Monthly Archives: July 2013

A vida deles com Alice

Vivemos num mundo intolerante. Nós, brancos, de classe média,
heterossexuais, odiamos aqueles que são diferentes por perturbarem o
nosso mundo. Odiamos os gays por “tentarem destruir a família
brasileira”, os religiosos por “enganarem a população”, os ateus por
“pregarem o mal”, os pobres por “sugarem os nossos impostos com o
Bolsa-Família”, os ricos por “explorarem a classe trabalhista”, os
negros por… não sei por quê, mas tem gente que ainda os odeia.

É um mundo de ódio e de hipocrisia. E parece que estamos piorando.

Mas nada se compara à situação de pessoas com necessidades especiais.

São pessoas que nasceram com alguma diferença genética, ou que sofreram
algum tipo de acidente. Na maior parte das vezes, não é culpa deles, e
ainda assim os odiamos. Reclamamos do excesso de vagas reservada para
eles no shopping. Tiramos sarro da menina que usa a linguagem de sinais
nas propagandas oficiais. Sentimos vontade de enganar o cego. Reclamamos
quando o ônibus demora muito tempo para que algum cadeirante possa
subir. Chamamos alguém de autista como xingamento.

E sentimos pena quando algum amigo tem um filho com necessidades
especiais.

Eu nunca tive nenhuma experiência desse tipo, nem com pessoas próximas
de mim, então não consigo nem imaginar o que é ter de lidar com isso. É
um desafio duplo: você tem de lidar com a situação em si e com a reação
das pessoas a ela. Da cara de pena, da cara de nojo disfarçada, da cara
de “ainda bem que não foi comigo”.

Quando alguém passa por isso e opta por compartilhar coisas boas, só
podemos sentir alívio. Alívio de que ainda existam pessoas assim.

Num mundo tão intolerante, é iluminador ler algo como o Nossa Vida com
Alice
.

Eu cheguei a esses blogs (o que eu indiquei e o que vocês estão lendo
agora) por causa da avó da Alice. A Soninha, além de ser provavelmente a
melhor professora de literatura do Brasil, foi a pessoa que mais elogiou
e incentivou a minha escrita. Constante e continuamente. Chegou um ponto
em que eu queria escrever apenas para mostrar para ela (e ela
provavelmente não sabe disso).

Sem o elogio de alguém que estuda os melhores livros por profissão,
talvez FabioFortkamp.com não tivesse nascido.

Não tenho medo de dizer: foi um choque descobrir que a neta dela (e
claro que ela falava das filhas nas aulas) nasceu com Síndrome de Down.
Quem não se espantou?

Aos poucos, porém, acompanhamos a luta. Sejamos realistas: ter um filho
com Síndrome de Down é difícil. Logo a Carol (a mãe da Alice, e filha da
Soninha) resolveu começar a compartilhar suas experiências. Ler aquele
blog me dá um senso de realidade, um senso de tamanho dos meus
problemas, um senso de alegria.

Não é querer se mostrar. É querer enfrentar o preconceito. É muito fácil
dizer que lutamos sem fazermos algo de fato. E ela faz. A escrita dela
clarifica, sem borboletas voando e arco-íris permanente. Ela escreve
sobre o desfio diário, o acompanhamento médico, a rejeição das escolas,
as alegrias de ser mãe, as risadas do bebê, os choros da mãe.

Você deveria acompanhar. No mínimo, para ter menos preconceito.

Boa sorte, Carol.

Advertisements

WhatsApp e a transformação de produtos em serviços

Na semana passada, o WhatsApp tomou um passo que eu estava esperando
há muito tempo: passou a cobrar novos usuários por ano, e não mais uma
vez por aplicativo vendido (já era assim no Android e passa a ser assim
também para o iPhone). Ou seja, o WhatsApp, um dos meus aplicativos
favoritos, não é mais um aplicativo; é um serviço.

Por que fazer isso? Ben Thompson resumiu, ao dar o exemplo do
Paper:

The problem for Paper is the same for all productivity apps in the App
Store: there is no way to monetize your existing users.

O mercado de vendas é naturalmente instável. Uns mês se vende mais, nos
outros menos, e posso imaginar a dificuldade que é para um negócio
baseado em vendas manter o fluxo de caixa. Entretanto, o mercado de apps
tem particularidades, baseadas no fato de que usuários geram receita de
maneira discreta e gastos de maneira contínua
. Uma vez que alguém
compra um aplicativo, essa pessoa nunca mais vai dar dinheiro para a
empresa (já que um aplicativo não estraga, e portanto não precisa ser
substituído) e vai continuar exigindo que seus emails sejam respondidos
e que os bugs sejam consertados.

Por exemplo, quando você compra um carro, continua dando dinheiro para a
concessionária com revisões, acessórios etc. A cada vez que você quer
que algo seja melhorado, tem de pagar. Combinado com os altos preços,
isso mantém o mercado de carros — e de computadores, de
eletrodomésticos, …

Numa outra categoria, existem aqueles produtos que são gastos numa
escala relativamente rápidas: comida, roupas, materiais de escritório.
Num determinado instante de tempo, alguém há de precisar disso. É
fácil manter o fluxo de consumo.

Quando alguém comprava o WhatsApp, dava um dólar para os desenvolvedores
(na verdade menos, tirando a fatia da Apple), e ficava usando os
servidores indefinidamente para trocar mensagens. E os próprios
criadores, que vieram do Yahoo, já deixaram claro que não querem
usar anúncios para gerar receita. É claro que esse negócio não era
sustentável.

Pagar pelo direito de usar

Ultimamente serviços que cobram taxas periódicas por acesso ao serviço
(e não apenas por produto vendido) vêm crescendo; são os serviços de
assinatura, ou subscription-based. O caso típico é o Netflix: você
paga uma taxa mensal e vê quantos filmes quiser (mas apenas enquanto
pagar). Você não possui mais nenhum filme, e sim o direito de assitir
ao catálogo. Na música, temos o Rdio; para audiobooks, Audible.

O mercado de apps também tem visto essa tendência. Veja o Nozbe, um
sistema GTD na nuvem. E como Thomson colocou, temos o Office e a
Adobe que transformaram seus produtos em serviços. Você paga
continuamente pela comodidade de ter seus dados sempre disponíveis. E
agora o Whatsapp fez o mesmo.

É simples. As empresas mantém toda uma infraestrutura, armazenamento,
streaming, aplicativos de acesso, e você continua pagando enquanto usar
os recursos.

Nem todo programa precisa fazer essa transição (caso contrário veríamos
pedidos de falência diariamente). Alguns apps simplesmente não fazem
sentido como um serviço, ou o fluxo de caixa é suficiente para sustentar
uma equipe pequena (digamos que o produto seja muito bom e novos
usuários continuam o descobrindo). Mas acho que não seria exagero que
nos preparemos para mais exemplos desse tipo.

Resenha: Platform

Platform: Get noticed in a noisy world foi o livro que me motivou
a lançar FabioFortkamp.com.

Eu não consigo me lembrar de como ouvi falar de Michael Hyatt. Só
sei que comecei a ler o seu blog e vi muitos textos interessantes.
Artigos sobre liderança, dicas de produtividade, tutoriais de apps. O
tipo de conteúdo que me interessa, definitivamente. E o melhor: ele tem
experiência prática, pois foi CEO de uma grande editora por muitas anos,
então entende de liderança, aplicou os métodos de produtividade e
usa os programas que recomenda.

Muitos dos textos são sobre ferramentas digitais: blogs, Twitter,
Facebook… No papel de um executivo que abraçou as redes sociais, Hyatt
tem muita informação a compartilhar. E resolveu reunir esses conceitos
num livro, não sobre cada ferramenta individual, mas sobre a ideia
global de uma identidade digital.

A frase que resume a filosofia por trás da obra é essa:

For all practical purposes, privacy is dead. Via Google, people can
find out more about you in ten minutes than was possible in a lifetime
ten years ago. You might as well intelligently feed the Google search
engines with what you want people to know about you. You need to be
smart about it but you are in control.

Isso não deve ser desculpa para não nos preocuparmos com a privacidade,
mas ele tem um ponto. Por mais cuidadoso que você seja, sempre há um
jeito de encontrar informações sobre você; então, por que não criar
você mesmo a sua identidade?

Um modelo

Eu sou engenheiro, e engenheiros gostam (supostamente) de modelos. Um
modelo é uma maneira de descrever a realidade. É uma abstração, uma
simplificação que simplica os trabalhos de lidar com a realidade.

No caso, a realidade é a nossa presença na internet. Como interagimos
com a web? Um rápido brainstorming revela muitas opções:

  • Blog ou site pessoal
  • Blog ou site de outros
  • Redes sociais (Twitter, Facebook, App.net etc)
  • Serviços de fotos (Instagram, Flickr)
  • Serviços de vídeos (YouTube, Vimeo)
  • Fóruns
  • Lojas virtuais
  • Sites de jogos
  • Sites de notícias
  • Sites diversos

Hyatt então se propõe a responder à pergunta: “como podemos utilizar
todas essas opções a nosso favor?”

A resposta envolve um modelo, a plataforma do título. Não vou explicar
o modelo em detalhes porque esse é o objetivo do livro, mas a ideia é
usar um site pessoal, as redes sociais e alguns outros tipos de site de
maneira consistente, fazê-los funcionar conjuntamente. Ele dá dicas de
como usar cada serviço e de como integrá-los; essa integração é o
diferencial do livro.

O que você tem a dizer

O modelo de plataforma se aplica tendo em mente pessoas que tem algo a
dizer ou vender (como anunciado na capa do livro). Como o próprio autor
escreve:

There are two critical parts of the success equation: a compelling
product (the what) and a significant platform (the who).

É isso. Antes de criar a sua plataforma você tem de pensar sobre o que
você quer divulgar. Talvez você goste de tirar fotos e quer algo mais
profissional que o Instagram. Ou talvez você seja um administrador que
tem algumas ideias mais modernas e quer que seu empregador as entenda
antes de contratá-lo. Ou você escreveu um livro e quer compartilhar
textos sobre as motivações que o levaram a escrevê-lo, ou os autores
mais influentes para você. Ou você é um estilista que quer divulgar seus
desenhos. Ou você é uma pessoa qualquer que gosta de escrever.

Hyatt dedica a primeira parte do livro a falar sobre criação de
produto
. Ele fala claramente que esse não é o assunto do livro, o que
me leva a questionar a presença desses capítulos, que acabam sendo
superficiais demais. Por exemplo, Hyatt cita Steve Jobs e o lançamento
do iPhone como exemplo e caso de sucesso sobre lançamento de produto. Eu
até concordo, mas acho que 1) falar do iPhone como exemplo de lançamento
de produto já se tornou meio clichê e 2) Jobs era uma pessoa bastante
peculiar (no bom e no mau sentido), impossível de ser imitada.

Esqueça o hype da Apple (e o autor mesmo confessa ser um ardoroso
Apple fan) e as dicas de auto-ajuda (coisas do tipo “olhe no espelho e
veja quem você é”) dessa parte do livro. Se você ainda não criou o seu
produto, e precisa de ajuda, existem muitas obras mais apropriadas (no
final de Platform o autor inclusive dá dicas de alguns).

Um manual com uma teoria embutida

As outras partes do livro são mais valiosas. Partindo do pressuposto que
você já sabe sua mensagem, já tem o seu produto (mais ou menos) na
cabeça, ele traz uma abordagem passo a passo bastante intuitiva. Dá
dicas práticas e explica o raciocínio. Fala de como escolher o seu
domínio (como FabioFortkamp.com), como configurar seus perfis nas
redes sociais, como escolher um sistema de blogs, como planejar seu site
(“the single most important branding tool you can have“).

Tudo com muitos exemplos práticos. Dicas, dicas e mais dicas.

Por exemplo, o autor dedica um capítulo com orientações para sua foto de
perfil, e suas fotos em geral. Na primeira vez que li o livro, não me
preocupei muito com isso; porém, depois comecei a analisar outros blogs.
E, realmente, a foto chama atenção. Você começa a ler os textos
imaginando aquela pessoa escrevendo. Mais importante, você se torna uma
pessoal real; se você tem uma mensagem, você precisa se expor. Leia esse
capítulo com atenção.

Outro capítulo interessante envolve considerações sobre tamanho de posts
no seu blog (e Hyatt recomenda fortemente você manter um, por mais
simples que seja). Os meus textos são muito mais longos que o
recomendável por ele, mas eu entendo seu argumento: você precisa
procurar o seu meio termo entre “curto e superficial demais” e “longo e
demanda muito tempo”.

E mais dicas práticas. Sugestões de aplicativos para cada tarefa.
Cuidados ao lidar com comentários.

É aí que Platform realmente brilha: é um manual de como criar sua
plataforma, onde cada passo é explicado com um raciocício lógico.

Exagero

Existem algumas partes que são bastante exageradas. Hyatt é um executivo
de sucesso; ele tem dinheiro para criar uma plataforma realmente
profissional. Mas ele poderia simplificar em muito o seu método para
quem está começando. Embora ele argumente que todos temos a
oportunidade de garantir nossa presença na web, ele parece não
contemplar uma classe na qual me incluo: estudantes ou profissionais em
início de carreira, pessoas que querem começar a montar a sua
plataforma mas não tem tanto dinheiro assim. Hyatt parece dizer: “ou
você contrata toda uma equipe, o melhor web-designer, o melhor
fotógrafo, o melhor serviço de web-hosting, usa os melhores programas,
ou então você nunca terá sucesso”.

Essa mentalidade pode atrasar ou encarecer em muito a sua plataforma.
Você não precisa escolher tudo do mais barato e simples, também. Pegue
uma foto sua decente (preste atenção nas suas dicas), escolha um
conjunto de programas que faça o serviço, e o sistema de blogs mais
simples, e crie. Aos poucos você vai melhorando alguns aspectos.

Além de algumas partes exageradas, o livro tem alguns defeitos gerais.
Por exemplo, claramente o autor reaproveitou textos do seu blog (o que
não é nada errado), em vez de criar o livro do zero. O problema é que
algumas partes são bastantes repetitivas, o que é característico de um
conjunto de textos independentes, em vez de um livro único.

Além disso, Hyatt advoga fortemente em transformar seus textos em listas
(“10 razões para ter comentários”, “20 dicas de Twitter” e por aí vai).
Segundo ele, faz os textos ficarem mais legíveis. Eu concordo, mas isso
vem acompanhado de uma sensação de superficialidade. Gosto quando os
autores desenvolvem suas ideias em parágrafos tradicionais. É mais
difícil, mas, para mim, fica melhor.

Se você concorda comigo, cuidado. Platform é recheado de listas. A
única categorização que faz sentido é sobre os tipos de títulos; por
exemplo, existem os óbvios (“Fulano de tal: uma biografia”), os que
fazem uma promessa (“Como perder 10 quilos comendo chocolate todo dia”)
etc. Eu nunca havia parado para pensar nisso.

Você deve ler!

Apesar desses defeitos, Platform é um livro excelente. Você
encontraria muita informação de graça, provavelmente, mas a reunião de
textos correlacionados reunidos convenientemente em torno de um modelo
simples ajuda bastante.

Se você absolutamente não se importa em controlar sua presença na web e
só quer usar o Twitter e Facebook como passatempo, não se incomode em
ler.

Porém, se você acha interessante a ideia de se promover usando essas
ferramentas e quer começar um blog mas não sabe como, esse texto lhe
será muito útil. É um grande motivador.

Aliás, mesmo que você ache que não precisa, leia o livro para ver os
pontos que o autor chama a atenção sobre identidade e privacidade. Mesmo
que você não tenha pretensão profissional, você acha que aquela sua foto
de perfil fantasiado para o carnaval ou aquele seu endereço de email
joao_comedor@hotmail.com realmente acrescenta alguma coisa?

Lembre-se: a privacidade na internet está em extinção. Detalhes menores
estão públicos a todo mundo. Mantenha o controle.

Day One: benefícios de manter um diário

Se eu fosse fazer uma resenha tipicamente Apple, eu diria que Day
One
é um app elegante, com um design minimalista, com cada pixel
muito bem pensado. Um app muito cool, portanto.

Interface Mac Day One

Agora ao que realmente é importante: Day One é um pequeno programa que
teve um grande impacto na minha vida, por ser um grande facilitador à
escrita pessoal. Claro, um app bonito é agradável, mas é a experiência
de uso
que importa.

O melhor ouvinte do mundo

Pela sua descrição, Day One é um journaling app – um app para escrever
um diário, em resumo. É um editor de texto básico, com suporte a
Markdown, mas onde você armazena seus textos num calendário e não em
pastas (como num editor comum).

A minha entrada é de 1 de janeiro de 2013, o que leva o leitor à correta
conclusão de que manter um diário era uma resolução de ano novo. Eu
achava que ia manter minha memória, que ia ler esses relatos daqui a dez
ou vinte anos, e suspirar para meus filhos “those were the times…”.
Claro, isso depois de muitas noites registrando o dia, por muitos anos.

Por curiosidade, olhe como foi essa primeira entrada:

Primeira entrada no Day One

(Sim, eu escrevi em inglês, não me pergunte por quê).

Eu logo percebi que isso é tolice. Os momentos são valiosos no instante
em que acontecem. É por isso que não vejo sentido em pessoas que filmam
e fotografam shows (e protestos). Em vez de aproveitar o que está
acontecendo, naquele instante, elas querem guardar para o futuro. Não
seria mais fácil se preocupar com o agora?

Um diário é um ouvinte – o melhor do mundo, provavelmente. Você deve ter
uma conversa com seu diário. E um ouvinte real está pouco interessado no
que você fez no dia. Ele quer saber suas opiniões e seus pensamentos.
Ele não quer ouvir “fui numa festa muito legal”; ele quer saber o que
fez a festa ficar tão boa. Ele também quer saber daquela frase que você
ouviu que chamou a atenção. Ou daquele livro que você adorou.

Um diário é uma maneira de você organizar seu cérebro. E o melhor: você
pode escrever o que você quiser. Shawn Blanc (autor de um excelente
blog sobre tecnologia
que você provavelmente deveria ler) disse
bem
:

As a writer, I believe journaling on a regular basis is critical. It’s
writing that will never be judged. It’s writing that doesn’t require
an editor. It’s the only place where I am completely free to write for
my truly ideal reader: a future me. I have my own inside jokes, my own
running story arc, my own shorthand. I love the freedom to write
whatever I want, however I want, with no need to make it tidy or clear
or concise. And I have no doubt that it makes me a better professional
writer.

Alguma dúvida de que FabioFortkamp.com me fez ficar ciente da
importância do diário?

Como tirar melhor proveito do Day One

A minha regra de uso é: se está na minha cabeça, e se não é algo
estritamente técnico (relacionado ao meu mestrado, ou à configuração
deste blog, por exemplo), vai parar no Day One. Eu pego o iPhone e
começo a digitar (ou, melhor ainda, uso o excelente Drafts). Ou, no
Mac, ativo a entrada rápida (um atalho de teclado e o programa abre uma
pequena tela pronta para receber seu texto).

(Repare que isso é bastante ligado ao princípio de ter “a mente como
água”, fundamental na produtividade pessoal, conforme já escrevi.)

Por exemplo, esses dias, depois de levar meu carro à revisão, e ter de
escutar o vendedor me oferecer mil serviços provavelmente inúteis, um
pensamento me surgiu:

Entrada rápida do Day One no Mac

Simples. Na hora em que o pensamento me ocorreu eu já digitei.

No iOS, se você quiser digitar no próprio app você tem uma tela bastante
simples:

Entrada no Day One do iOS

Como falei no início, o aplicativo é realmente muito bem desenhado, mas
isso só reforça a facilidade que é escrever. Num app de diário, como
esse, o usuário deve ser capaz de registrar algo rapidamente.

O Day One, assim, se tornou um repositório de muitas ideias e
pensamentos. Por exemplo, há alguns dias falei da busca por nossa
identidade
. Antes de escrever aquele texto, eu quis fazer um
brainstorming de todos os interesses meus. Quer ver?

Brainstorming de ideias no Day One

Ou quando eu pensei muito sobre o foco de FabioFortkamp.com:

Foco de FabioFortkamp.com no Day One

Day One é também uma excelente maneira de passar a raiva. Quando algo
desagradável acontece, eu imediatamente explodo para o app. Descarrego
mesmo, com xingamentos e tudo. Muito melhor que fazer isso com uma
pessoa, o leitor há de concordar comigo.

Mais features

Agora, para mais alguns detalhes técninos do app (que são apenas
detalhes). Por exemplo, embora eu não use muito, por preferir texto, o
Day One tem um bom suporte a fotos:

Foto de Ratones no Day One

Tem também suporte a geolocalização (incluindo integração com
Foursquare), o que faz com suas entradas fiquem com a localização
embutida. Inclusive, se você quer usar o Day One como um diário
tradicional, o aplicativo se transforma numa interface mais pessoal ao
Foursquare. Ao jantar, assistir um filme, passear etc você cria uma nota
no aplicativo e faz check-in automaticamente. Como falei, não é útil
para mim, mas consigo ver muita gente tirando proveito disso.

Há também suporte a tags, para organizar suas notas (por exemplo,
#jantares, #festas, #pensamentos). Eu uso poucas porque gosto de
manter as coisas simples, mas ajuda a fazer uma revisão dos seus textos.

Para mais informações

Como usual, Federico Viticci escreveu uma review muito mais
detalhada que o leitor deve conferir. E Tulio Jarocki lançou uma série
fantástica
sobre o aplicativo, que me fez querer voltar a usar o app
(depois de ficar cansado de apenas relatar minhas experiências).

Day One está disponível para Mac (e ganhou o prêmio de App of the Year
2012
) e iOS (e está de graça por tempo limitado para comemorar os 5
anos da App Store).

Resenha: A Arte de Fazer Acontecer

Se eu fizer uma lista dos 5 livros mais importantes que já li, eu teria
um bocado de trabalho escolhendo 4 deles. A Arte de Fazer Acontecer,
de David Allen, teria de estar lá.

Eu li esse livro na edição portuguesa (lançada com o título de Fazer
Bem as Coisas
, na época em que eu morava em Portgual, mas linkei
para a edição brasileira para o leitor ter mais fácil acesso e porque
acredito que a mensagem é independente da linguagem.

O livro de David Allen é conhecido no mundo todo por ter introduzido o
método GTD, ou Getting Things Done (por isso é fácil ver a obra ser
chamada de GTD book ou algo assim), provavelmente o mais famoso método
de produtividade pessoal. Este não é um post sobre GTD, e sim sobre
o livro, mas vou tentar introduzir o leitor no assunto.

A filosofia GTD

Allen começa o livro introduzindo o leitor ao conceito fundamental do
método: a nossa mente é feita para executar tarefas, e não para
guardar informação, e precisamos gerenciá-la para garantir isso.

Para o autor, o gerenciamento do tempo não existe, pois todos temos 24
horas por dia. Não podemos fazer 5 minutos durarem mais que isso.
Podemos, sim, controlar a nossa atenção, o nosso foco, as nossas
prioridades.

Nossas vidas contêm muitas áreas de interesse. Se você está sentado para
escrever um relatório pensando nas compras de Natal, você está perdendo
tempo. Você não está terminando seu relatório e nem comprando os
presentes. A preocupação está consumindo sua energia.

Ao longo da primeira parte, o autor escreve a toda hora sobre a
importância de ter a “mente como água”, de “gerenciar a informação”, de
ter a “mente sob controle”. Seu estilo é bastante claro, direto, e sua
ênfase nos pontos cruciais ajuda a guiar o leitor. Allen também
demonstra gosto por citações motivacionais que pouco acrescentam à
mensagem do livro, mas servem como ilustração (com algumas exceções de
mensagens realmente boas, como a frase de Horácio “Governe a sua mente
ou ela o governará” ou o provérbio grego “O início é a metade de todas
as ações”).

A mente é ruim para armazenar e acessar informação; o autor inclusive
usa um exemplo interessante. Se a sua mente tratasse informação de
maneira verdadeiramente inteligente, você automaticamente lembraria de
tudo que tem de comprar cada vez que entrasse numa loja. Ou então pense
no seguinte (exemplo meu): já notou o esforço que você tem de fazer para
lembrar do nome de um livro? A sua mente não propicia um mecanismo de
acesso. Numa analogia muito interessante, Allen compara o cérebro à
memória RAM: de curta capacidade, ótimo para memórias recentes e
aleatórias. Seu cérebro não é um disco rígido (ou um SSD, num exemplo
mais atual).

O grande problema é que, quando você usa a mente para isso (armazenar
informação), você tende a ter a necessidade de executar suas tarefas no
momento em que elas chegam à sua cabeça. Você está concentrado em algum
projeto quando um colega chega e pede um documento. Você pára tudo que
está fazendo e busca o documento. Quando volta ao projeto, já perdeu
toda a linha de raciocínio. E esse tipo de situação ocorre dezenas de
vezes por dia.

Você precisa de um sistema.

O método GTD

Depois de explicar e ilustrar os conceitos fundamentais (controle,
gerenciamento de informação, ansiedade, preocupações), Allen expõe o seu
método. É a sua solução ao problema do gerenciamento da mente.
Basicamente, o princípio é separar a ação da organização.

Quando você está fazendo algo, seja relacionado ao seu trabalho (como
preparar uma apresentação) ou à sua vida pessoal (como montar um
armário), você se concentra nisso. Quando chega uma interrupção, você
não pára e parte para outra atividade. Você anota a pendência numa
caixa de entrada e continua o seu trabalho.

Ao longo de um dia, você vai acumular muitas pendências – resultados de
interrupções, lembranças que vieram à sua mente, emails, pedidos do
chefe, telefonemas. Então, periodicamente (sem interromper seu
trabalho), você separa um tempo para organizar essa informação. Eventos
com horas marcadas vão para o calendário. Ideias e tarefas que não podem
ser realizadas agora vão para uma lista apropriada (por exemplo, você
mantém uma lista dos idiomas que quer aprender). E coisas mais imediatas
são divididas em subtarefas, com ênfase na próxima ação que você tem
de executar. “Comprar um presente” é algo bastante genérico; “pesquisar
o preço daquele livro” é algo mais simples e que pode ser feito em
poucos minutos, e que ajuda na tarefa da compra do livro.

Quando você estabele uma rotina de organização (por exemplo, todo dia,
após o trabalho, você organiza todas as suas pendências), você cria um
sistema de confiança. No exemplo anterior, ao receber o pedido de um
documento do seu colega, você não pára para procurar o documento; você
toma 5 segundos para simplesmente anotar esse pedido. Na sua revisão,
você adiciona esse pedido à lista de tarefas. Na próxima ocasião em que
você estiver concentrado nas suas tarefas, esse pedido acabará sendo
executado.

A lista de próximas ações ajuda também a livrar a mente da tarefa de
decidir. No seu horário de trabalho, você se dedica simplesmente a
fazer; você não perde tempo pensando o que deveria fazer porque está
tudo numa lista que você está seguindo. Lembre-se: você não deve gastar
seu tempo e sua concentração se organizando. Você deve separar um
pequeno tempo para manter o seu sistema, de maneira a usar a maior parte
do seu dia para produzir.

Como falei, não quero descrever o sistema GTD em detalhes porque isso
seria prestar um desserviço ao livro. Meu objetivo é incentivar o leitor
a lê-lo. O que posso adiantar é que o método descreve muitos outros
aspectos, por exemplo:

  • Como organizar seus projetos (e a definição de projeto do autor é
    muito interessante)
  • Como gerenciar tarefas que precisam ser delegadas a outros
  • Como separar tarefas imediatas (“Ligar e marcar revisão do carro”) e
    futuras (“aprender francês”)

Outro ponto muito positivo de A Arte de Fazer Acontecer é que ele
salienta o tempo todo que não existe a ferramenta universal para aplicar
o método; cada pessoa deve achar a que melhor se adapta ao seu estilo.
Você pode manter as suas listas num caderno simples ou num aplicativo
altamente sofisticado; pouco importa. E não vou nem dizer qual sistema
eu uso nesse texto para me manter fiel a essa postura do livro. Num
futuro post talvez eu explique o meu sistema.

O autor é bastante didático, abusa de exemplos (e a sua alternância
entre casos profissionais e pessoais ajuda muito) e usa muitos diagramas
explicativos. Não é difícil entender porque esse livro se tornou um
sucesso.

Como esse livro me ajudou

Eu tenho uma atividade “profissional” principal, que é meu mestrado em
engenharia. Tenho projetos pessoais: esse blog, um romance que estou
escrevendo (!), coisas que quero aprender. E tenho tarefas regulares:
comprar presentes, gerenciar minhas finanças, cuidar do carro. Tarefas
mundanas mas que precisam ser feitas.

Eu não vivo para isso, e acredito que ninguém o faça. As melhores coisas
da vida são os momentos em que estamos em companhia das pessoas
importantes ou em que estamos fazendo coisas que nos dão prazer:
caminhando na praia, lendo um bom livro, rindo de um filme.

Ser organizado, e ter um sistema como o GTD como guia, permite-me
aproveitar esses momentos. Durante a semana, eu sigo a minha lista de
tarefas e avanço nos meus projetos, e, a cada dia, eu tomo um tempo para
me organizar. “Tudo bem, hoje terminei o relatório; o que preciso fazer
amanhã?”. “Sempre quis começar um blog; vou dedicar um tempo essa semana
para pesquisar opções de hospedagem”. “Meus exames chegaram; deixe eu
anotar o telefone do médico para marcar o retorno.”. A ênfase do livro
de anotar tudo mudou completamente meus conceitos de organização.

Eu posso passar o fim de semana todo fazendo o que gosto porque sei que,
quando a segunda-chegar, a minha lista de próximas ações vai estar
atualizada, meu calendário vai estar configurado e meus projetos vão
estar encaminhados. O meu sistema de confiança está funcional. Todas as
minhas pendências estão em algum lugar, livrando a minha mente.

E isso é a melhor parte de ser produtivo.

Por que usar uma balança na cozinha

Na última edição de The Magazine, Joe Ray escreveu esse excelente
artigo sobre a importância de se usar medidas baseados na massa, e não
no volume, dos ingredientes de receitas culinárias. Segundo ele, isso
torna as receitas muito mais reprodutíveis, além de necessitar apenas de
uma balança (em contraste com um conjunto de
medidores-colheres-tigelas).

Se o leitor não se importar, deixe eu acrescentar um pouco de
termodinâmica à sua explicação. Vocês sabem, coisas de engenheiro.

O principal argumento a favor de usar a massa e não o volume como
referência é que, pondo de maneira simples, a massa é uma medida
absoluta
da quantidade de matéria, enquanto que o volume é uma
propriedade termodinâmica. Quando você diz “1 kg de água”, isso quer
dizer a mesma coisa aqui, no Japão e na Estação Espacial Internacional.
Com essa informação, é possível saber exatamente a quantidade de
moléculas de água. Um quilograma é um quilograma, definido conforme o
padrão internacional (que está variando). Porém, “um litro de água”
não é nem de longe tão preciso. O bom engenheiro, ao ler uma receita que
pede um litro de algum líquido, imediatamente se pergunta: “a que
pressão e temperatura?”.

Considere uma garrafa de água colocada no congelador. A garrafa estufa
e eventualmente estoura. O seu volume aumentou, sem que você tenha
adicionado água. Ou seja, o volume não indica de maneira precisa quanto
de água há.

É claro que essas variações de volume da água (e da maioria das outras
substâncias usuais na cozinha) em relação à temperatura são pequenas
nas condições ambientes (caso contrário haveria erros grosseiros), mas
existem três agravantes:

  1. Os pequenos erros (aqui entendidos como a diferença entre a
    quantidade correta de um determinado ingrediente que a receita
    pede e aquele que você efetivamente adiciona, baseada no volume) dos
    diversos ingredientes se somam
  2. A medição de volume é bastante subjetiva (você tem de comparar um
    risco num copo com o nível do líquido) enquanto que com uma balança
    digital você lê diretamente o valor
  3. A medição de volume de pós é altamente dependente da quantidade de
    ar entre os grãos. Experimente medir duas xícaras de farinha antes e
    depois de sacudir o recipiente

O uso de uma balança na cozinha surte mais efeito em receitas que exigem
maior controle, como o autor mesmo fala. Mas isso não quer dizer que
você não possa se beneficiar.

O Primeiro Rascunho

Ernest Hemingway:

O primeiro rascunho de qualquer coisa é uma merda.

É difícil haver uma frase que tenha causado tanto impacto na minha vida
profissional e que seja tão verdadeira.

O perigo de escrever e editar ao mesmo tempo

Na escola, as professoras de Redação (perdão, Produção Textual), sempre
advertiram: “faça um rascunho, e só depois passe a limpo”. Eu, bom aluno
(leia: puxa-saco) que sempre fui, seguia religiosamente esse conselho.
Fazia o rascunho (a lápis) e depois passava a caneta. E o processo,
embora funcionasse, parecia ineficiente. Na minha cabeça, eu demorava
tanto tempo que, quando eu terminava o rascunho, o texto já estava bom.
Parecia que eu poderia ter escrito o texto todo a caneta. O que havia de
errado?

Simples: o meu rascunho era muito bom.

Eu escrevia um parágrafo e editava. Parava, achava que ficava ruim, e
melhorava, e passava para o próximo. Voltava e mudava um trecho. Assim
por diante. Claro, no final, o texto já estava pronto. Passar a caneta
era só perda de tempo.

Isso é altamente ineficiente. Um rascunho é um rascunho, não é para ser
editado antes de ficar pronto. Muito melhor seria escrever o texto todo,
em uma só vez. Quando eu tivesse uma noção do que o texto final seria,
ficaria muito mais fácil consertar alguns trechos. Hoje em dia, eu
realmente faço rascunhos (mas não mais a mão). A primeira versão dos
textos de FabioFortkamp.com são deprimentes (não que as versões
finais sejam muito boas). Quando eu vejo uma tela em branco, é uma
oportunidade para descarregar completamente minhas ideias. “Parar e
pensar” é algo que não me permito.

Num dia desses, por exemplo, eu sentei e escrevi um capítulo da minha
Dissertação. Um capítulo inteirinho, enquanto esperava uma simulação ser
completada (se você acha que seu computador é lento ao visualizar aquele
PowerPoint, experimente trabalhar com solução de equações diferenciais
acopladas). “Uau, Fábio. Se a sua dissertação deve ter em torno de 5
capítulos, como usual, quer dizer que você escreveu 20% da sua
Dissertação em uma manhã? Qual o seu segredo?”

O meu segredo é que esse capítulo está uma merda. Não é a versão final,
que vai ser defendida. Se eu mostrar isso para o meu orientador, ele vai
rir de mim. É um rascunho. Tem erros de português, erros de gramática,
frases mal construídas, referências não conferidas. Mas ele está ali. Eu
agora tenho claro o que eu preciso escrever, sei das coisa que preciso
abordar. Depois ele vai ser reescrito. E aí é que está a mágica: o tempo
de fazer um rascunho rápido, mais o tempo de reescrita, é menor que eu
tempo de escrever e apagar parágrafo por parágrafo (já que não há tantas
interrupções). Além de que o texto final fica muito melhor.

Essa ideia pode ser extendida a muitos aspectos da nossa vida. É um
conceito bastante comum e que chamo de desenvolvimento iterativo (não
confundir com interativo).

Estimar e refinar

A melhor definição de iteração vem de um (excelente) professor meu:

Um problema iterativo é aquele cuja solução depende da solução.

Esse conceito é bastante comum na computação e na matemática. Por
exemplo, se você quer achar a solução de x = cos(a), onde a é
conhecido, é fácil. Você sabe a, calcula o cosseno e diz que x é
esse valor. E qual a solução de x = cos(x)? Qual o número que é igual
ao seu cosseno?

Como não existe solução algébrica (não existe nenhuma “fórmula”
fechada), nós usamos um procedimento iterativo. Você começa com um
resposta errada; você sabe que tem de ser entre 0 e 1 (pela definição de
cosseno). Suponha então que seja 0,5, o ponto médio. O cosseno de 0,5 é
0,877583. Esses valores são diferentes, então 0,5 não é igual ao seu
cosseno. Você tenta de novo, usando o novo valor (0,877583) como
estimativa. O cosseno disso é 0,639012, portanto esse novo número também
não é igual ao seu cosseno. Você tenta com o resultado mais recente,
cujo cosseno é 0,802685. E assim por diante, até chegar a 0,739085, cujo
cosseno é… 0,739085. Resolvido.

Essa técnica de estimar e refinar é extremamente usada nas ciências
exatas (embora existam muitas maneiras de refinar um resultado, e a que
eu mostrei não é a mais eficiente), e é a única maneira de resolver
muitos problemas (pelo menos com o nosso conhecimento matemático atual).
Muitas vezes é a maneira mais fácil (lembrando que todos esses cálculos
são resolvidos por um computador em um tempo menor que o que você leva
para dizer “não entendi nada”).

Na nossa analogia literária, você só pode escrever um texto bom ao menos
que saiba o que quer dizer. Mas para saber o que dizer, você tem de ter
escrito alguma coisa (a não ser que seja um gênio que tem o texto
pronto na cabeça). Assim, você começa com uma versão preliminar, e vai
refinando. É muito mais fácil que escrever algo notável do zero.

Vale para qualquer trabalho criativo – e sim, matemática é uma área que
demanda criatividade.

Um outro exemplo pessoal: o meu tema de Mestrado envolve alguns cálculos
termodinâmicos não muito simples. A equação de estado é complicada, o
sistema está sempre em movimento, existe transferência de energia e
massa e mudança de fase. E o meu primeiro cálculo ignorou quase todas
essas complexidades. Os gases são ideais, a temperatura é constante, o
sistema está parado. Consigo calcular o que me interessa? Consigo. E se
calcular a temperatura (usando uma equação apropriada), em vez de
considerar constante, consigo? Consigo, porque os erros da primeira
parte foram todos corrigidos. E se usar uma equação de estado melhor? E
se considerar a velocidade? E se…

A cada refinamento, a cada iteração, o meu trabalho está melhor porque
eu já eliminei todos os defeitos da versão simplificada. Se eu tivesse
começado com o problema completo, no primeiro erro de cálculo eu não
saberia nem onde procurar o erro.

Eu não tenho experiência com isso, mas consigo imaginar que todo
arquiteto começa uma casa como um quadrado com uma porta. Um músico
começa o novo hit com dó-re-mi. Um advogado começa o seu documento com
“Querido juiz, meu cliente é inocente.”. E por aí vai. O importante é
ter uma primeira versão, um primero rascunho.

O leitor não concorda?