Arquivo da categoria: Resenhas de livros

Resenha: Deep Work

No seu livro anterior, So Good They Can’t Ignore You (que já resenhei), Cal Newport defende que a satisfação profissional é derivada não do clássico “fazer o que se ama”, mas de três características básicas: criatividade, autonomia e impacto. Se você conseguir um trabalho onde consiga exercer essas três coisas, provavelmente conseguirá ser feliz no trabalho. Mas empregos que ofereçam essas vantagens são raros, e então você precisa se tornar raro e valioso; o chefe só vai lhe permitir ter horários flexíveis (um indicativo de controle) se ele tiver certeza de que você consegue cumprir suas tarefas. Newport usa o termo capital de carreira: você acumula habilidades que o tornam “tão bom que eles não possam ignorá-lo”, e as troca pelas condições de trabalho que deseja.

Embora em So Good Newport aborde maneiras de você acumular capital de carreira, o seu mais recente livro, Deep Work: Rules for Focused Success in a Distracted World é uma continuação natural do anterior, no sentido em que mostra mais maneiras de como desenvolver as habilidades profissionais necessárias. A pergunta a ser respondida é: o que você precisa fazer no seu dia-a-dia de trabalho para crescer profissionalmente, tornar-se realmente bom no que faz, ter o sucesso do subtítulo?

A resposta: trabalho — mas não qualquer tipo de trabalho. Se você quer se tornar raro e valioso, precisa aprender a trabalhar profundamente.


O cerne teórico básico de Deep Work é que parece haver uma grandeza na nossa mente, uma forma de energia mental ligada à atenção e à concentração, que é um recurso finito mas recarregável. Newport cita estudos que mostram que é impossível para alguém se manter num estado de concentração máxima o dia todo, pois o cérebro cansa. Não é surpreendente o fato de que, após uma sessão de estudo muito intenso, queiramos fazer algo mais leve, como ver vídeos no YouTube. Isso faz com que seja necessário sermos seletivos com aquilo em pomos a nossa atenção; mesmo uma atividade mundana como mandar emails consome um pouco dessa energia, e reduz a nossa capacidade de concentração quando vamos fazer algo importante depois.

Como o leitor ou leitora costuma trabalhar? Quando o leitor senta no computador (assumindo um trabalho “do conhecimento” típico), consegue se concentrar realmente na tarefa em mãos, ou mantém um olho no documento na sua frente, outro no aba do Facebook no navegador e os ouvidos atentos aos apitos do WhatsApp? Por causa do efeito citado no parágrafo anterior, na segunda situação a sua capacidade cognitiva está sendo dividida entre o seu trabalho, realmente importante, e as outras distrações. Corolário: se você dedicasse essa mesma concentração total apenas à sua tarefa principal, esta receberia mais atenção, e provavelmente seria melhor executada.

Ao enfatizar este ponto ao longo do livro, Cal Newport se diferencia de muitos autores de produtividade que propagandeiam toda sorte de hacks, aplicativos e sistemas complexos. Essas coisas são marginais se você não consegue desenvolver o trabalho profundo do título: dedicar-se a alguma atividade complexa, por horas a fio, num ambiente sem distrações, em alguma atividade que gere valor (e lhe permita desenvolver o seu capital de carreira). O oposto do trabalho profundo é o trabalho raso: aquele tipo de trabalho logístico, muitas vezes obrigatório para se manter o emprego, que não requer muita atenção mas que também não gera nada de muito importante. Coisas como responder emails, participar de reuniões sem sentido, preencher formulários, atualizar planilhas.

O livro é dividido em duas partes. Na primeira, o autor oferece uma motivação. Conta casos de pessoas famosas como Carl Jung, Richard Feynman e Bill Gates, e também anônimos, para mostrar que pessoas de sucesso tem uma característica em comum: elas não se importam em se isolar do mundo e atacar uma atividade intelectual realmente difícil quando necessário. Também mostra por que esse tipo de comportamento é raro; é difícil combater a impressão de que se você passou a tarde respondendo a emails foi bastante produtivo, enquanto que se passou dois dias estudando um artigo muito difícil, mas não tem nada para mostrar, você perdeu tempo. Além disso, Newport argumenta (com certa razão) que a economia desse início de século XXI é um tecnopólio, onde tudo que é tecnológico é bom e tudo que é analógico é ruim, onde somos ensinados pela propaganda a “nos conectar” e fazer check-in a cada vez que vamos na padaria.

Na segunda parte do livro, vemos quatro regras para imergir no trabalho profundo — a propósito, bem como em So Good…, Newport não faz questão nenhuma de esconder que ele é um professor universitário e cunha regras, leis, hipóteses. Estas regras derivam da finitude da energia mental que mencionei antes. Por exemplo, uma das dicas é formar rituais de trabalho profundo, como definir um local e horário para você trabalhar profundamente; o autor dá um exemplo de um doutorando que começou a trabalhar enquanto terminava a sua pesquisa, e que começou a acordar mais cedo para trabalhar na tese como primeira atividade do dia, antes da agitação do trabalho. Quando forma esses hábitos, não gasta a sua força de vontade (que também é uma reserva mental limitada no dia) tomando decisões de quando e onde trabalhar, e tem mais concentração disponível para trabalhar.

O lado mais “controverso” do livro certamente é sua crítica às redes sociais. Newport argumenta que, para você aprender a se concentrar profundamente, precisa treinar o cérebro a perder o vício em distrações, tanto que um dos capítulos é chamado Abrace o tédio (Embrace boredom). Se, ao chegar em casa, você passar todo o seu tempo ficando com raiva dos textões no Facebook, vai deixar de recarregar a sua capacidade de concentração. A analogia é da atenção como um músculo que precisa ser exercitado, então quanto menos você tirar o celular do bolso a cada minuto ocioso, mais vai aprender a manter o foco em uma só coisa, como necessário durante uma sessão de trabalho.

Para uma ideia tão simples como “aprender a se concentrar”, Deep Work foi um livro muito mais difícil de ler que pensei. Um dos seus poucos problemas é a densidade não-uniforme de explicações. Quando o autor fala das vantagens “filosóficas” do trabalho profundo, Newport usa apenas de dois livros como base, e a explicação parece um pouco forçada; efeito semelhante aparece quando o autor tenta aplicar as Disciplinas de Execução no trabalho profundo, numa seção que poderia ter sido cortada de tão superficial. Por outro lado, em algumas seções Newport tenta trazer mais profundidade que o necessário, como quando ele estabelece técnicas para abandonar as redes sociais.

Antes de ler o livro, eu já me considerava uma pessoa que consegue se concentrar profundamente, mas o livro me ensinou a perceber muitas nuances, principalmente à sua ênfase em experimentar o tédio e deixar o cérebro divagar livremente (como exemplo pessoal, parei de escutar podcasts a cada momento livre para começar a “meditar produtivamente”, como Newport ensina). Acho que todo trabalhador do conhecimento pode aprender muita coisa com Deep Work — aprender a trabalhar melhor e a gerar mais valor.

Resenha: So Good They Can’t Ignore You

Além de ímãs, Termodinâmica, refrigeradores, regeneradores e todos esses maravilhosos assuntos que formam o tema do meu doutorado, carreira tem sido a minha maior obsessão intelectual.

Isto pode ser um sinal de maturidade. Quando fazia o mestrado, enxergava-o mais com uma extensão natural da minha graduação. Praticamente todas as pessoas com que conversei antes de iniciar o mestrado concordavam em um ponto: o tempo gasto em um mestrado é baixo se comparado aos benefícios que ele traz, o que se torna ainda mais verdade numa economia com menos contratações e onde uma qualificação maior faz a diferença. Você sai do mestrado aos vinte e poucos, tem uma formação a mais e experiência na condução de um grande projeto; depois do mestrado, ainda existem muitas opções de carreira disponíveis, para a maioria das áreas.

Quando refleti sobre fazer o doutorado, porém, percebi que isso se tratava de uma decisão de carreira muito significativa. Eu terminaria o meu doutorado com 30 anos e nenhuma experiência em indústria; fazê-lo então quase que representa um comprometimento com o mundo acadêmico (embora, naturalmente, existam casos de sucesso de doutores que foram para o mundo empresarial e industrial). Para ser bem sucedido como acadêmico (professor e/ou pesquisador de uma boa instituição de pesquisa ou universidade), fazer um bom doutorado é necessário (mas não suficiente), e vem seguido de muitos desagios. Como guiar a minha carreira, aumentando o meu sucesso e sendo feliz no processo? O que determina uma carreira bem sucedida?

So Good They Can’t Ignore You foi escrito por alguém em situação próxima a minha: um estudante terminando o seu doutorado e querendo saber o que ele deve fazer para encontrar uma carreira que ele ame — e talvez seja por essa proximidade que eu me identifico tanto. O autor, Cal Newport, agora é já um professor bem estabelecido, e esse nome não deve ser estranho a leitores de FabioFortkamp.com, tal o número de vezes que eu cito o seu ótimo blog, Study Hacks. O título (em tradução livre, Tão Bom Que Eles Não Possam Ignorá-lo), vem deste clipe de uma entrevista de Steve Martin:

Este livro prático (com muitas discussões baseadas na Economia e na Psicologia) defende a ideia de que uma carreira de sucesso, que você ame, não é contruída baseada no sonho de “ir fazer o que se ama”, mas na ideia de quando você se torna realmente bom no seu trabalho você aprender a amar o que faz. Reparar que esta é uma tese dividida em dois pontos centrais:

Primeiramente, ass coisas pelos quais nos declaramos apaixonados, como música, esportes, religião, artes etc não são carreiras fáceis a não ser que você seja absolutamente brilhante. Este, aliás, é um ponto sutil do livro; sim, existem casos de pessoas que eram apaixonadas por alguma coisa e ganham a vida fazendo isso, mas eles são mais raros do que se pensa e representam casos extremos. Se você é fanático pelos Beatles, por exemplo, dificilmente consegue contruir uma carreira em cima disso, a não ser que seja algo especial — ou você toca igualzinho ao George, ou descobriu um novo ponto sobre a biografia deles… Adicionalmente, ter de trabalhar em cima de uma paixão tão profunda talvez até faça você gostar menos desse assunto. Ou seja, a maneira de construir a carreira ideal não é indo atrás das suas paixões.

Mas qual é a maneira, então? Na realidade, é difícil ter muito controle sobre a carreira em vamos parar. Eu queria cursar Jornalismo até os meus dezessete anos; mudei de ideia às vésperas da inscrição no Vestibular e agora estou fazendo Doutorado na área de Refrigeração. Mesmo que você “caia de para-quedas” em uma carreira, Newport defende que é possível você desenvolver gosto pelo que faz, e o seu argumento é bastante microeconômico: nas suas entrevistas, o autor percebeu que os profissionais realmentes de sucesso que se declaram felizes profissionalmente (em áreas diversas como programação, investimentos, medicina, construção de pranchas se surfe e redação de programas de TV) têm em comum o controle sobre a sua carreira e impacto sobre os outros. Essas condições são difíceis de encontrar, então você precisa se diferenciar para ter acesso a elas. E a melhor maneira de se diferenciar é através da aplicação sistemática do trabalho árduo, deliberado, esticando as suas habilidades além de um nível confortável é o que tem mais chances de lhe fazer ter sucesso. Como Martin diz no vídeo acima, essa conclusão é óbvia e sem graça a tal ponto que as pessoas não querem ouvir, mas é mais importante que tentar ser um gênio, ou conhecer alguem famoso, ou conseguir muitos seguidores.

O ponto mais curioso em relação à livro é que ficam evidente que o autor é professor universitário. Todo o livro é escrito de forma muito didática, com “leis”, “regras”, “teorias”, que facilitam bastante o entendimento. Newport muitas vezes para, lembra do que já foi dito, revisa os conceitos — e não consegui esconder o sorriso e perceber que era um (bom) professor conversando comigo.

CGP Grey recomendou So Good… como uma das bases para o seu entendimento do que é uma vida de sucesso. Acho que a época em que estou é a ideal para pensar seriamente nessas questões, mas também acho que, independente da idade, se o leitor precisa refletir sobre a sua carreira, se está na dúvida sobre o que fazer, e se quer simplesmente ser mais feliz no trabalho, pode se beneficiar da leitura desse livro.

Resenha: Adeus, aposentadoria

Não deve ser novidade por aqui que um grande interesse meu é o assunto de finanças pessoais. Eu e você, leitor, provavelmente temos profissões, mas ambos precisamos de dinheiro para coisas necessárias e também para as desejáveis. Mesmo que você odeie Matemática e pule a seção de economia do jornal, ainda assim você tem de lidar com dinheiro no dia; se isso for algo que você entende e que domina, há de ser mais fácil. Por isso, acho que pelo menos um mínimo de estudo de finanças pessoais é fundamental para todos.

Fiquei sabendo de Adeus, aposentadoria (Sextante, 2014) através de um texto da Thais Godinho, e logo ele me chamou a atenção. Nos últimos meses, quando resolvi fazer uma grande revisão do assunto de finanças para atualizar minhas práticas — que continuavam as mesmas desde a primeira vez que li A Árvore do Dinheiro, em 2011 — sabia que queria incluí-lo na minha lista de leitura. O título e a promessa de dar adeus à noção de aposentadoria como a conhecemos é intrigante e tentador, mas ao mesmo parece desnecessário se você é o brasileiro médio que quer apenas passar em algum concurso público e não se preocupar com mais nada (ao menos financeiramente) para o resto da vida.

A premissa básica do livro em questão é que esta e outras soluções tradicionais de aposentadoria têm tudo para não funcionar quando os trabalhadores de hoje se aposentadorem. Vamos pensar na solução de “passar em um concurso público, trabalhar com estabilidade e se aposentar com salário integral” que é a tradução do sonho brasileiro. Pense nos servidores públicos que você conhece que estão aposentados. Sim, os mais velhos aproveitaram um regime de ouro, e hoje vivem confortavelmente; porém, se você tiver um contexto social parecido com o meu, vai perceber que as pessoas de uma geração seguinte, que estão entrando agora na idade permitida para aposentadoria, já enfrentam situação diferente. Com as mudanças de regras, o salário desses servidores são engordados por benefícios que não vão entrar no cálculo de aposentadoria. Os jovens que estão ingressando nessa carreira hoje vão encontrar condições piores ainda, já que o déficit só tende a aumentar. Aposentar-se no serviço público pode ser mais fácil que na carreira privada, mas não é tranquilo.

Qual a alternativa, então, para o caminho de ouro da aposentadoria? Cerbasi elenca muitas opções, e mostra o defeito de todas. Previdência privada? As taxas de administração vão comer parte do rendimento. Investimentos tradicionais em ações ou fundos? A inflação vai comer grande parte do rendimento. Viver de renda de aluguel? Boa sorte passando a sua velhice lidando com inquilinos. O fato é o seguinte: por questões de saúde, todos vamos precisar parar de trabalhar (entendido no livro como trocar o seu tempo por um salário), mas ninguém quer perder renda. Quando você ficar cansado de trabalhar, não vai aceitar ganhar menos (um fato inescapável de como humanos funcionam). Você vai querer descansar, e ter renda para continuar a viver com conforto, e ter essa renda até morrer.

Na minha leitura analítica do livro, consegui identificar cinco argumentos principais.

  1. A solução proposta por Cerbasi para conseguir parar de trabalhar para os outros mas não parar de ganhar dinheiro é o empreendedorismo. Enquanto você é assalariado, na prática é muito difícil guardar e investir dinheiro suficiente para que, quando você pare de trabalhar, você consiga a partir desse momento viver apenas dos rendimentos dessa massa crítica (um conceito fundamental de outro livro do autor, Dinheiro: os segredos de quem tem). Outras soluções de aposentadoria envolvem a sua dependência em fatores externos. Por outro lado, se você ao longo da vida contrói um verdadeiro projeto empreendedor, terá o potencial de algo que gere valor (um termo que eu achei apropriado para encapsular essa ideia do autor) para você.
  2. Mesmo com o empreendedorismo, parar de trabalhar repentinamente e a partir daí viver do seu “negócio próprio” não é viável. Cerbasi prega que devemos desenvolver nossa vida profissional de maneira gradual. Começamos sem dinheiro nem experiência, e a melhor coisa a fazer é achar um bom emprego. À medida que vamos crescendo na carreira, idealmente vamos atingir um ponto em que nossa saída representa uma grande perda para a empresa, e não precisamos trabalhar tão arduamente; a partir desse ponto, devemos dedicar menos horas ao trabalho e mais horas a um projeto paralelo. É só quando este estiver sólido que você deve se dedicar integralmente a ele. Finalmente, você terá dinheiro e experiência, pelo que deve deixar o negócio ir sendo gerenciado por outros e investir as suas finanças de maneira mais séria (e aproveitando o tempo disponível mais abundante). Também incluindo nesse conceito é a diminuição do ritmo; sim, pode demorar até que você consiga se dedicar somente ao seu negócio para que ele lhe sustente, e mais ainda para que você pare de se envolver com ele, então é preciso adotar ao longo da vida um ritmo de trabalho mais humano, que lhe dê eneria para trabalhar até mais tarde na vida.
  3. O risco do empreendedorismo pode ser atenuado com camadas de segurança (também outro termo meu). Baseado no item anterior, você constrói o seu projeto ao longo de muitos anos, ao mesmo tempo em que acumula reservas financeiras. Se você não tem pressa, não precisa tomar decisões muito arriscadas. Cerbasi prega, por exemplo, que você deve contribuir para o INSS como pelo menos uma primeira camada, e que deve ter sempre disponível investimentos de baixo risco de onde você possa tirar dinheiro em emergências.
  4. O sucesso do empreendedorismo está na diferenciação. Empresas existem de monte, mas muitas são simplesmente medíocres. Novamente, baseado na ideia de fazer as coisas gradualmente, você deve usar o seu tempo enquanto mero empregado para fazer networking, conhcer o mercado, aprender muito. Nessas horas, é preciso ter um pé no chão e evitar “correr atrás da sua paixão”; explore algo que você aprecie mas dentro da sua área. Porque você tem tempo para se aprimorar, pode lançar o seu negócio com um diferencial.
  5. A fase de início de carreira (20 aos 30 anos) é onde você deveria estar trabalhando desenfreadamente, poupando muito e aprendendo mais ainda. Uma ideia que não está no livro mas que eu tiro de experiência própria é pessoas nessa faixa ainda não se esqueceram de como é ser estudante; essa é a fase, portanto, em que você consegue viver com pouco ao mesmo tempo em que tem possibilidade de ganhar muito, e é em que oportunidades boas podem aparecer em qualquer lugar. Tudo isso deveria servir de incentivo para os meus amigos pararem de querer praticar loucuras como comprar um apartamento nessa idade. Um adendo: esse quinto argumento foi o que mais me fez pensar e é o que está me fazendo escrever esse texto de noite, buscando desenvolver minha carreira de escritor, enquanto que antes de ler Adeus, aposentadoria eu apenas diria “estou cansado” e iria assistir qualquer coisa na Netflix.

Essas cinco ideias não são revolucionárias, mas ter contato com elas provoca uma pequena e saudável reflexão. Dito isso, tenho alguns problemas com este que considero o livro mais fraco de Cerbasi. Por exemplo, o autor começa o livro com uma discussão desnecessária sobre a justiça do capitalismo. O autor não demostra ter embasamento filosófico para tanto e propõe uma argumentação fraca. Cerbasi diz que, se todos tiverem condições iguais, o capitalismo será idealmente justo e portanto todos têm a chance de ser empreendedores. Primeiro, imaginar que em alguma sociedade capitalista típica “todos tem condições iguais” é uma hipótese bastante questionável; e segundo, o quarto argumento acima se baseia de certa forma no competição e em você ter mais sucesso que outras pessoas. Sim, eu concordo que é possível praticar o capitalismo almejando ser o mais ético possível, e que é possível praticar a concorrência em um mercado de maneira limpa, mas essa discussão inicial não acrescenta nada à tese do livro.

Outro problema do livro é que faltam exemplos práticos. Com exceção de um ou outro relato, Cerbasi não mostra nenhum caso de sucesso de alguém que teve o negócio próprio com sucesso e hoje vive apenas dos rendimentos dele. Para um campo bastante empírico como o das finanças pessoais, fica difícil ignorar essa lacuna nessa obra.

Por esses motivos, tenho dificuldades em recomendar Adeus, aposentadoria sem ressalvas e concordar com tudo que o autor diz. Por outro lado, a leitura é curta (e Cerbasi escreve muito bem) e um ponto em que definitivamente concordo com ele é que deveríamos seguir uma abordagem contínua de desenvolvimento pessoal e profissional. Assim, sugiro que você leia esse livro não como algo que vai mudar sua vida, mas como algo que faz parte de um processo contínuo de educação financeira e que reforça a necessidade de pensar no futuro. Você talvez não concorde que ter um negócio próprio é a melhor saída para parar de trabalhar, e você naturalmente tem o direito de não concordar; mas já pensou em alguma saída? Se acha que o concurso público é a saída, você está totalmente por dentro das regras de aposentadoria e de como elas mudaram. Se acha que a previcêndia privada vai ser suficiente, já fez as contas, descontando taxas, Imposto de Renda e inflação? Assim, mais importante que as ideias do livro, para mim, é ele sugerir que pessoas já no começo da carreira pensem nisso, e que pessoas de idades diferentes devem tomar atitudes muito diferentes em relação a dinheiro e carreira (e o roteiro que ele traça para cada década de vida é um dos pontos altos da obra).

Minha recomendação final? É melhor ler do que não ler. Não é o melhor livro de finanças pessoais, mas você não vai perder nada se dedicar um tempo a ele. Cerbasi entra em mais detalhes do que eu tratei aqui (principalmente destacando os problemas das soluções tradicionais de aposentadoria) e, como falei, faz você pensar um pouco no futuro.

Uma última nota final: não que seja do interesse do leitor, mas eu estudei a língua alemã por muitos anos e ainda hoje procuro regularmente ler notícias nesse idioma. Se por um acaso o leitor desafia todas as probabilidades e também sabe ler em alemão, aqui está um pequeno texto com que me deparei hoje, falando das prováveis dificuldades que os aposentados na Alemanha vão enfrentar no futuro.

Resenha: Dinheiro: os segredos de quem tem

Há algum tempo, publiquei uma série de textos  sobre um dos meus livros preferidos de finanças pessoais. A releitura de alguns conceitos me incentivou a fazer uma revisão geral da minha organização financeira, incluindo ler algumas outras obras.

O primeiro que li foi o ótimo Dinheiro: os segredos de quem tem (Editora Gente, 2010), do famoso autor de finanças Gustavo Cerbasi. É o seu primeiro livro e um dos menos conhecidos, mas o título provocativo sempre me provocou uma curiosidade em ver o que ele tem a dizer num nível mais fundamental e geral, sem falar de finanças de casais ou aposentadoria, como outros livros mais recentes e mais famosos.

Dinheiro é um livro prático introdutório sobre finanças pessoais, focando em ensinar o leitor na construção de riqueza, aqui definida pelo autor como o estado em que o indivíduo tem uma renda perpétua segura suficiente para cobrir todos os seus gastos. Quando o leitor atinge uma massa crítica de investimentos que renda mensalmente uma quantia suficiente para viver de maneira confortável, pode se aposentar, mas não deve parar de trabalhar (como Cerbasi afirma e eu concordo, trabalhar faz muito bem para a alma). Mas se o faz, é no que quer e porque quer, já que ele não precisa do salário para sobreviver.

Já faz uns cinco anos que me interesso e me aprofundo cada vez mais no assunto de finanças pessoais, então muitos dos conceitos que o autor apresentam não são novos para mim, mas Dinheiro tem dois aspectos que achei muito interessantes:

  • Assim como A Árvore do Dinheiro (revisada na minha série já citada), Dinheiro argumenta que discussões sobre dinheiro devem começar pelo que ele não compra. Como pesquisas e a experiência comum mostram, o prazer que se obtém quando se compra algo novo é bastante efêmero e pode levar a uma vida vazia. Não vamos ser ingênuos: é importante ter dinheiro sim, pela segurança que ele traz, mas escapar do materialismo é uma das melhores maneiras de enriquecer. Quanto menos você precisar para sustentar o seu “padrão de vida”, mais fácil será acumular a massa crítica, e você não terá tantas posses que requerem cada vez mais gastos.
  • Enriquecer demanda conhecimento e tomada de boas decisões, e isto exige fazer cálculos. Pode ser a minha cabeça de engenheiro, mas a ênfase na matemática financeira, mostrando para o leitor como quantificar o efeito dos juros compostos (que é o faz a pessoa enriquecer), das taxas e da inflação, é uma das melhores características do livro. Cálculos cuidadosos ilustram uma das melhores seções de Dinheiro, em que o autor se junta ao debate “o que é melhor, comprar ou alugar?”.

Ao longo do livro, Cerbasi mostra como construir um plano de riqueza, começando pela definição da sua renda desejada (na qual o primeiro aspecto acima é importante), passando pela escolha de investimentos e cálculo de quanto é preciso investir a cada mês, até um plano concreto de investimentos.

A minha principal crítica é que o autor se mostra um pouco incompleto nos exemplos de cálculos de rendimento. No caso de investimentos em renda variável, é difícil prever a taxa de retorno dos investimentos, e acho que o autor poderia dar um pouco de cobertura a essa área (mostrando alguns exemplos). Pode haver a impressão de que qualquer tipo de investimento informa a taxa de juros como uma informação pronta. Além disso, minha mente de engenheiro me leva a questionar se as projeções tão cuidadoas do autor fazem sentido num cenário de incerteza inflacionário como o nosso. Reconheço que eu mesmo devo comparar o rendimento da minha carteira com estes cálculos para poder ter mais certeza sobre isso.

Pessoalmente, recomendo a leitura de Dinheiro. O autor escreve bem e o livro é de leitura fácil. Se você está começando, leia esse em parceria com A Árvore do Dinheiro e veja o que eles têm em comum e de diferente; você terá uma boa base para começar a investir. Se você já tem experiência em investimentos, acho que sempre é bom revisar o básico, porque isso dá uma base muito mais profunda para nos aprofundar no assunto. Enriquecer passa por um ciclo contínuo, de se informar sobre investimentos e, claro, investir sempre em soluções inteligentes.

Resenha: Rápido e Devagar

Você está andando na rua, serelepe, falando ao telefone com sua mãe. Andar e conversar amenidades no telefone são duas coisas bastante naturais, e o seu cérebro é suficientemente poderoso para coordenar as duas atividades em paralelo — você consegue até desviar de um buraco enquanto presta atenção no que a sua mãe diz. Mas de repente ela revela que seu primo ganhou na loteria.

Imediatamente você para.

Processar esse tipo de informação não é algo para o qual o seu cérebro tem respostas prontas, e assim ele precisa concentrar esforço nessa atividade nova. Você não consegue fazer duas coisas complexas ao mesmo tempo.

Não é difícil achar exemplos desta dicotomia: processamos algumas coisas de forma rápida e automática, e outras de forma mais devagar. Demoramos um segundo para calcular 4 * 5 e alguns minutos para computar 27 * 31. Passamos por alguém na rua e em instantes reconhecemos um rosto familiar, enquanto que às vezes simplesmente não conseguimos lembrar o rosto daquele colega de escola. Quando saímos da auto-escola, precisamos pensar quando é a hora de trocar a marcha; depois de algum tempo, sem olhar já sabemos em que marcha estamos, e nem nos damos conta do ato.

Esta dupla forma de pensar não é apenas mais uma característica da nossa mente, mas, como defende o psicólogo israelense-americano Daniel Kahneman em Rápido e devagar: duas formas de pensar, é central ao próprio ato de pensar e possui implicações profundas na nossa vida.


Este livro é com certeza um dos mais profundos que já li, e tenho certeza de que vai demorar muito tempo para processar a quantidade de informação que esta obra traz.

Rápido e devagar é longo e denso; eu não tenho formação alguma em psicologia e consegui compreender este livro, mas ele está longe de ser uma leitura fácil. Trata-se da apresentação das principais ideias de Kahneman sobre o funcionamento da mente e a tomada de decisões.

A ideia básica é que nosso processo de pensamento é regulado por dois sistemas: o Sistema 1, rápido e automático, e o Sistema 2, devagar e analítico. O Sistema 1 cresceu por razões evolutivas; sobrevivia quem conseguia rapidamente analisar o cenário e evitar predadores, ao mesmpo tempo em que conseguia alcançar a caça. Como engenheiro, não posso deixar de observar tudo como uma questão de economia de energia (que é uma das bases do argumento do livro): pensar (atividade do Sistema 2) é custoso, então o Sistema 1 toma controle sempre que pode..

Agora, pensar de forma automática pode economizar energia, mas exige alguns comprometimentos; o Sistema 1 aceita respostas razoáveis, mesmo que não estejam sempre certas, e cria cenários onde eles sempre não existem. Bons exemplos disso são aquelas ilusões de ótica sobre comprimento de linhas; o Sistema 1 não consegue perceber muita diferença entre as linhas e não passa o controle para o Sistema 2, que o instruiria a pegar uma régua.

Outro de meus exemplos preferidos está ligado ao conceito de tensão cognitiva. Você sabe que comer doce faz mal, e o Sistema 2 o impede de comer; mas o seu Sistema 1 sabe que vai ter prazer imediato, e o incita a comer. Então, quando você fica cansado, ou com dor, ou sob estresse, a parte analítica do seu cérebro fica sobrecarregada, e o Sistema 1 dá sinal verde para você comer aquele chocolate todo (ou beber a cerveja toda).

A partir dessa premissa básica (de que usamos respostas automáticas, mas nem sempre certas, para economizar energua), o livro se desenvolve mostrando implicações cada vez mais profundas. No meu capítulo preferido, o autor diz:

Se lhe fosse concedido um único desejo para seu filho, considere seriamente desejar que ele ou ela seja uma pessoa otimista. Otimistas são normalmente pessoas alegres e felizes, e portanto populares; são pessoas resilientes e adaptáveis aos fracassos e dificuldades, suas chances de depressão clínica são reduzidas, seu sistema imune é mais forte, elas cuidam melhor da saúde, sentem-se mais saudáveis do que os demais e de fato têm probabilidade de viver mais.

O otimismo é muito bom e fácil porque não é preciso grande esforço para ignorar riscos — é algo que adoramos fazer. Uma premissa básica de Rápido e Devagar é que somos péssimos estatísticos por natureza, e temos dificuldade em lidar com incertezas e variações. Assim, a nossa resposta automática é ignorar tudo isso e tomar decisões com baixíssimo grau de sucesso como montar um negócio próprio ou comprar um apartamento por uma pechincha num lugar duvidoso. Sempre achamos que comigo não vai acontecer.

Em outra parte, merece destaque a Teoria da Decisão , uma das áreas importantes da carreira de Kahneman e que lhe valeu o Prêmio Nobel de Economia. Nessa parte, aprendemos que, devido à nossa falta de habilidade com estatística (mesmo em estatísticos treinados) tomamos decisões que são surpreendentemente irracionais (vale ler com atenção o trecho sobre como é mais vantajoso comprar o seguro com a maior franquia possível e evitar garantias estendidas).


O livro tem alguns defeitos pequenos. É dividido em partes (que tratam, basicamente, da estrutura dos dois sistemas, das heurísticas e vieses que regem nosso pensamento, do problema da confiança e otimismo excessivos, da Teoria de Decisão e dos conflitos entre recordar e viver), mostrando as diferentes faces dessa questão das formas de pensar, mas dentro de cada parte é difícil compreender a lógica para a divisão de capítulos.

Também, por ser um livro que trata de estatística e economia, o autor menciona alguns conceitos e funções matemáticas, e eu realmente acho que mostrar as equações e alguns gráficos faria muito bem ao leitor. Ao contrário da crença popular, as equações tendem a simplificar o texto (quando o autor sabe usá-las).

Estes defeitos não tiram os méritos de Rápido e Devagar. Este livro e a sua ideia de que evitamos pensar de maneira muito profunda tem um impacto tão grande em mim que, desde que o terminei, vivo analisando alguns exemplos do cotidiano à luz de suas teorias. Acho que isto é uma boa medida da sua qualidade.

Resenha: Conecte-se ao que importa

Um dos meus textos favoritos publicados em FabioFortkamp.com é Você não precisa de uma tela Retina, onde falei que nem todo mundo precisa do melhor smartphone do mercado; precisamos usar a tecnologia para resolver nossos problemas da melhor maneira, e detalhes como a qualidade ultra-refinada da tela ou a velocidade do processador muitas vezes são supérfluos.

Não é um dos textos mais populares desse site, mas tê-lo escrito teve um impacto grande sobre a minha maneira de pensar. Quando sai alguma notícia sobre algum gadget ou app novo, eu ainda não consigo evitar ficar bem animado, mas sempre paro e me pergunto que utilidade teria aquilo na minha vida. O que conseguiria fazer de bom com essa nova tecnologia? Tirando a infame parte cool da novidade, para que serve?

Essa minha visão utilitária de engenheiro não significa que menosprezo áreas abstratas como Física e Matemática — pelo contrário, admiro-as profundamente! A nossa busca por conhecimento é que nos faz humanos, em parte. Porém, quando somos usuários da tecnologia, precisamos pensar sim na utilidade de coisas nas quais gastamos nosso dinheiro e nosso tempo.

Um livro que expressa muito bem essa minha filosofia, de usar os recursos tecnológicos para um fim maior, é Conecte-se ao que importa, do jornalista Pedro Burgos, e se você concorda ao menos em parte comigo, deve lê-lo.


Burgos era editor do Gizmodo Brasil mas se cansou de escrever sobre GHz, como ele mesmo diz. Conecte-se … é uma reunião das suas ideias sobre tecnologia como um meio, sobre o quanto a nossa permanente conexão (seja à internet, seja simplesmente à tela do celular) está afetando a nossa ligação com o mundo real, e sobre como precisamos curar esse nosso vício.

Não é difícil atestar que estamos sim viciados. Num exemplo matador, o autor exemplifica que nossa definição de um lugar distante e remoto é “onde não pega sinal de celular”, ou seja, onde nem existe mais civilização. E quando isso se torna um fator para não querermos ir mais viajar, ficar com pessoas que nos fazem bem, pelo simples medo de ficar desconectado, isso é um problema.

Existe uma analogia muito interessante com carros no livro. No começo, o carro era uma invenção revolucionária, que agilizou muito o transporte de pessoas. Hoje, porém, usamos o carro para ir na padaria da esquina, usamos o carro como transporte individual para tudo, e achamos estranho quando alguém usa o ônibus — pior, sentimos pena. O resultado nos afeta, com cada vez mais acidentes e congestionamentos. O que estamos fazendo, então? Propondo uma volta à bicicleta, ao rodízio de carros, ao incentivo ao transporte público — ou seja, ao uso mais esporádico do carro — em busca de um equilíbrio. No futuro, vamos ter de fazer isso com a internet.

Ao longo do livro, então, Burgos analisa diversos aspectos da nossa relação com tecnologia, expõe problemas e mostra como pode-se pensar numa solução. Num dos meus exemplos preferidos, o autor conta que encontrou um amigo para contar sobre sua viagem, mas percebeu que o outro estava desinteressado, pois já tinha visto todas as fotos no Facebook e lido tudo no blog. As redes sociais talvez estejam eliminando o fator “quais são as novidades?” de uma conversa.

Existem vários outros pontos que me chamaram realmente a atenção. Os aplicativos de navegação, por exemplo, são fantásticos, e, repito, resolvem um problema real. Mas a febre do social é tão grande que queremos socializar até mesmo quando estamos dirigindo, usando o Waze (que pertence ao Google) para informar onde há blitz e para nos comunicar com outros motoristas, porque claro que isso é sensato. Ou o paradoxo em que chegamos em relação a internet: temos acesso a todo tipo de opinião, mas o Google e o Facebook fazem um esforço enorme para personalizar a nossa internet, exibindo-nos apenas o que interessa. Ou sobre a nossa aversão ao tédio, onde puxamos nosso smartphone a cada vez que ficamos sem fazer nada, e isso pode estar tirando nossa capacidade de pensar.


O último capítulo, “O Preço do Gratuito”, deveria ser impresso à parte e todos os brasileiros deveriam ler. É 2014, o Netflix custa menos de R$ 20 por mês, um filme numa locadora custa R$ 5, e ainda tem gente baixando filme por torrents — pior, achando que isso é um direito, já que está lá na internet mesmo, e que isso não é roubar já que não diminui a quantidade de filmes disponíveis, e que pelo menos você não está dando dinheiro para o camelô da esquina.

Não se iluda. Se você baixa um filme, você está roubando uma obra. Produzir um filme é um trabalho, assim como o seu emprego, e as pessoas são pagas pelo dinheiro gerado — bilheteria, marketing, vendas e locação de DVDs, streaming. Você não tem direito de assistir a um filme se não quiser pagar, como não tem direito de comer num restaurante se não quiser pagar. Ninguém lhe obriga a fazer nenhuma dessas duas coisas, mas se fizer, deve pagar.

Como o autor diz, os jornais dão muito espaço às histórias de sucesso do “compartilhamento de cultura” e ignora os que dizem que perderam muito dinheiro. Leia e reflita, e pense que é o seu emprego que poderia ser “compartilhado” por aí.


No fim, Conecte-se ao que importa é um livro que provoca uma reflexão profunda. O quanto que a tecnologia nos ajuda? O iPad, que pode ser usado para ler e falar com pessoas distantes, pode ser um terminal de YouTube permamente. A internet 3G, móvel, pode ao mesmo tempo lhe liberar da mesa de trabalho (já que você não precisa mais estar no escritório para ver seus emails) ou o ligar continuamente a ela (quando em jantares com a família você recebe notificações de assuntos supostamente “urgentes”).

Escolha um problema, e procure uma solução por meio da tecnologia, que lhe permita voltar rapidamente ao que gosta.

Resenha: The Information Diet

Esse é mais um texto da série “Simplifique sua vida”, na qual eu narro minha jornada para eliminar o máximo possível de complicações, seguindo as ideias do Simple Living Manifesto de Leo Babauta.

Eu já falei aqui de simplificar nosso consumo de informação, mas reconhecidamente fui bastante superficial. Sete meses depois de publicar aquele texto, eu me sinto bombardeado de novo pela quantidade de coisas a ler, ver, escutar e processar. Gosto de ler blogs, escutar a podcasts, ler romances, ler livros de não-ficção. Como achar tempo para tudo isso, e mais importante, para fazer outras coisas além disso?

Foi no blog da Luana Oliveira que notei pela primeira vez o termo dieta da informação, e fiquei bastante interessado. À época, eu já estava sentindo dificuldades de acompanhar tudo, e claro, eu achava que tinha de estar por dentro de tudo. Comecei a simplificar um pouco, lendo menos blogs, abrindo menos o site do jornal, e já não me preocupava mais com esse problema de primeiro mundo.

Mas isso é um vício. Eu leio um artigo em um blog, ele cita outro autor e de repente eu quero ler todos os artigos desse outro blog — e é mais uma coisa a acompanhar. Ou eu quero seguir todo mundo no Twitter, porque vai que alguém diz alguma coisa interessante e eu perdi? E aquela pausa de 5 minutos para ver as notícias, que se transformam em meia hora para saber tudo de um assunto.

Eu não quero isso. Não quero checar o Twitter a cada vez que volto do banheiro. Quero poder sentar com calma e ler todos os meus blogueiros favoritos, pensando sobre o que eles escreveram. Quero voltar a ler romances, um prazer que sempre esteve presente na minha vida e que andava esquecido.

Depois de pensar e pesquisar sobre essa saturação de informação, descobri um livro apropriadamente chamado The Information Diet, de Clay A. Johnson (que, relendo o texto da Luana, vi que ela também mencionou) e, através do O’Reilly Reader Review Program, resolvi lê-lo e ver se aprendo alguma coisa. Um primeiro passo, para criar um plano e gerenciar melhor a informação que consumo

Um aviso: essa resenha se baseia na versão em inglês, mas existe uma tradução em português.

Obesidade de informação

A tese central do livro é uma analogia entre consumo de informação e consumo de comida. Pelo menos nas sociedades “desenvolvidas” (sejá lá o que isso signifique), a obesidade é um problema maior que a fome, principalmente porque existe comida farta de má qualidade: gordura e açúcar, alimentos que evolutivamente aprendemos a gostar, são muito baratos de fabricar e entopem grande parte da comida industrialzada.

Da mesma forma, consumimos informação recheada de publicidade, sensacionalismo e sem checagem básica de fatos, que se tornou barata de produzir e não tem valor algum.

O autor trabalhou durante muito tempo com política americana, e criou a empresa que organizou a bem-sucedida campanha de Barack Obama em 2008. Seu trabalho sempre envolveu os conceitos de transparência e transmissão de informação. E percebeu que, mesmo com todo esse esforço, muitas pessoas não tinham ideia do que falavam. Queriam que o governo “tirasse as mãos” de um programa que é governamental; elas não tinham pouca informação, pois conheciam o programa, mas estavam informadas da maneira errada. Sofriam de obesidade de informação.

A noção de que seu trabalho estava sendo inútil fez com o autor pesquisasse mais sobre o assunto. Por onde os dados sobre um programa criado e mantido pelo governo se desviavam até formar na cabeça de pessoas cultas a opinião de o governo não deveria se meter no tal programa, como se ele tivesse chegado depois e estragado tudo?

A experiência política do autor se faz presente em todo o texto, e isso é o grande problema do livro.

Um dos conceitos que o autor apresenta é de agnotologia (a melhor tradução que encontrei para agnotology, embora existam poucos resultados relevantes no Google), ou o “estudo da dúvida induzida culturamente”. O autor usa como exemplo os “estudos” patrocinados por empresas petrolíferas pondo em dúvida o aquecimento global. É um ótimo assunto, terreno de muito debate científico — mas logo em seguida, Johnson apresenta as porcentagens de Republicanos e Democratas que acreditam em cada lado. O que isso acrescenta ao texto?

Fala também dos filtros que as empresas como Google e Facebook incorporam nos seus serviços, alegando que isso só faz que com acompanhemos pessoas e páginas “com as mesmas crenças políticas”. Para mim, filtrar a News Feed por critérios políticos é o menor dos problemas do Facebook.

Estar mal informado sobre política é um grande problema, com certeza, e uma dieta de informação saudável envolve acompanhar o que acontece na sua cidade de maneira imparcial — mas não é o único problema. Como falei no início do texto, eu consumo informação de diversas fontes (e acho que não sou o único), e esperava que o livro fosse mais geral. Por exemplo, parece que “ver TV” se resume basicamente a “ver programas de notícias”. Twitter e email são apenas brevemente mencionados, como se nem fizessem parte do problema de consumo de informação.

O que eu gostei

No geral o livro me decepcionou por falar demais em política, mas não significa que não aprendi nada. The Information Diet tem três partes; a segunda, homônima ao livro, é a que apresenta um plano para um consumo de informação. Algumas ideias me chamaram a atenção:

  • Se você quer saber mais sobre algum assunto, aprenda a pesquisar. Aquilo que você vê no Jornal Nacional é apenas uma parte, uma visão. E só porque todo mundo compartilhou uma notícia no Facebook não significa que ela é verdadeira.
  • Precisamos exercitar a atenção, treinar nossa mente a focar no que importa. Escrever aquele trabalho vendo televisão não é fisicamente possível.
  • Precisamos ser mais ativos e menos reativos. Isso significa principalmente parar de usar notificações dos smartphones.
  • Vamos tentar evitar ao máximo as fontes que contém propagandas, pois elas poluem visualmente as páginas e geralmente contaminam o que o autor quer dizer (ninguém vai dar sua opinião sincera sobre uma marca que patrocina o seu trabalho)
  • O autor dá a sugestão (que eu já vinha experimentando) de criar uma “agenda” para consumo de informação, como um horário delimitado para ver TV, outro para ler email etc.

Eu vou reler essa segunda parte, e tentar adaptar essas ideias à minha realidade. E provavelmente, pesquisar mais sobre o assunto. Aguardem.

Resenha: Como Evitar Preocupações e Começar a Viver

Quando as pessoas me viam lendo Como
Evitar Preocupações e Começar a Viver
, de Dale Carnegie (autor de
Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas), logo brincavam: “começou
a ler livros de auto-ajuda, Fábio?”. Pessoalmente, não tenho nada contra
livros de auto-ajuda, e não vejo nada de errado nas pessoas buscarem
conforto pessoal nos livros. Mas auto-ajuda é muito simplificado para
descrever um livro como esse; está mais para um guia prático
de comportamento.

Quando resenhei o outro livro de Carnegie, ressaltei:

Como Fazer Amigos … não é um tratado teórico sobre relacionamentos.
O autor não tem formação em psicologia ou filosofia. É um livro
prático, de alguém que sempre trabalhou com pessoas (principalmente na
parte de vendas) e começou a observar o que dava certo e o que não
dava. Ministrou cursos então sobre a arte de lidar com pessoas,
coletou histórias de participantes e as reuniu em um livro. É um
tratado empírico, por assim dizer.

O mesmo vale aqui. Carnegie, sendo muito observador do comportamento
humano, observou que o tema da preocupação afeta muitas pessoas, e
então se dispôs a pesquisar sobre o tema. O que causa a preocupação?
Como deixar de se preocupar?

Todos experimentamos preocupações e ansiedade, desde mundanas até
profundas. Estamos trabalhando, a chuva está chegando e pensamos se
deixamos a janela aberta; ou estamos de férias, preparando-nos para
voltar à rotina, quando somos tomados por uma depressão causado pelo
nossos desgosto com nosso trabalho ou faculdade. Como suportar isso?

Detectando as principais mensagens do livro

O livro segue uma divisão com a qual eu não concordo, baseada em
“Princípios”, “Fatos”, “Técnicas”, “Maneiras”. Essa divisão acaba sendo
mais confusa do que pedagógica. Por exemplo, a Parte III é sobre “como
acabar com o hábito da preocupação”, e a Parte IV é “como cultivar uma
atitude mental de felicidade”. Esses assuntos, para mim, estão
relacionados; cultivando a felicidade mental você pode deixar de se
preocupar. A obra poderia ter menos subdivisões.

Mesmo assim, é possível, à medida que lemos o livro, detectar a sua
mensagem principal.

Por exemplo, a técnica fundamental de análise de preocupações é tomar
decisões
. No caso da janela aberta, qual são as opções? Podemos sair do
trabalho, e ir fechar a janela, gerando discussões com o chefe; ou
podemos aceitar que a janela está aberta e planejar que, quando
chegarmos em casa, vamos tomar uma meia hora para secar o chão. Você
precisa tomar uma decisão. Você está preocupado com alguma coisa? O
que pode ser feito? Qual o pior cenário, e como ele pode ser resolvido?
Ficar sentado, olhando para o computador, pensando no chão molhado não
resolve nada. Uma vez tomada uma decisão, sua cabeça está livre para
continuar trabalhando.

Outro capítulo ótimo é sobre nossa relação com o passado. Quantas vezes
não nos preocupamos com coisas que já dizemos, como se isso adiantasse
de alguma coisa. Como o autor diz, “não tente serrar serragem”; não
gaste energia pensando no passado. Se você disse algo desagradável a
alguém, já está dito; você pensar nisso não fará a outra pessoa
esquecer. Tome a decisão de ignorar isso ou pedir desculpas, e siga em
frente.

Carnegie dedica um trecho à fé, com o argumento de que você não precisa
ser cristão, ou judeu, ou muçulmano, praticante. Quando você acredita em
um sentido por trás de tudo, qualquer que seja, você percebe que não
vale a pena se preocupar, pois tudo tem um próposito. O autor cita uma
frase do teólogo John Baillie:

O que torna um homem cristão não é nem a sua aceitação intelectual de
certas ideias, nem a sua conformidade com uma determinada regra, mas a
posse de um certo Espírito, e a sua participação numa certa Vida.

Cita também o filósofo Francis Bacon:

Um pouco de filosofia inclina o espírito humano ao ateísmo; mas uma
profunda filosofia conduz a mente humana à religião.

Estaria mentindo se dissesse que esse capítulo não me fez pensar muito.

Mas o meu capítulo preferido de longe é o destinado à ingratidão. Muitas
vezes a causa de nossa ansiedade é a ingratidão de outras pessoas. O seu
ponto é o seguinte:

É natural que as pessoas se esqueçam de ser gratas; assim sendo, se
andarmos à espera de gratidão, estaremos, fatalmente, destinados a
sofrer uma porção de aborrecimentos.

No meu círculo de pessoas próximos, vejo muitos estressados (e o
estresse é um tema recorrente do livro) por causa da ingratidão. Bem,
adivinhe: pessoas não costumam agradecer. Conheço uma mulher que tem uma
irmã de piores condições financeiras, em virtude de más escolhas no
passado; essa mulher não queria que a filha da irmã tivesse a mesma
sorte e pagou uma escola particular para ela, na esperança de que ela
entrasse na faculdade. Essa menina hoje é engenheira formada por uma
universidade federal, mas a mãe e a tia brigaram e ela nunca disse um
“obrigado”. A mulher, naturalmente, se ressente até hoje, dizendo coisas
do tipo “tudo que eu fiz por essa menina”. Carnegie está certo: pessoas
que reconhecem esse tipo de ajuda são raras. Esqueça. Dê pela alegria
de dar
. Pense que com, alta probabiliade, a outra pessoa não vai
agradecer. Evite aborrecimentos como esse e comece a viver, como diz o
título.

A Parte VI é dedicada à fadiga, como descansar mais, sob o argumento de
que muito de nossa ansiedade é causada pelo desgaste físico, mas os
capítulos não trazem nada de relevante. A Parte VII, última, traz um
compêndio de histórias pessoais, e serve como apanhado geral.

No geral, Como Evitar Preocupações é um livro muito extenso com poucos
pontos interessantes — mas profundos. É bom você ler, mas saiba que é
preciso sempre filtrar os pontos que interessam. O que é bom para
agradar a pessoas diferentes; para mim, o que teve impacto foram os
capítulos sobre religião e ingratidão, enquanto que para o leitor pode
ter outro sentido.

Resenha: O Andar do Bêbado

Leonard Mlodinow (autor de Subliminar) tem uma tese central: o
acaso tem papel fundamental na nossa vida, e a nossa ignorância da
aleatoriedade nos prejudica
. E ilustra e defende essa tese de maneira
magistral.

O Andar do Bêbado é uma obra de divulgação científica, centrada na
matemática mas com conceitos de física, sociologia, psicologia e
economia. Também é um livro de onde podemos tirar muitas informações
históricas, embora esse não seja o foco do livro.

Nos seus 10 capítulos, a obra tem três macro-divisões. No Capítulo 1, o
autor faz a sua introdução, apresentando-nos os termos básicos do livro:
acaso, padrão, aleatoriedade, sorte. Somos apresentados com casos de
sucesso nos esportes, no cinema e nos livros, onde especialistas buscam
explicações para o sucesso. Na verdade, o autor argumenta, a
probabilidade que um filme ganhe milhões por mero acaso não é nada
desprezível, e isso tem implicações profundas em muitas outras áreas.

Um exemplo em particular nesse capítulo me agrada. Daniel Kahneman,
um psicólogo ganhador do Nobel de Economia, teve uma epifania que rendeu
muitas pesquisas premiadas na sua carreira. Como psicólogo, ele estava
dando treinamento a um grupo de instrutores de vôo, dizendo que seus
alunos deveriam ser elogiados quando conseguissem um resultado positivo.
A plateia reagiu, dizendo que sempre que isso acontece os alunos pioram
de desempenho. Kahneman então concluiu que o que está havendo é um
fenômeno de regressão à média; os alunos naturalmente tinham momentos
bons e ruins, mas a sua média de desempenho deve se manter constante.
Quando seu desempenho é particularmente bom, é natural que seus próximos
resultados não sejam tão bons, e os elogios têm pouco a ver com isso.
Foi essa visão de que a aleatoriedade passa despercebida na nossa vida
que eventualmente rendeu o Nobel a Kahneman.

Nos Capítulos 2 a 7, Mlodinow apresenta as leis básicas da probabilidade
e da estatística. Cada capítulo é destinado a um princípio em
particular, com muitos exemplos e histórias de matemáticos famosos
envolvidos (como Cardano, Pascal, Johann Bernoulli, Gauss, Laplace).
Fala dos gregos e sua completa ignorância da probabilidade (o que me
causa bastante espanto); dos romanos e sua matemática prática aplicada
às leis, onde as penas eram calculados com base na probabilidade do réu
ser culpado. Fala de problemas famosos, como o de Monty Hall e o
problema do aniversário. E sua conclusão é sempre a mesma: nossa
intuição falha quando estamos falando de probabilidade.

Particularmente interessante é o capítulo 6, sobre probabilidade
Bayesiana
(ou condicional), uma área onde ocorrem muitos erros na
vida. O autor conta a sua história pessoal, onde ele quase foi
diagnosticado com HIV quando o médico cometeu um erro clássico da Teoria
de Bayes: confundiu a probabilidade de o exame dar positivo se o
paciente não for HIV-positivo (que é muito baixa) com a probabilidade de
ele não ser HIV-positivo mesmo se o exame der positivo (que não é tão
baixa assim). É preciso levar em conta as outras variáveis: por exemplo,
qual a probabilidade de uma pessoa do mesmo grupo do autor (seus
hábitos, seu uso de drogas, seu comportamento sexual) ter HIV. Isso muda
o cálculo; dado que o exame tem erros, o fato de ele dar positivo para
uma pessoa com baixa probabilidade ou com alta probabilidade de estar
infectado tem interpretações distintas.

No Capítulo 7, o autor apresenta a estatística e sua noção de que toda
medição tem erros. Fala da busca pela curva normal (onipresente para
engenheiros), de como todo instrumento apresenta variação (você ver a
balança diminuir seu peso não significa que você emagreceu), e de como a
mesma expressão matemática correlaciona muitos fenômenos da vida — por
exemplo, a curva de desempenho de estudantes que chutaram todas as
questões de uma prova e de corretores de ações tidos como analistas
gabaritados é assustadoramente parecida.

Por fim, nos capítulos 8 a 10, o autor apresenta as aplicações de todos
esses conceitos à vida real. Um exemplo polêmico é o argumento de que,
embora cada humano seja uma entidade complexa e independente, em
sociedade nosso comportamento é matemática previsível. As variações nos
números de acidentes entre um ano e outro podem ser previstas pela
estatística. As taxas de natalidade e mortalidade também podem ser
relacionadas pela estatística. Há também implicações na Física: o
movimento browniano, o movimento de moléculas que hoje ajuda a
explicar muitos fenômenos dos gases, é completamente aleatório.

A conclusão geral é que da nossa natureza procurar padrões, e isso nos
engana. É fácil saber de dois ou três vizinhos estão com câncer e
concluir que a sua vizinhança é amaldiçoada; difícil é fazer cálculos e
ver que essa incidência é perfeitamente normal (infelizmente). É fácil
achar muito suspeito que ninguém conseguiu prever o 11 de Setembro,
difícil é perceber que existem muitos eventos possíveis no futuro, e
calcular a probabilidade de cada possível implicação não é fácil. É
fácil achar que somos honestos; difícil é aceitar que, como foi mostrado
num estudo, damos mais credibilidade às pessoas que ganham mais, mesmo
que isso tenha sido determinado completamente por acaso.

Entender o aleatório nos ajuda a entender o mundo, e Mlodinow tenta
contribuir para isso com êxito. Um dos melhores livros que li nesse ano.

Resenha: Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas

Era uma vez dois amigos, o João e o José. O João era popular, querido e
carinhoso. Todos gostavam dele, e por um motivo: ele sabia tratar as
pessoas. Era educado sempre, era um bom conversador, elogiava
constantemente.

O José era o contrário. Reclamava de todos, arranjava brigas e não
escapava de uma boa discussão. Não por acaso, ninguém queria ficar por
perto.

Havia também o Fábio, que achava que era parecido com o João mas na
verdade era mais como o José.

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, de Dale Carnegie, é para os
Fábios que querem ser menos José e mais João.

Essa obra é um clássico — a primeira edição é de 1936. O estilo do texto
e algumas histórias apresentadas pelo autor deixam claro a idade do
livro, mas isso não significa a sua irrevelância. Mesmo com a nova
realidade de hoje, onde a tecnologia guia muitas formas de comunicação,
ainda precisamos lidar com pessoas no cotidiano – e precisamos fazê-lo
com tato.

Como Fazer Amigos … não é um tratado teórico sobre relacionamentos. O
autor não tem formação em psicologia ou filosofia. É um livro prático,
de alguém que sempre trabalhou com pessoas (principalmente na parte de
vendas) e começou a observar o que dava certo e o que não dava.
Ministrou cursos então sobre a arte de lidar com pessoas, coletou
histórias de participantes e as reuniu em um livro. É um tratado
empírico, por assim dizer.

À medida que eu lia, sentia-me constantemente surpreendido pela
quantidade de verdades óbvias que eu ignorava. Coisas como “não critique
e não julgue” — quem sou eu para achar que eu sou melhor que outras
pessoas (o primeiro capítulo, sobre esse tema, é um verdadeiro soco na
cara)? Ou então “você não pode ganhar uma discussão”; se você é aquela
pessoa que adora corrigir erros de português e provar que as outras
pessoas estão erradas, então você nunca terá muitos amigos. O segredo
fundamental de ser um João e não um José é nunca dizer: “você está
enganado”.

Outro ponto interessantíssimo é como ter uma conversa: muitas pessoas
simplesmente conversam sobre o que está acontecendo na sua vida,
atraindo sempre a conversa para si. Como diz o autor, é claro que você
se interessa pelos assuntos que dizem respeito a você, mas, para fazer
amigos, é preciso se interessar pelos outros. Quando alguém conta alguma
coisa, o José sempre diz “ah é? Isso me lembra uma história minha” e o
João provoca: “é mesmo? Conte-me mais.”

O leitor desse texto já deve ter percebido qual o segredo de fazer
amigos e influenciar pessoas: o outro. Se quiser ter sucesso ao lidar
com pessoas, precisa se interessar genuinamente pelas outras pessoas.
Precisa saber quais assuntos lhes interessam, precisa elogiar
constantemente, precisa parar de dizer que os outros estão errados,
precisa sorrir sempre, precisa deixar as outras pessoas falarem e se
sentirem importantes.

O livro tem alguns defeitos, como a taxonomia desnecessária (alguns
capítulos são técnicas, outros são princípios) mas não se engane.
Como Fazer Amigos… é maravilhoso.