Categorias
Artigos

Tirando férias em um período sem férias

A minha esposa espalha por aí que eu sou uma pessoa estressada (brincando apenas em parte, como infelizmente tenho de admitir), mas até ela há de concordar que esse mês de outubro têm sido transformador.

Não é difícil saber o que ajuda a conter o estresse, e eu sigo todas as receitas conhecidas: meditação, oração, terapia, prática de exercícios – e, ultimamente, uma menos conhecida: “mini-férias”. Esse conceito foi aparentemente popularizado por Tim Ferriss, em que ele propõe parar de viver um ciclo de períodos longos de trabalho com períodos médios de férias, e aumentar a frequência desse ciclo: trabalhar algumas semanas, viajar outras, voltar a trabalhar, viajar mais um pouco (esse vídeo explica bem). Variações dessa ideia: a Thais Godinho recomenda fazer do dia a dia suas férias, e a Laura Vanderkam recomenda planejar mini-aventuras fora da rotina para tornar a vida mais memorável.

Nessa primeira quinzena de outubro, eu e minha família aproveitamos essa ideia de mini-férias na praia. O prefixo é necessário: apesar de alguns dias sem aulas devido a uma semana de palestras na minha universidade, eu não estava de férias de fato. Porém, mesmo nos dias onde havia aulas e outros compromissos eu tirei o pé do acelerador.

Fazia tempo que eu não me sentia tão genuinamente feliz, relaxado.

Eis o que eu experimentei nessas semanas:

  • Muitas corridas na praia
  • Café com minha irmã
  • Sorvete com um grande amigo meu dos tempos de escola
  • Ir num Sebo (!) e comprar livros por R$ 15
  • Tomar açaí em um dos meus locais favoritos de Florianópolis
  • Aniversário do meu avô (93 anos!)
  • Visita ao meu compadre, onde o meu filho se diverte muito brincando com o filho dele

Seguindo outra recomendação da Laura Vanderkam, de refletir mais e usar o celular menos, eu escrevi muito no meu caderno. Tenho tentado registrar tudo: minhas impressões, minhas meditações da Bíblia, o que fiz, meus sentimentos. E minhas tarefas, o que foi essencial para realmente aproveitar esse período.

Não é fácil para uma pessoa ansiosa conseguir relaxar de fato, e eu só consegui fazer isso sabendo que tudo estava em ordem: preparei com cuidado as aulas necessárias, atendi alunos, respondi emails. Aproveitei os cafés da manhã não para re-assistir The Big Bang Theory, mas para estudar artigos para uma revisão bibliográfica que estou preparando. Após voltar de cada passeio, dediquei meia hora a revisar algum assunto para a aula do dia seguinte.

Eu sei que esse período foi finito, então tentei aproveitar ao máximo. Logo mais vou voltar à minha rotina normal – mas que já é preenchida de mini-férias, de qualquer jeito. Eu ministro 5 disciplinas de Engenharia e estou tentando voltar a fazer pesquisa, mas não abro mão de passeios matinais com meu filho e almoços em família. O LinkedIn me mostra vários colegas de faculdade com muito mais realizações profissionais que eu – mas eles não tem um bebê que grita “papai” e abre um sorriso quando os vê. E é para o meu filho que eu quero ser melhor e menos estressado.

Categorias
Artigos

Meu planejamento do mês de outubro de 2021 – ou, como planejo me estressar menos com planejamentos

Na passagem de janeiro para fevereiro deste ano, eu publiquei um post de revisão e planejamento, mostrando como fora o meu primeiro mês desse ano e como planejava passar o segundo. O plano era repetir esses textos todos os meses; mas então o semestre letivo começou, e todos os planos lindamente concebidos à base de água de coco na beira da praia foram esquecidos em um tempo curto demais.

Reler textos antigos deste blog sempre me assustam pela repetição aparentemente eterna dos mesmos problemas. Há 9 meses eu constatava como minha relação com minha esposa, geralmente maravilhosa, ficava estremecida quando eu deixava o estresse de não cumprir metas se sobressair sobre coisas positivas da minha vida; isso ainda é verdade. Em fevereiro, eu reclamava de como não conseguia conciliar ambição e paternidade; isso ainda é muito verdade.

Mas enfim, a primavera chegou, a Thais Godinho continua me inspirando, a Laura Vanderkam fica me lembrando de que ainda dá tempo de fazer o ano render, e aqui vai uma nova tentativa de refletir sobre a passagem dos meses. Talvez não por acaso, estou escrevendo isso novamente numa casa de praia.

Após alguns meses de abandono dessa prática, voltei a fazer um planejamento básico no Bullet Journal

Neste mês, justamente para evitar estresse de colocar metas demais, eu tentei pôr os pés no chão e listar o que realmente precisa ser feito:

  • há uma série de avaliações a preparar, e não há o que fazer; eu preciso testar os meus alunos para verificar a sua aprendizagem, e tenho como princípio básico evitar ao máximo repetir avaliações para valorizar o meu trabalho e o esforço dos estudantes;
  • há feriados e dias não-letivos, então há aulas e atividades assíncronas que precisam ser distribuídas;
  • há alguns assuntos que eu simplesmente não domino o suficiente para ministrar em um curso de alta qualidade (como é o meu caso privilegiado como professor), e novamente, como princípio, eu valorizo estar muito bem preparado; esses assuntos precisam ser revisados e estudados.

Se eu chegar ao fim de outubro e perceber que eu dei o meu melhor na minha função de professor, e melhorei as minhas aulas um pouco em relação ao semestre passado; estarei satisfeito (ou assim me iludo por enquanto).

Ao examinar com calma o calendário do mês, eu percebi que semanas onde as aulas previstas são todas bem dominadas e que vão exigir menos trabalho. São nesses dias em que eu pretendo atacar os projetos extras listados no meu caderno acima: produzir uma Revisão Bibliográfica para um paper que estou escrevendo; voltar a estudar para concursos de professor efetivo e usar este blog como espaço de prática; e resolver algumas pendências financeiras.

Vocês podem me fazer um favor e torcer para eu conseguir cumprir isso sem me estressar muito?

Categorias
Artigos

Trabalhando com um iPad nas férias

O título acima é enganador: em janeiro de 2021 eu não estava de férias; ainda não completei um ano no meu emprego atual de professor. Porém, sem compromissos de aulas e de pesquisa, eu e minha esposa quisemos aproveitar esse período para visitar familiares dos dois lados – principalmente para todos babarem em cima do bebê da família. Rompemos o isolamento social que mantivemos desde o início da pandemia, tentando, ao chegar nos lugares, ficar o mais isolado possível.

Para honrar meus compromissos com meus alunos e com o meu departamento, já antevendo a volta das aulas, eu trouxe o meu iPad comigo nesses 800 km entre Cascavel, Curitiba e Florianópolis. Foi ele que me permitiu avançar, que seja aos poucos, nos meus projetos, tendo uma rotina mais leve e criativa. Com o carro cheio de artigos de bebê, não achei que caberia o peso adicional de um laptop…

Meu setup de trabalhar nas férias

Em três casas diferentes e muitas mesas e sofás, eu tive de substituir o meu escritório cuidadosamente montado por isso:

Sinceramente, não estou com saudade da minha mesa

Esse aparelho acima é o iPad Air de 3ª geração, 256 GB de armazenamento, 10,5 polegadas, com conexão apenas Wi-Fi (sinceramente, meu próximo iPad vais ter conexão celular). Ele está sempre montado em uma capa com Smart Keyboard. Geralmente do lado desse conjunto está o meu caderno.

1. É muito caro. 2. É muito bom.

O que não aparece nas imagens acima é o Apple Pencil de 1ª geração e AirPods, sempre para escutar Deezer. Tudo isso foi comprado com o desconto educacional da Apple depois que minha esposa finalmente me autorizou a fazer esse gasto, cansado de me ouvir falar em comprar um iPad para trabalhar há mais de 3 anos.

O que posso fazer num iPad

Afinal, é possível fazer trabalho de verdade? Essa é uma discussão corrente e que está perto de ser solucionada, à medida que os tablets vão ficando mais poderosos em termos de hardware e software. Sim, é possível – pelo menos alguns tipos de trabalho.

Trabalhar com documentos

O app mais essencial no meu iPad é o Documents da Readdle, que não sei como não é mais divulgado; é a melhor maneira de navegar por documents salvos no OneDrive, Dropbox, Google Drive, iCloud, ou mesmo na memória interna do iPad, e ainda possui um editor de PDF integrado. Usei esse app para criar pastas para alguns trabalhos que estou criando para os alunos, duplicar arquivos e mover entre diferentes locais, juntar documentos, apagar páginas.

Com certeza, o meu app preferido para iPad: Documents da Readdle

Nesse período de férias, eu resolvi testar o modo Pro, que permite, entre outras coisas assinar documentos:

A propósito: o PDF que foi assinado foi exportado a partir do Word. A minha irmã recentemente comentou que descartava comprar um laptop Apple por “mas eu preciso do Office”; essa fase de incompatibilidades já acabou. Os aplicativos da Microsoft para dispositivos Apple são bastante capazes.

Preparar aulas

Nesses tempos de aulas remotas, a minha tarefa básica é preparar apresentações. Eu me surpreendi em como o Keynote para iPad é tão capaz quanto a versão para macOS.

Quem souber deixa nos comentários

Para me guiar nas apresentações, eu digito notas no Notion. Nessas viagens eu não tinha os livros que tenho na minha pequena biblioteca, mas consegui escrever algumas notas que estavam mais frescas na cabeça e consultando alguns PDFs (usando o supra-citado Documents).

Sim, nós somos engenheiros, nós discutimos válvulas

Como diz Shawn Blanc, porém, o fato do Notion para iPad não exibir os itens completos na visualização de calendário (apenas exibe que existem itens em um dado dia) é uma insanidade.

Parte do trabalho de preparar aulas é preparar planilhas de notas, para me ajudar a avaliar trabalhos e apresentações. O Numbers para iPad é ótimo. A integração com provedores de documentos é sensacional; ao navegar no app, só aparecem habilitados os arquivos que podem ser abertos no Numbers:

Sim, eu quero deixar bem claro para meus alunos o que eu espero de um trabalho

Tomar notas de livros

A habilidade de colocar apps lado a lado no iPad permite um fluxo de trabalho perfeito; de um lado o Kindle, com trechos sublinhado, e do outro o Bear, onde vou escrevendo minhas impressões com minhas próprias palavras.

Aguardem um post completo sobre como aprendi a usar o Moodle

Publicar posts

Tanto o presente texto quanto o último foram escritos inteiramente em um iPad.

Esses posts todos são planejados com o ótimo MindNode.

De boas, sonhando em ser um blogueiro profissional

Como me concentro

Para me guiar nesse processo, eu tenho um sistema no Todoist, que vou descrever no próximo post, e uso o Focused Work como um cronômetro; consigo criar um timer para trabalhar concentradamente por meia hora, uma hora, duas horas, dependendo do quanto tempo tenho.

O que quero que melhore

Eu gostaria muito de poder invocar Atalhos pelo Smart Keyboard. É algo que tenho pesquisado mais e mais à medido que uso o iPad com mais frequência. Por exemplo, tenho um atalho para criar uma nota no Bear com aquele time stamp no título; gostaria de, enquanto escrevo uma nota, já conseguir criar outra, sem precisar ir no app de Atalhos.

Como falei, o Smart Keyboard é ótimo, mas eu queria ter mais angulações para trabalhar, e de preferência com um layout em português.

A única angulação possível.

E por fim, quero widgets na tela inicial, pelo amor de Deus.

Acho que vou me divertir muito com meu iPad em 2021…

Categorias
Artigos

Revisão de Janeiro 2021 e Planejamento de Fevereiro 2021

Totalmente roubado da Thais Godinho, vou experimentar aqui em FabioFortkamp.com uma série de posts regulares revisando e planejando meus meses.

Este ano de 2021 é o Ano da Diversão, e até então tenho alternado sucessos e falhas. Acho que tenho conseguido aproveitar mais as coisas, como brincadeiras com meu filho; filmes com minha esposa têm se tornada uma rotina; e tento reenquadrar situações monótonas – como ficar calmamente tomando notas de livros enquanto espero o carro ficar pronto da revisão. Porém, os níveis de estresse continuam altos, com o desafio interminável de combinar paternidade com ambição. Eu sou imperfeito.

As minhas metas para o mês de janeiro eram:

  1. Completar as viagens de verão, o que inclui a manutenção de rotina que já estava programada no carro (e que rendeu uma hora e meia de concentração para ler, vide parágrafo acima)
  2. Finalizar os planos de aulas (notas, slides, exercícios) de todas as aulas que devem acontecer até o Carnaval – as aulas retomam nessa quarta-feira 03/fevereiro.
  3. Publicar 4 posts no blog

Felizmente, consegui cumprir todas. Depois de viagens muito agradáveis, estamos de volta na nossa casa que adoramos, e o carro está revisado depois de viajar por esse milhar de quilômetros. Pela primeira vez desde que comecei a dar aulas, tenho mais de 2 semanas de um buffer de aulas, sem precisar correr tanto para finalizá-las, e aos poucos abrir espaço para outras atividades profissionais. E tivemos 6 posts no blog.

Porém, nesses últimos dias, eu percebi o quando ainda não incorporei uma frase perfeita da Laura Vanderkam: não existem semanas típicas. Eu passei o domingo finalizando as aulas para cumprir a meta e me dar tranquilidade, e isso foi necessário por inúmeras pequenas coisas que aconteceram durante os dias de trabalho: o bebê com dias mais carentes que o normal, noites mal dormidas, viagens de última hora e às pressas ao mercado. Mas essas interrupções não são a exceção; hoje é segunda-feira e já sei que inúmeros imprevistos vão acontecer. O resultado da minha ânsia por cumprir as metas me deixou estressado, calado, a ponto de minha esposa perguntar o que estava errado comigo. Vou tentar lembrar do tema melhor nesse mês que se inicia.

Falando nele, aqui estão as minhas metas para o mês de fevereiro de 2021:

  1. Aproveitar um pouco o Carnaval de 2021, com refeições gostosas em família, talvez até um passeio com distanciamente social
  2. Finalizar as aula do Verão de 2021 (i.e. até 21/03/2021)
  3. Retomar os estudos para um concurso de professor efetivo que deve ocorrer nesse ano

Todas essas metas ficam registradas no meu Bullet Journal, para serem consultadas regularmente, sempre que faço o plano do dia. Seguindo exemplo da Thais Godinho que linkei no início desse posto, eu faço um plano inicial no meio do mês anterior e reviso na passagem de um mês para outro. Fundamental é ter o calendário sempre aberto e revisá-lo, para ver o que vai acontecer – por exemplo, notar que há um Feriadão nesse mês me ajuda a decidir que quero aproveitá-lo o máximo possível e então tomar providências.

E a leitora, o que pretender realizar nesse mês – mais curto mas ainda significativo?

Categorias
Artigos

Como eu aproveito dias ruins

Sendo pai de um bebê, o meu dia começa de maneira perfeita quando eu consigo tomar café da manhã com calma, arrumar-me e planejar meu dia antes de ele acordar, para então poder me dedicar totalmente a ele. Hoje não foi um dia perfeito.

O problema de não ter esse tempo para mim é que tudo vai se deslocando muito na escala do tempo para mais tarde, comprimindo o tempo útil disponível. Eu não consigo ser multi-tarefa enquanto sou o responsável por vigiar um ser humano ativo e que ainda não tem medo de trancar o dedo nas gavetas, então só consigo começar a trabalhar quando existe outro adulto por perto que assuma a vigia.

Um corolário do meu transtorno de ansiedade é enxergar o desastre em todo. Já que o dia começou “errado”, então tudo vai dar errado, e não vou conseguir fazer nada de útil. Isso é natural de se pensar, mas não é lógico; em vez de correr para otimizar o tempo restante, eu fico paralisado por um atraso pequeno que de repente consome todo o tempo restante!

É nessas horas que o meu caderno me salva. Sempre é possível pensar: “o dia começou meio tumultuado, eu tenho algumas tarefas mundanas para resolver, como tornar hoje um dia de sucesso?”. Cada página de registro diário começa com uma lista de 3 MIT (Most Important Tasks).

Hoje eu tinha de preparar comidas, caso contrário ninguém aqui em casa teria o que comer; queria ligar para minha Vó pelo aniversário dela; e deveria trabalhar nas minhas aulas e materiais para o semestre que vai recomeçar.

Como diz a Thais Godinho, às vezes a maneira de avançar nos projetos é aproveitar as deixas das tarefas com prazo e trabalhar no mesmo contexto. Se eu tenho que “preparar comidas”, então vou entrar na mentalidade de “Abastecer geladeira e casa” (que foi exatamente o que escrevi no caderno), e aproveitar para revisar a despensa e fazer compras de mercado online. Se eu tinha que ligar para minha vó, vou limpar a minha lista de “tarefas de Comunicações” no Todoist:

(E de fato, ao final do dia eu cumpri todos esses itens).

Para finalizar o dia, estando mais tranquilo que muita coisa de relevante foi resolvida, finalizei uma lista de exercícios, e já coloquei tudo no Moodle.

Um dia que era para ser ruim se tornou cheio de coisas significativas. No meio de tudo isso dei almoço (recém-preparado) para o meu filho, corri com ele pela casa, fiz um pouco de exercício físico, orei, e ainda deu tempo de escrever esse post.

Sério, povo: manter um caderno para anotar tarefas, ter um sistema de contextos organizado, estudar métodos de produtividade – tudo isso vale a pena, eu prometo.

Categorias
Artigos

Como eu (ainda) uso o Trello para gerenciar meus projetos

Nesse ano de 2021, eu quero me divertir mais, e isso significa escrever mais – principalmente para FabioFortkamp.com, que é a minha principal expressão criativa. No meu intuito de mostrar meu trabalho, eu planejei um post sobre como eu uso o Trello, a minha ferramenta de gerenciamento de projetos.

Porém, lendo o post onde eu descrevi em detalhes o meu sistema de filas de projetos, surpreendi-me em como tudo que escrevi lá ainda vale, e por isso recomendo a sua leitura para entender bem. Só fiz algumas adaptações de lá para cá.

Minhas listas atuais

O cerne do meu sistema de produtividade são dois canais de atenção: em um dado dia, eu tenho dois projetos principais em andamento, geralmente trabalhando em um de manhã e outro de tarde. Estas e todas as listas mostradas aqui estão em um quadro chamado Dashboard; se o leitor não consegue identificar, a imagem de fundo é uma mesa de controle de som.

Início do ano: tempo de preparar trabalhos e exercícios

Nesse início de ano, estou trabalhando um pouco em vários projetos ao mesmo tempo, por isso todos tem a etiqueta verde de “ativo”. Mas a ideia, baseada no exemplo acima, seria trabalhar todo dia na aula 6 de Refrigeração (REF0001) e na lista 2 de Máquinas Térmicas I (ST2MTE1); quando acabar o primeiro projeto, eu passo para o projetos das aulas 14 e 15 de Transferência de Calor e Massa I (TCM1001); quando acabar o segundo, eu passo para a planilha de avaliação dos seminários de REF0001, e assim por diante.

Obviamente que eu tenho mais projetos em paralelo:

Reparem que todo projeto começa com um verbo

Sim, eu mistura inglês com português; minha cabeça é caótica assim. A lista de Other projects, sinceramente, contém tudo que quero avançar mas que resisto a colocar como prioridade dos canais de atenção. São projetos do tipo “Comprar”, “Pesquisar”, “Testar”. No dia a dia, às vezes tenho alguns minutos disponíveis e pouca energia para trabalhar em aulas, então posso trabalhar nesses projetos (em um futuro post, vou detalhar como isso vai parar no Todoist).

Eu tenho também uma lista com coisas que só posso fazer no meu escritório na Universidade, usando materiais que estão lá.

A lista FabioFortkamp.com contém cartões com ideias de posts. Cada cartão contém tarefas de criar um mapa mental, escrever um rascunho, editar, publicar.

Spoiler Alert!
Exemplo de cartão de projeto de blog

Isso é dizer o óbvio, mas eu sou bem nerd; tenho uma lista de projetos de leituras, que incluem tarefas para processar as notas que vou tomando e publicar textos aqui no blog.

Exemplo de cartão no Trello com projeto de leitura

Projetos que não podem andar por algum motivo ficam na lista On Hold:

Eu não crio todos esses cartões do zero, mas tenho uma lista de templates; repare na imagem acima o pequeno ícone que, quando selecionado, me permite escolher um cartão da lista abaixo. Essa lista é apenas organizacional; qualquer cartão do Trello pode ser transformado em template, e, na lista de templates, eu preciso transformar cada cartão em um modelo.

Por último, eu mantenho uma lista de projetos concluídos. O que significa o emoji? Foi uma dica do Vlad Campos. Crie uma lista que tenha esse emoji, arraste um cartão para ela e veja o que acontece.

Criando sistemas duráveis

Foi uma surpresa para mim o quanto uso o mesmo sistema há mais de 3 anos. Acho que o motivo disso é que esse sistema foi estudado; usa as bases do livro do GTD com outras dicas roubadas de outros sites e blogs.

Trocar de ferramenta é muito legal, e eu mesmo estava pensando em estudar alternativas para o Trello apenas pela novidade. Depois de ver o quão bem funciona, vou me dedicar a aprimorar o meu uso do Trello cada vez mais.

Categorias
Artigos

Como eu me preparo antes de entrar em uma sala de aula

Lembro quando entrei numa sala de aula para dar aulas pela primeira vez. Não estava vazio, como a foto da capa deste post, mas o pensamento mais aterrorizante era o que vou falar para essa gente?

Hoje em dia esse sentimento não sumiu, mas está atenuado pela prática e pelas minhas rotinas de preparação para aulas. Como já falei aqui, eu me dedico bastante a preparar bem minhas aulas, mas mesmo assim descobri que ter um pequeno ritual antes de entrar numa sala de aula, mesmo virtual, ajuda bastante a conter a ansiedade.

Para implementar isso, além de colocar os horários de aula no meu calendário, eu dedico tempo para um pré- e um pós-aula:

Assim, se a aula começa 09:20, às 09:00 eu já estou me ambientando: abrindo o Moodle, revisando notas de aula, separando água e chá. Às 09:20 eu já estou completamente pronto – ainda que isso não garanta que minhas aulas sejam sempre boas.

Para quem interessar, aqui está minha rotina que consulto antes e depois das aulas. Ainda estou no processo de sedimentar esses hábitos; algo que pretendo melhorar nesse semestre é tomar um tempo após as aulas para refletir um pouco sobre o que deu certo e o que deu errado.

Sim, isso toma bastante tempo a mais, mas uma constante em minha vida profissional é que fazer as coisas com pressa geralmente toma mais tempo pelo retrabalho envolvido. Eu estou numa fase de aprender a preparar essas disciplinas, aceito em paz que preciso trabalhar bastante (inclusive aos finais de semana) e, a não ser em caso de emergências, quero fazer as coisas com a minha calma habitual.

O leitor tem algum ritual de preparação no trabalho? Para os que têm reuniões regulares, posso imaginar isso sendo muito útil, principalmente para esfriar a cabeça após. Deixem nos comentários!

Categorias
Artigos

O poder de ser viciado em produtividade e organização

Um pequeno exemplo da vida real: meu pai está coordenando a pintura do meu antigo apartamento. Ele me manda uma mensagem perguntando a cor da tinta da porta.

Eu não lembro, mas meu sistema lembra.

O que eu preciso de fato lembrar é que essa informação está no Evernote. Então eu abro o app e procuro apenas por “tin”:

“Tinta pintura portas” parece ser a nota certa. E abrindo:

Sim, as portas eram verdes

Em 5 minutos o assunto estava resolvido. São momentos assim que minha mania de sempre ler sobre apps e métodos de produtividade parece que vale a pena.

Categorias
Artigos

Meu maior segredo de produtividade: filas de projetos

Eu não sou a pessoa mais produtiva do mundo, mas consigo completar coisas. Em 2020, eu me mudei de cidade (algumas vezes, na realidade, e para diferentes casas em uma mesma cidade) e comecei um novo emprego, preparando 5 disciplinas enquanto crio um filho bebê. Nada mal.

O meu segredo: eu não tenho fazer tudo, mas pouco de cada vez, sempre avançando num projeto e partindo para o próximo. A maior base do meu sistema são filas de projetos.

Como funcionam filas de projetos

É simples: eu gerencio meus projetos na forma de cartões no Trello, e tenho duas listas com projetos que devem ser atacados em sequência:

A grande questão: eu não estou preparando todas essas aulas ao mesmo tempo; num dado dia de trabalho, só estou focado nas atividades que tem a etiqueta verde, seguindo dois canais de atenção. Já falei sobre esse conceito aqui, que vem dos livros do Kourosh Dini (este post explica bem também). Geralmente, de manhã me dedico ao “Canal 1”, e de tarde ao “Canal 2”.

Como acesso as tarefas? No Todoist, tenho etiquetas para esses canais:

Quando decido que vou trabalhar em um projeto, consulto essas etiquetas:

Ao final de uma sessão do trabalho, ao fechar o dia, ou na Revisão Semanal, eu vou adicionando tarefas no Todoist a partir do cartão do Trello, sempre mantendo-o atualizado para completar o que precisa ser feito para concluir um dado de projeto.

Quando um projeto é concluído, os cartões do Trello são arquivados, os próximos da fila se tornam ativas, as tarefas são copiadas para o Todoist com a etiqueta apropriada, e assim as coisas vão se realizando. No exemplo acima do Trello, eu preparo a aula de Transferência de Calor, que ocorre às terças, e depois, só quando esse projeto é concluído eu preparo a aula de Refrigeração, que ocorre às quartas.

Nada espetacular ou revolucionário, mas funciona.

O leitor acha que faz sentido?

Categorias
Artigos

Trabalhar 3 horas seguidas ou 1 hora por 3 dias?

Se faz tempo que não aparece um texto aqui, é porque tenho estado ocupado como nunca estive. Em meados de fevereiro, assumi um cargo de Professor Substituto na Udesc de Joinville; e, além das três disciplinas para qual fui contratado, ofereceram-me mais duas (e eu aceitei). Se o leitor está com preguiça de contar, isso me faz responsável por 5 disciplinas diferentes.

Aceitei esse desafio imenso para mergulhar na experiência de ensinar (tomando um tempo longe da pesquisa) e para complementar minha renda, dando mais segurança para que eu e minha esposa possamos criar o João Pedro. Mas mesmo minha juventude, energia e vontade de trabalhar não torna a rotina menos cansativa.

Para um inexperiente como eu, foi difícil pegar o ritmo de preparar aulas. Não escondo que, muitas vezes, estava de tarde preparando as aulas da noite, para na manhã seguinte acordar cansado (após dar aulas até 22:20) e finalizar as aulas da tarde. Para dar conta, trabalhei bastante em todos os finais de semana desde que comecei. O que tem me ajudado nesse processo é muita meditação, apoio da minha família, e o simples fato desse trabalho de preparar e dar aulas ser cansativo mas extremamente prazeroso.

Minha rotina de trabalho basicamente consistia em trabalhar por horas seguidas (com alguns intervalos para atender o bebê) num mesmo assunto, pois a tarefa em questão precisa ser terminada até a hora de eu entrar na sala de aula. Funcionou, mas me desgastou bastante.

Hoje, após pegar o ritmo e ter algumas aulas adiantadas, estou me re-estabelecendo na rotina que eu gosto de cultivar: várias sessões de trabalho de menor duração, de assuntos variados. Uma hora em uma disciplina, uma pausa, uma hora em outra.

Há quem diga que isso é subótimo, e eu reconheço que mergulhar num assunto por 3 horas seguida nos faz atingir níveis de concentração surpreendente, como diz um de meus ídolos. Porém, aceito que prefiro trocar esse nível de concentração pelos efeitos de interação entre as sessões. Se trabalho na disciplina 1 por um tempo, e no resto do dia faço outras coisas, ao continuar o trabalho na disciplina 1 no dia seguinte vou estar contaminado (no bom sentido) com as ideias que tive fazendo as outras coisas. Talvez na disciplina 2 eu selecionei alguns exercícios que acho que vão encerrar bem a aula, então ao voltar a preparar aula da disciplina 1 eu procuro exercícios semelhantes para dar esse fechamento; mas a própria ideia de fechar a aula com problemas numéricos só veio quando eu reconectei meu cérebro ao trocar de assunto.

Assim, para mim, prefiro trabalhar picado, mas eu só sei disso por ter experimentado — e eu aproveito os efeitos de trabalho profundo ao pausar entre uma sessão de outra para realmente descansar o cérebro, e não perder tempo e concentração no celular.

A minha esposa vai ficar orgulhosa: depois de tanto debater isso com ela, agora estou usandoneste espaço para discutir se gosto mais do metodismo de Cal Newport ou da criatividade mais livre de Austin Kleon.