos.

Porém, lendo o post onde eu descrevi em detalhes o meu sistema de filas de projetos, surpreendi-me em como tudo que escrevi lá ainda vale, e por isso recomendo a sua leitura para entender bem. Só fiz algumas adaptações de lá para cá.

Minhas listas atuais

O cerne do meu sistema de produtividade são dois canais de atenção: em um dado dia, eu tenho dois projetos principais em andamento, geralmente trabalhando em um de manhã e outro de tarde. Estas e todas as listas mostradas aqui estão em um quadro chamado Dashboard; se o leitor não consegue identificar, a imagem de fundo é uma mesa de controle de som.

Início do ano: tempo de preparar trabalhos e exercícios

Nesse início de ano, estou trabalhando um pouco em vários projetos ao mesmo tempo, por isso todos tem a etiqueta verde de “ativo”. Mas a ideia, baseada no exemplo acima, seria trabalhar todo dia na aula 6 de Refrigeração (REF0001) e na lista 2 de Máquinas Térmicas I (ST2MTE1); quando acabar o primeiro projeto, eu passo para o projetos das aulas 14 e 15 de Transferência de Calor e Massa I (TCM1001); quando acabar o segundo, eu passo para a planilha de avaliação dos seminários de REF0001, e assim por diante.

Obviamente que eu tenho mais projetos em paralelo:

Reparem que todo projeto começa com um verbo

Sim, eu mistura inglês com português; minha cabeça é caótica assim. A lista de Other projects, sinceramente, contém tudo que quero avançar mas que resisto a colocar como prioridade dos canais de atenção. São projetos do tipo “Comprar”, “Pesquisar”, “Testar”. No dia a dia, às vezes tenho alguns minutos disponíveis e pouca energia para trabalhar em aulas, então posso trabalhar nesses projetos (em um futuro post, vou detalhar como isso vai parar no Todoist).

Eu tenho também uma lista com coisas que só posso fazer no meu escritório na Universidade, usando materiais que estão lá.

A lista FabioFortkamp.com contém cartões com ideias de posts. Cada cartão contém tarefas de criar um mapa mental, escrever um rascunho, editar, publicar.

Spoiler Alert!
Exemplo de cartão de projeto de blog

Isso é dizer o óbvio, mas eu sou bem nerd; tenho uma lista de projetos de leituras, que incluem tarefas para processar as notas que vou tomando e publicar textos aqui no blog.

Exemplo de cartão no Trello com projeto de leitura

Projetos que não podem andar por algum motivo ficam na lista On Hold:

Eu não crio todos esses cartões do zero, mas tenho uma lista de templates; repare na imagem acima o pequeno ícone que, quando selecionado, me permite escolher um cartão da lista abaixo. Essa lista é apenas organizacional; qualquer cartão do Trello pode ser transformado em template, e, na lista de templates, eu preciso transformar cada cartão em um modelo.

Por último, eu mantenho uma lista de projetos concluídos. O que significa o emoji? Foi uma dica do Vlad Campos. Crie uma lista que tenha esse emoji, arraste um cartão para ela e veja o que acontece.

Criando sistemas duráveis

Foi uma surpresa para mim o quanto uso o mesmo sistema há mais de 3 anos. Acho que o motivo disso é que esse sistema foi estudado; usa as bases do livro do GTD com outras dicas roubadas de outros sites e blogs.

Trocar de ferramenta é muito legal, e eu mesmo estava pensando em estudar alternativas para o Trello apenas pela novidade. Depois de ver o quão bem funciona, vou me dedicar a aprimorar o meu uso do Trello cada vez mais.

Categorias
Artigos

2021: O Ano da Diversão

O meu tema para 2021 é o Ano da Diversão.

Em 2020, eu fiz bastante coisa. Quando paro para pensar que criei um filho no seu primeiro ano ao mesmo tempo em que ministrei 17 créditos semanais em um curso de Engenharia Mecânica, praticamente apenas trabalhando de casa, eu me sinto levemente insano. Deu certo, eu consegui, mas eu preciso de um pouco de equilíbrio.

À medida que vou finalizando mais um semestre acadêmico, as aulas que tenho de preparar estão ficando mais redondas; meu orientador muito sabiamente me deu a dica de que são necessários três semestres para você realmente montar uma disciplina. Nesse ano, eu não preciso mais partir de uma velocidade inicial nula, mas refinar o que já fiz.

Meu filho também está crescendo, eu estou ficando mais habilidoso em conciliar paternidade com outras coisas. Eu não me iludo: vai demorar décadas até meu filho se tornar independente, mas o sono dele está se tornando mais estável, ele se movimenta pela casa sozinho, e, mais importante, estou brincando mais com ele e vigiando menos, o que quero reforçar mais nesse ano.

No que quero me divertir? O primeiro ponto é esse blog. Eu genuinamente gosto de escrever, e meus momentos de trabalho mais feliz são quando eu consigo separar um tempo para mostrar meu trabalho. Quero publicar mais nesse ano, e voltar a fazer desse blog uma parte importante da minha vida, como foi quando comecei.

Tenho alguns sonhos mais ousados também, como voltar a tocar violão, principalmente quando estiver com meu filho. Quero comprar um, voltar a estudar, e incentivar a musicalidade do meu menino – e a minha. Gostaria de poder jogar mais também, como forma de extravasar um pouco. Fazer coisas que não são relacionadas ao trabalho é uma questão de saúde mental.

Em 2020, eu tive poucos finais de semana de descanso, e está na hora de mudar isso. Eu já vinha pensando nisso, e Rob Walker sugeriu na sua última newsletter, em explorar mais a minha região. Quero fazer pequenos passeios em família, sempre de máscara e mantendo distanciamento social.

Onde vou arranjar tempo para isso? Da mesma forma como faço todas as outras coisas na minha vida atual: arranjando alguns minutos aqui e ali. Eu achava que não tinha tempo para exercícios, mas voltei a correr regularmemte. Eu achava que não conseguiria dar conta de 5 disciplinas, mas recebi até elogios pelas minhas aulas.

O Ano da Diversão não é um período de férias de 365 dias. Eu vou manter meus compromissos com meus alunos, criar meu filho, amar minha esposa, manter minha casa. Mas, a cada passo que tomar: vou me perguntar: é possível fazer isso de maneira divertida?

Categorias
Artigos

Revisão do meu tema de 2020: O Ano do Novo

O meu tema para 2020 foi O Ano do Novo.

Nesse último dia do ano, parei para refletir e me assustei com a quantidade de coisas novas que passaram pela minha vida.

Eu aprendi a ser pai, e não há nem o que selecionar para falar do que foi novo porque tudo foi. Eu não sabia nada, e agora sei um pouquinho mais que nada. Não escondo de ninguém: a parte mais difícil foi lidar com o sono altamente irregular. Estou no processo de aceitar isso, ao mesmo tempo em que o sono do meu filho vai se estabilizando.

Eu e minha família fomos morar em uma nova cidade: Joinville. Em janeiro, peguei o carro e fui até lá, visitei meia dúzia de apartamentos, e escolhi um que parecia adequado. Mas meu cérebro estava acostumado a avaliar espaços e situações para um casal, e agora havia uma criança junto. Quando ele começou a crescer, e quando a pandemia estourou, a falta de espaço ficou evidente; não sabíamos nem se era seguro pegar o elevador para ir passear.

Mudamo-nos para a casa de praia da família, em Florianópolis, que fica vazia no inverno. E que experiência foi, morar na praia por um pouco mais de estação! Passear com ele todo dia pelas ruas vazias (e sem ter de compartilhar elevador) foi um dos pontos altos do ano. Viramos frequentadores conhecidos das lojas do bairro e, pela primeira vez na vida, eu morei em uma casa.

Na primavera, voltamos para Joinville, mas a experiência na praia me arruinou: eu queria ir para uma casa. Assim, mudamo-nos de novo e alugamos um casa. O ano de 2020 foi quando eu me tornei “dono de casa”, com todas as rotinas de manutenção mas com todo o espaço disponível.

Desde então, aprendemos de fato a morar em Joinville. Eu conheci novos lugares para correr; conhecemos novos restaurantes; já até consigo dirigir sem GPS para a maioria dos lugares.

Em 2020 também comecei um novo emprego, aprendendo a preparar aulas e em seguido re-aprendendo, desta vez online. Experimentei várias ferramentas novas: Moodle, BBB, Screenflow. Passei a usar o tão-falado Notion. Comprei livros novos, gadgets novos, montei o meu escritório.

O sistema de temas funciona. Minha vida em 2020 foi muito diferente de 2019. A cada decisão, eu tinha o tema em mente, o que levava a querer arriscar e experimentar.

Amanhã, eu vou contar para vocês o meu tema de 2021.

Categorias
Artigos

2020: O ano do novo

Eu sou grande fã do podcast Cortex e, no ano passado, comecei a brincar com a ideia de temas para o ano: um palavra ou frase que guie as minhas decisões para um ano novo que se segue.

Em 2019, eu estabeleci que queria ser mais intencional sobre minhas ações e minha vida. Mantive um diário regularmente, continuei na terapia, e fui muito mais reflexivo em relação ao que estava acontecendo. Eu terminei o ano com uma sensação muito maior de controle sobre minha vida — portanto, tive sucesso em seguir o meu tema.

Agora, em 2020, é hora de testar coisas novas.

O maior desafio novo: ser pai

No final de 2019, nasceu o João Pedro, e apenas isso já garantiria um ano muito diferente dos 31 anos anteriores de minha vida.

Ser pai implica ter uma nova rotina, um novo comportamento (demorou dois dias para eu me espantar como meu celular só tem fotos dele), novos desafios. Principalmente: coisas antigas não cabem mais na minha vida, como ir à academia, ver séries, sair para jantar apenas com minha esposa.

Sem problemas: muito desses abandonos são apenas temporários, enquanto que a aventura de ver uma criança crescendo vai se renovar ano após ano, para sempre.

Um novo emprego

Após 12 anos como parte do POLO, estou partindo para novos desafios: a partir de fevereiro, vou assumir uma posição de Professor Substituto no Centro de Ciências Tecnológicas da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina).

Eu escolhi entrar para o mundo acadêmico em 2012, quando ingressei no mestrado, mas desde então só havia trabalhando com pesquisa. No meio de 2019, fiz um concurso para professor da UFSC que me fez perceber como faltava experiência docente. Desde então, dei algumas aulas quando meu orientador viajava, e percebi o quanto adoro o ambiente de sala de aula.

Eu já havia decidido não fazer mais concursos e terminar meu pós-doutorado e talvez estendê-lo em 2020, mas aconteceu que numa determinada noite vi um anúncio em um telejornal sobre o concurso para a Udesc, com inscrições vencendo em poucos dias. Fiz o concurso e passei.

Eu quase nunca assisto a jornais, mas bem naquele dia eu estava sentado no sofá quando veio esse notícias. A área do concurso era a minha área. Não seria vontade de Deus que eu passasse?

Uma nova cidade

Uma consequência do novo emprego é sair de Florianópolis, minha cidade natal, e ir para Joinville, a maior cidade de Santa Catarina.

Eu já morei fora de Florianópolis por alguns períodos, todos delimitadoa por no máximo 1 ano. Agora, eu estou indo por período indeterminado. Quem sabe eu volte. Mas também quem sabe não vou me estabelecer em Joinville, ou depois tomar outro rumo?

Não saio de Floripa sem pesar, dado que é a cidade mais bonita do mundo, além de estarem aqui minha família e a maioria de meus amigos. Mas, em 2020, eu vou experimentá-la como visitante — e quem sabe assim eu não aprenda a conhecer essa ilha de outra forma?

Eu estou muito animado para ver tudo isso acontecendo nesse ano. Todos esses aspectos vão me fazer sair da minha zona de conforto e crescer — como pai, marido, profissional, e simplesmente como homem.

Categorias
Artigos

2019, o ano da intencionalidade

Baseado no último episódio de Cortex, eis o meu tema para esse ano: 2019 vai ser o ano da intencionalidade para mim.

Eu me considero uma pessoa bastante organizada e produtividade, e recentemente listei algumas coisas que me ajudaram nesse processo, em particular durante o ano de 2018. Como já deve ter ficado claro, no ano passado eu aprendi a lutar contra a depressão e a levar a vida com mais calma e simplicidade.

Em 2019, está na hora de levar isso ao próximo nível. Com ajuda do método Bullet Journal, quero aprender a refletir mais sobre minhas ações, ser mais intencional no meu dia a dia e registrar melhor meus dias. Não apenas completar próximas ações, mas garantir que elas estejam de acordo com minhas metas reais.

Não é isso que é produtividade?