Monthly Archives: July 2014

Anunciando mais mudanças em FabioFortkamp.com

Eu já mudei esse site algumas vezes, tanto a estrutura quanto o design. Comecei com uma versão bem simples no Squarespace, e me cansei de puder usar apenas a versão web do site para publicar e de não poder fazer mudanças mais profundas. Mudei para uma versão estática no Jekyll, mas era muito trabalho e eu não estava preparado; então mudei rapidamente para o WordPress.com, a plataforma atual.

Eu gosto do WordPress.com. É fácil de usar, bem documentado, e, ao contrário do Squarespace, é possível configurar programas (tanto no computador quanto nos dispositivos móveis) que se conectam ao site, permitindo-me trabalhar no site de qualquer lugar (embora nunca houvesse uma necessidade real de publicar a partir do iPhone; uso mais o recurso de usar diferentes editores de texto no Mac). Mas eu continuo não tendo muito controle sobre o site, pelo menos sem pagar.

Essa plataforma tem um modelo de negócios interessante e que parece funcionar. Na versão mais básica, pode-se criar um blog de graça, apenas com o domínio .wordpress.com (este blog também pode ser acessado em https://fabiofortkamp.wordpress.com). É possível então comprar pequenos pacotes que vão atualizando o site. Eu uso um que me permite usar meu domínio próprio, fabiofortkamp.com. Existe um que tira os anúncios ao final dos posts, outro que aumenta o armazenamento (para quem usa muitos vídeos e fotos), outro que permite modificar o design etc. São relativamente baratos, mas os custos se somam, naturalmente.

Eu gostaria de ter mais controle sobre meu site. Quero sim tirar essas propagandas, por respeito ao leitor. Quero poder atualizar a aparência de vez em quando. E, sendo nerd, quero poder mexer no código por trás do blog, podendo deixar FabioFortkamp.com do meu jeito. Poder fazer tudo isso sairia caro e nunca me daria o grau de personalização que eu desejo.

O WordPress é um software, voltado para criar blogs e sites. É possível instalar e configurar no seu servidor próprio, ou é possível usar uma versão “pronta”, hosted, mantida por uma empresa (a Automattic, que desenvolve o software) que cobra uma taxa pelo recursos extras de que falei. Isto é o WordPress.com.

Assim, estou mudando esse site mais uma vez. Vou sair desta plataforma, e passar para a versão self-hosted do WordPress.org, totalmente gerenciada por mim. Vai dar muito mais trabalho, mas em contrapartida vou ter muito mais controle. E espero também aprender muita coisa, já que o WordPress é um dos softwares mais usados na internet, e portanto manter um site assim pode render futuros projetos de sites (por que não?).

Para o leitor, as coisas não vão mudar. Os endereços vão continuar os mesmos, assim como o feed RSS e, espero, os posts recebidos por email. Apenas há dois detalhes:

  1. Nessa semana e na próxima, esse blog vai ficar fora do ar em alguns momentos, enquanto faço essa migração.
  2. Se o leitor também usa o WordPress.com e costuma ler meus posts no leitor dessa plataforma, isso não vai funcionar mais. Por favor, ative o recebimento por email ou assine o feed.

Quando tudo estiver resolvido, publicarei um novo post, que servirá de teste.

E, uma vez mais, obrigado por ler FabioFortkamp.com.

Advertisements

Sobre resenhas e comentários de livros de ficção

Num texto anterior, eu falei de como imergi em A Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin, e de como tinha dado uma pausa me livros de não-ficção para me dedicar aos romances e às estórias.

Resenhar livros de não-ficção é uma das minhas coisas favoritas em FabioFortkamp.com. Eu tento seguir duas regrinhas básicas quando publico uma resenha assim:

  1. Se o livro é muito ruim, eu simplesmente não escrevo nada. Quando vou eu procurar alguma resenha, e encontro poucos, isso já é indicativo da qualidade do produto. Não preciso ocupar esse blog com textos negativos.
  2. Só escrevo sobre aquilo que posso interpretar.

Por que acho que tenho algo a dizer sobre O Andar do Bêbado? Porque esse é um livro sobre estatística, e eu sou engenheiro, mestre em engenharia, e tenho o conhecimento mínimo de matemática e física para interpretar a mensagem do autor. Com livros mais práticos, como A Arte de Fazer Acontecer ou Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, eu posso experimentar as sugestões do autor na minha vida e dar minha opinião.

Coisa diferente ocorre com livros de ficção. Parte do motivo pelo qual eu nunca publiquei uma resenha de um é por causa do imenso respeito que tenho pelos livros. Isso não é desmerecer os livros de não-ficção, mas reconhecer que um romance ou um livro de poesia tem muitos mais sutilezas que posso não perceber. Como dizem Adler e van Doren em Como Ler Livros, um livro expositivo bom é aquele que é claro e direto, ao passo que uma estória interessante tem muitas ambiguidades e muitos detalhes nas entrelinhas. Assim, interpretar um romance exige conhecimentos que eu não tenho, sobre outras obras do autor, e obras de autores clássicos que possam ter influenciado o presente autor, e o contexto social e econômico da época.

Em resumo: eu não tenho qualificações para resenhar um livro de ficção. Não sou um crítico literário (sempre digo que um dia vou fazer Letras, o que pode ser um primeiro passo, mas isso é para o futuro). Porém, isso não me impede de ter algumas observações pontuais a fazer sobre alguma estória. A Guerra dos Tronos, por exemplo, é um livro rico em detalhes, e embora eu não possa comentar com propriedade todos, acho que posso traçar algumas análises, mesmo que superficiais, sobre pequenas coisas que chamam minha atenção, baseado apenas na minha experiência pessoal.

Esse texto começou como uma pequena nota e acabou se transformando num post completo. Tudo isso para dizer o seguinte: tive algumas ideias lendo A Guerra dos Tronos, e pretendo compartilhá-las aqui (esse blog afinal serve para isso). Quero apenas deixar claro que são análises pequenas, a minha opinião apenas, e não são tentativas de fazer uma análise profunda. Não são resenhas.

No fim, quero apenas estimular os meus leitores a ler mais.