Categorias
Artigos

2023: O Ano de Simplificar

O meu tema para 2023 é O Ano de Simplificar.

Desde que publiquei minha revisão de 2022, mais coisas aconteceram que tornaram aquele ano mais horrível que já era, incluindo brigas políticas com familiares. Política é obviamente um assunto emocional, mas eu não estava mesmo brigando por causa do Bolsonaro – e sim por causa da raiva acumulada dentro de mim contra tudo de ruim que aconteceu em 2022.

Com um novo filho, eu não posso ser uma pessoa com raiva, e a prioridade máxima na minha vida é reduzir os níveis de estresse. Para isso, preciso simplificar minha vida. Em 2022, eu me mudei de cidade e de emprego; tentei criar rotinas (e.g. tocar teclado e ir para a academia) que não vingaram; almejei ler mais livros que conseguia; e nossos gastos saíram do controle. Houve um excesso de coisas que precisa ser cortado.

Neste ano, vou curtir o novo emprego, moradia, configuração familiar, e reduzir a vida ao essencial. Preciso de todos os serviços de streaming? Preciso de tantas assinaturas de apps? Posso vender meu teclado e parar de me preocupar com isso? Posso parar de me preocupar com ir à academia e focar em correr na praça perto de casa? Posso chegar em casa e só montar um quebra-cabeça com meu filho mais velho? Ou, se ele estiver brincando sozinho, sentar e ler um livro, sem metas de números?

E este blog? Ele é essencial para mim? É essencial para minhas leitoras e meus leitores?

Vamos descobrir ao longo desse ano. Por isso, um pedido para começar o ano: se você gosta do que lê aqui, se vê valor, não deixe de comentar aqui embaixo e indicar este blog para alguém. Isso vai me ajudar a direcionar os trabalhos aqui neste ano.

Por um 2023 melhor, mais simples, para todos nós.

Categorias
Artigos

Revisão do meu Ano de Ler e Escrever

O meu tema para 2022 foi Ler e Escrever.

Vou ser sincero: este não foi um dos meus anos favoritos. A mudança de emprego e de cidade adicionou muito estresse na minha vida, do qual ainda não consegui me recuperar. Pelo menos há um novo integrante na família para alegrar as coisas.

A minha prioridade era ler livros, e eu li 34 livros neste ano; nada mal, mas muito abaixo da minha meta de 60 (5 por mês), um número ambicioso inspirado por Cal Newport. Se ele, com 3 filhos e 2 empregos, consegue ler tanto, por que eu não consigo? É sinal de que não priorizei tanto assim. Voltando ao parágrafo anterior: o estresse me fez querer ver mais séries e ler menos livros, o que em teoria é OK; mas eu chego ao final do ano me sentindo não OK com isso. Em 2023, eu quero intensificar ainda mais o hábito de leitura, e baseado nesse ano, já aprendi que isso significa me importar menos em “ler livros físicos” e mais adotar o pragmatismo do Kindle. A leitora pode conferir algumas das minhas resenhas de livros aqui.

Leitura para mim inclui estudo, e nesse ano eu foquei em alguns concursos, todos sem sucesso. Isso me fez refletir também: é isso que quero para minha carreira? Continuar estudando e fazer concursos? Apesar do resultado ter sido um fracasso, o método é um sucesso: reforçar um tema para o ano me ajudou a justamente prestar atenção. Eu priorizei estudar como parte do meu Ano de Ler e Escrever, percebi que não deu certo, mas eu não deixei de seguir o tema. Eu li muitos livros-texto e escrevi muitas notas; missão cumprida.

Por último, o grande resultado da parte de escrita, e a que mais deu certo, foi a minha páginas de notas de aulas, que evoluiu para um segundo blog, em inglês e muito mais técnico que esse aqui, e eu encerro o meu Ano de Ler e Escrever me fazendo esta pergunta: meus blogs estão dando certo? Vale a pena continuar em 2023?

Amanhã vamos saber o meu grande tema para o próximo ano…

Categorias
Artigos

Antônio

A maior notícia do ano, para mim, aconteceu quase no final: há alguns dias, o João Pedro ganhou um irmão, Antônio.

Não é novidade para ninguém que lê este blog que ser católico é parte da minha identidade. Assim, na hora de escolher algo importante como o nome dos meus filhos, não consigo deixar de me voltar para os grandes personagens bíblicos e santos que passaram por este mundo, em busca de inspiração. Que eu saiba, não existe nenhum personagem chamado Antônio na Bíblia, mas houve um grande homem que carregou esse nome.

A escolha deste nome está muito ligada à nossa situação de vida durante grande parte da gravidez do Antônio. Recentemente, eu e minha família nos mudamos para Florianópolis, mas a experiência de esperar o Antônio vai estar sempre muito ligada à nossa antiga cidade, Joinville. Eu amei morar lá, e amei fazer parte da Paróquia Santo Antônio. Indo nas festas do padroeiro, aprendi que Santo Antônio de Pádua, muito além do reducionista “santo casamenteiro”, era um grande professor – justamente a minha profissão durante boa parte da gestação do pequeno Antônio.

E assim, o pequeno Antônio chega para nos lembrar dessa importante fase da nossa vida, e para iluminar o nosso final de ano. E eu começo 2023 aprendendo a ser “pai de dois” – com todos os prazeres e dificuldades que isso traz.

Categorias
Resenhas de livros

Resenha: Music: A Subversive History

O que a imagem acima, de um porto em atividade, tem a ver com a resenha de um livro de música? É esse justamente o ponto de Music: A Subversive History, de Ted Gioia.

Eu cheguei a essa obra por conta da excelente newsletter de Gioia e de uma entrevista com ele, que menciona o livro. Ted Gioia é um músico de jazz que, tendo de abandonar o piano por conta de problemas na mão, tornou-se um crítico de música excepcional, ao apontar grandes álbuns que nenhum algoritmo recomendaria (como ele fala repetidamente na sua newsletter – sério, vão lá assinar) e falar de detalhes que parecem adjacentes às músicas, mas que são fundamentais (a sua formação em filosofia provavelmente ajuda).

Liverpool é a terra dos Beatles, obviamente, e New Orleans o berço do jazz. Separadas por milhares de quilômetros de distância, e de culturas bem diferentes, estas cidades pobres e na periferia do poder são também cidades portuárias com um grande vaivém de pessoas, cada uma com sua tradição musical.

É isto que Music quer mostrar: que o desenvolvimento musical não vem de salas de concerto elitizadas, mas dos marginalizados. O que hoje associamos ao poder nasceu revolucionário. Hoje falamos de Mozart como um gênio que ninguém mais ouve, mas no seu tempo ele era uma celebridade que escrevia cartas (para seu pai) reclamando de seu apetite sexual voraz – alguma coincidência com nossa obsessão em acompanhar a vida amorosa dos músicos de hoje?

Gioia põe muita ênfase nos aspectos rituais da música. Como católico, eu posso confirmar com facilidade que a música na Missa faz parte do ritual, e não é um mero acessório (ainda que, para voltar ao mesmo tema, música na igreja era considerada subversiva até pouco tempo atrás). Os rituais das religões antigas envolviam muita percussão e sacrifícios (literais) – e Gioia fecha o livro se perguntando se o comportamento errático de músicos de rock não é também uma forma de auto-sacrifício, de entregar a própria vida pela música.

Acho que deu para entender que o livro é muito interessante. Porém… é longo demais. É muito fácil se cansar na leitura, e dá para perceber que o autor se perdeu no meio de tanta pesquisa e teve dificuldades em cortar detalhes e anedotas, sendo que em vários capítulos o ponto já estava estabelecido.

Assim, por mais que seja um deleite ver um mestre da escrita como esse escrevendo sobre temas verdadeiramente fascinantes, não posso recomendar a leitura do livro a não ser que você esteja realmente preparado, quase para estudar o livro.

Mais uma vez: assine a newsletter, e veja se você quer mergulhar fundos nos tópicos que ele traz.

Categorias
Resenhas de livros

Resenha: A História da Ciência para quem tem pressa

Há algum tempo, resenhei um outro livro da série …para quem tem pressa, e os motivos de ler este novo título continua o mesmo (querer leituras leves em meses de muito agito em meio a um emprego novo). A conclusão muda um pouco, porém.

Acho que não preciso explicar o mote da obra: ilustrar o desenvolvimento das ciências em sete capítulos, cada um dedicado a um ramo (astronomia, matemática, física, química, biologia, medicina, geologia). Ao contrário de A história do mundo para quem tem pressa, que se dizia global e era bastante euro-cêntrico, este exemplar sobre a ciência consegue ser mais diverso e chama a atenção para a importância da ciência chinesa, indiana e árabe, diversas vezes salientando como os europeus demoraram para alcançar o desenvolvimento oriental – e a culpada, segundo as autoras Nicola Chalton e Meredith MacArdle, é sempre a Igreja Católica.

Apesar de curto, o livro é denso de informações, sendo várias delas novas para mim. Eu já havia ouvido falar de Ptolomeu (o astrônomo que propôs um sistema geocêntrico que depois foi contestado por Copérnico), mas nunca havia me atentado ao fato de que ele era cidadão romano, e não grego, e ainda por cima viveu depois de Cristo. A leitura em geral é fácil e agradável.

Minha maior crítica é que, em cada capítulo, parece que as autoras supõem que o leitor já domina o tópico, e apenas resumem o conteúdo. Para um leitor que seja completamente leigo e avesso a matemática, a própria explicação do sistema de Ptolomeu, citado acima, fica bem confusa (eu, com Doutorado em Engenharia Mecânica, tive que ler várias vezes até entender – e este é um livro que se pretende popular). As explicações sobre geologia, então, passaram quase batido por mim.

Portanto: leia pelo caráter histórico, para entender onde os grandes nomes se encaixam na linha do tempo, mas não espere aprender de fato sobre ciência.

Categorias
Artigos

Por que deixei meu emprego de professor

Vou fazer um anúncio quase 2 meses atrasado: eu deixei o meu emprego anterior de Professor Substituto em uma universidade estadual, e voltei à minha universidade (e cidade) de origem para trabalhar como pesquisador em um novo projeto.

Os anúncios são vários, mas a base é uma só: eu me sentia sem futuro.

Eu amei ser professor, fui muito feliz no meu ambiente de trabalho, e acho que tenho talento. Não pretendo abandonar o ensino, e um de meus projetos para 2023 é justamente reavivar meu canal de aulas no YouTube, modernizando os vídeos e criando verdadeiramente os meus cursos de Engenharia Mecânica. Mas a vida de professor substituto não é fácil: eu tinha uma caga horária de 17 horas-aula semanais, com 5 disciplinas por semestres, o que exigia mudar o assunto na minha cabeça várias vezes por dia, corrigir dezenas de provas e trabalhos por mês, e estar sempre revisando e preparando aulas.

O sinal de alerta veio quando percebi que, nas aulas, estava falando de tudo no passado: eu estudei, quando eu participei de tal projeto… eu comecei a me sentir perigosamente fora da Engenharia Mecânica como ela está ocorrendo agora. Em outras palavras: como todo bom professor, eu queria praticar e pesquisar em paralelo com o ensino – mas eu só ganhava por hora dentro de uma sala de aula.

Eu também comecei a me sentir desolado com a vida de concursos acadêmicos. Participei de alguns, não fui aprovado em nenhum, nem de perto. Sinceramente, comecei a questionar se era isso mesmo que queria, se estava disposto a caminhar nessa jornada de virar professor efetivo (ainda não tenho essa resposta). O que estava claro é que não era atuando a semana inteira como professor substituto que eu ia conseguir mudar isso.

Eu comecei a planejar a possibilidade de participar de algum projeto de pesquisa, ou mesmo de procurar um emprego de engenheiro, e a sorte me lançou as duas coisas ao mesmo tempo: um anúncio de vaga CLT, de Engenheiro, mas em um ambiente de pesquisa, com meus antigos colegas, com o meu orientador de sempre. Apliquei, e consegui.

Não sei o que é do futuro; minha prioridade agora é fazer um bom trabalho neste projeto e honrar a oportunidade dada. Estou trabalhando muito para me atualizar na Engenharia – que era o que eu queria. Estou feliz e animado com os próximos passos.

E você, leitor, teve alguma grande mudança de emprego e vida nesse ano? Quer promover essa mudança? Comente aqui embaixo!

Categorias
Resenhas de livros

Resenha: A história do mundo para quem tem pressa

Não vou negar: eu comecei a ler A história do mundo para quem tem pressa não porque eu tinha pressa de fato, mas porque estava lendo dois outros livros (resenha em breve) muito pesados, e queria uma leitura mais leve. Consegui.

Dividindo em seis capítulos, a obra cobre desde as civilizações da Mesopotâmia até a independência da Nova Zelândia. Se a leitora está surpresa, como eu, em relação a escolher este ponto de finalização, minha hipótese é que a autora Emma Marriott falhou no próprio objetivo: prometeu um livro que vai além dos relatos típicos euro-centristas, mas não conseguiu se desvenchilhar do fato de escolher “o fim da colonização europeia na Oceania” quase como “o fim da história”, como se a Europa não tivesse mais para onde ir. Não nos enganemos: esse livro é totalmente contado do ponto de vista da Europa.

Além dessa falha de querer ser mais diverso que realmente é, acho que o livro assume que o leitor tem pressa demais. O subtítulo, Mais de 5 mil anos de história resumidos em 200 páginas, poderia ser corrigido para …em 250 páginas… e o livro teria muito mais impacto e profundidade.

Sendo raso assim, não há nenhuma grande tese ou argumento ensinado, mas não deixei de esclarecer algumas coisas, principalmente em relação a cronologia. Aprendi, por exemplo, que os astecas são muito posteriores aos maias (minha lembrança escolar das civilizações pré-colombianas fundiu-as em uma massa só, como se fossem todas contemporâneas), e que a habitação da Nova Zelândia pelos seus povos nativos é muito mais recente que a habitação da Austrália (em alguns milhares de anos).

Portanto: não espere de fato aprender muito sobre a história do mundo. No máximo, o leitor pode selecionar alguns tópicos e aprender mais sobre eles. Ou simplesmente encarar como uma leitura de entretenimento superior às redes sociais – o que de fato é.

Categorias
Artigos

Adora e confia

Para encerrar essa semana que acabou, sem planejamento, sendo dedicada a reviver este blog e centrada na Oração como tema produtivo, capaz de re-energizar um dia ruim, aqui está uma das minhas orações favoritas.

Se neste final de semana a leitora estiver em um momento meio para baixo, apenas sente e leia em volta alta, pausadamente:

Adora e confia

Não te inquietes com as dificuldades da vida
Pelos seus altos e baixo, pelas suas decepções,
Pelos seus imprevistos mais ou menos sombrios.
Queira tu o que Deus quer.

Pouco importa que te consideres um frustrado
Se Deus te considera plenamente realizado, a Seu gosto.
Perde-te confiando cegamente neste Deus que te quer para si,
E que chegará até ti, ainda que jamais O vejas.

Pensa que estás nas Suas mãos,
Tanto mais fortemente acolhido,
Quanto mais caído e triste te encontres.

Vive feliz. Suplico-te.
Vive em paz. Que nada te altere.
Que nada seja capaz de te tirar a tua paz.
Nem a fadiga psíquica, nem as tuas falhas morais.
Faz com que brote, e conserva sempre no teu rosto,
Um doce sorriso, reflexo daquele que o Senhor continuamente te dirige.

E no fundo da tua alma coloca, antes de mais nada,
Como fonte de alegria e critério de verdade,
Tudo aquilo que te encha da paz de Deus.

Recorda: tudo o que reprima e inquiete, é falso.
Asseguro-te que assim é, em nome das leis da vida e das promessas de Deus.
Por isso, quando te sentires desanimado, triste,
adora e confia...


Pe. Teilhard de Chardin, SJ
Categorias
Artigos

Ó homem, não descanses

Continuando o espírito do post de ontem, segue um poema, que é também uma oração, atribuída a Gandhi e que é ensinada nas Oficinas de Oração e Vida. Espero que isso dê energia para essa quinta-feira pós-feriado, quando o cansaço deve bater:

Ó homem, não descanses

Que estejas cansado ou não, ó homem,
Não descanses, não te detenhas em
Tua luta solitária,
Segue adiante, não descanses.

Caminharás por trilhas confusas e complicadas
E apenas salvarás algumas vidas tristes.
Ó homem!, não percas a fé, não descanses.

Tua própria vida se esgotará e se desvanecerá,
E haverá perigos crescentes pelo caminho.
Ó homem!, suporta tudo isso, não descanses.

Salta por cima das dificuldades, ainda que
Sejam mais altas que as montanhas,
E ainda que mais além só haja campos
Áridos e secos.
O mundo escurecerá e tu derramarás
Luz sobre ele e de dissiparão as trevas.
Ó homem!, ainda que perigue tua vida,
Não descanses.

Busca descanso para os demais.
Categorias
Resenhas de livros

Resenha: Mostra-me o teu Rosto

Mostra-me o teu Rosto é um dos melhores livros sobre Cristianismo que eu já li.

A leitora que é cristã, sabe o que é realmente ser cristã? Sabe o que ir um passo além de cultos ou missas, rituais, procedimentos? Sabe orar, comunicar-se com Deus?

O prefácio deste livro expõe logo a sua tese: há cristãos que cumprem as regras da sua religião (seja qual denominação seja), dizem-se cristãos mas, quando querem algo a mais, vão buscar fora da Fé. A palavra transcendental virou sinômino de religiões orientais, de meditação, de experiências psicodélicas (muitas vezes associadas a drogas) – e que o Frei Ignácio Larrañaga quer mostrar é que o Cristianismo é místico e transcendental por natureza.

Para deixar claro: se você não se identifica com Jesus Cristo e quer mergulhar nas tradições budistas, hindus, de matriz africana, o leitor deve ir atrás e encontrar uma igreja que verdadeiramente o acolha. Mas se você se sente pertencente em alguma igreja cristã, é possível se aprofundar.

Mostra-me o teu Rosto deve ser lido como companhia dos momentos de oração, os Tempos Fortes como chamamos nas Oficinas de Oração e Vida, e não deixa de ser um curso – quase um livro-texto. O autor, sacerdote capuchinho, não deixa de expor teorias teológicas e trazer comentários da Bíblia, mas também propõe exercícios de oração – inclusive orar com auxílio da própria Bíblia, orar com mantras (sim, isso existe no Cristianismo), orar imaginando-se na companhia de Jesus.

Rotina matinal

A obra está divida em 6 capítulos (extensos demais, na minha opinião), que seguem bem a estrutura de um curso. Nos primeiros, Larrañaga introduz o que é orar e traz passagens bíblicas de personagens se comunicando com Deus (o exemplo mais é Moisés). Depois, propõe exercícios de como trazer isso para a vida cotidiana, e culmina com discussões cristológicas de quem foi Jesus e como imitá-lo.

Portanto, este é um livro para todos os cristãos – apesar do autor ser um padre católico, não creio que exista nada que seja proibitivo para outras denominações. Após um período, reconheço, meio relapso no hábito de orar, eu tenho tentado voltar a fazer isso logo que acordo – e isso dá a deixa para um dia melhor. Mostra-me… foi um um grande animador e incentivador deste hábito.