Arquivo da tag: tecnologia

Você não precisa de uma tela Retina

A minha namorada tem um celular Nokia antigo, daqueles de flip ainda
(lembram?). Não tem nenhum recurso a não ser os básicos: telefone,
mensagens, alarmes, uns joguinhos.

Os mais jovens dizem que o fato de ela ter um telefone velho assim “é
paia demais”, ou algo assim, não estou por dentro das gírias novas.
Apesar das críticas, é com esse celular que ela fala quase todo dia com
a mãe dela, a 800 km daqui. É com esse celular que ela se comunica com
os sobrinhos e irmãos que moram longe. É com esse celular que ela troca
mensagens comigo.

Ela não está nem aí para o que está acontecendo no Twitter (e eu,
namorado ruim que sou, continuo checando-o mesmo quando estou com ela).
Ela não ri das fotos com legendas engraçadas no Instagram. Ela consulta
o Facebook com calma, no computador dela. Ela não precisa consultar o
email quando está na fila do mercado.

Ela é formada numa universidade, trabalha, já morou em algumas cidades
diferentes, vai a festas, tem amigos, tem um namorado. Tudo isso sem um
smartphone. E ela diz que só vai comprar um outro celular quando este
estragar. Considerando que estamos falando de um Nokia antigo, isso quer
dizer nunca.

Namorá-la é com certeza a melhor coisa que me aconteceu nesse ano, e,
apesar de naturalmente não ser só por causa disso, ela é um lembrete
ativo do que queremos dizer quando precisamos de algo.

Você é um animal. Você precisa de água e comida. Precisa dormir. Precisa
fazer exercício. Precisa urinar e defecar.

Você também é um ser humano. Precisa ter cultura, sentir-se pertencente
a algo, relacionar-se com alguém (seja esse alguém Deus), integrar-se na
sociedade, estimular-se intelectualmente, descobrir a sua vocação.

O que você não precisa é de uma tela Retina.


Eu me formei em engenharia, então para mim a tecnologia é um meio de
vida. A minha profissão é criar tecnologia, então o leitor pode ter
certeza que não quero dizer que temos que abandonar toda tecnologia. O
que prego é que temos de ter uma atidude racional em relação a ela.

Meu tema de mestrado é a refrigeração, a ciência de produzir frio. Uma
geladeira é necessária? Depende. A humanidade viveu muito mais tempo sem
refrigeradores do que com eles. Mas eles certamente ajudam. Com uma
geladeira você precisa ir menos vezes ao mercado porque os alimentos
duram mais. Você se refresca com a cerveja no verão. Você pode preparar
a comida na véspera da festa para poder aproveitar com seus amigos. Tudo
isso é ótimo. Tempo e dinheiro poupado com a ajuda de uma geladeira
podem ser usados para outras coisas.

Tudo bem, os benefícios de ter um refrigerador são tantos que você
decide que precisa de um. Mas você não precisa de uma geladeira de
inox com duas portas. Você quer uma e pode comprar. Ótimo.

Da mesma forma, a minha namorada, por decisão própria, resolveu que não
precisa de um iPhone ou um Galaxy S4. Ela precisa manter contato com as
pessoas importantes na vida dela (eu humildemente arrisco me incluir
nesse grupo), e o aparelho que ela tem em mãos cumpre essas funções
perfeitamente. A tecnologia, nesse caso, está cumprindo o seu papel, de
resolver um problema real.


Nos últimos tempos, eu ando me cansando do lado mais podre do mundo
Apple. Desde o lançamento dos últimos modelo de iPad, só choveram
resenhas das mais aburdas, de como ele é mágico, de como dá vontade de
chorar de tão leve que ele é, de como ele se integra a sua mão. Não há
um dia que eu não veja um artigo comparando o iPad Mini ao iPad Air. E
podcasters e blogueiros famosos estão dizendo que vão comprar um iPad
Mini porque finalmente ele vai ter tela Retina e, afinal, não dá para
trabalhar sem uma tela Retina.

Eu tenho um MacBook Pro, modelo 2011. Ele não tem tela Retina. O
computador, além de lindo e bem construído, tem mais memória,
processador e armazenamento do que eu preciso, e o sistema operacional é
ótimo, rápido e robusto. E, mesmo sem a tela Retina, eu estou
trabalhando nele todo dia! Eu sou ou não sou o máximo?

E o mais importante de tudo: eu comprei um MacBook não porque eu
precisava dele, mas porque eu queria.


A Luana Oliveira escreveu um ótimo artigo comparando a
tecnologia à religião:

Quando se chega ao ponto de tentar convencer outras pessoas de que o
produto X é melhor, de que os aplicativos ABC são melhores, quando
gera inimizades porque determinada pessoa prefere outra plataforma, o
que isso te lembra? Pra mim isso se assemelha muito à religião.
Normalmente os discípulos ficam cegos para outras possibilidades e só
têm olhos e ouvidos para aquela religião (ou marca, no caso da
tecnologia). Tudo o que não pertence a essa condição é praticamente
demonizado.

Ela está certa. Quando se faz parte do mundo de usuários Apple, e se
quer manter-se informado, é impossível não ser bombardeado com artigos
fanáticos. O mais interessante de tudo é que esse culto se torna tão
arraigado que discutimos apps pelos apps em si, e não pelo que eles
fazem. Estamos rodando testes de velocidade em um iPad sem pensar no que
ele pode ser usado.

Há algum tempo, li um artigo do Michael Shechter que me marcou
profundamente. Ele se referia a um episódio do podcast Enough em que
Patrick Rhone falava que deveríamos pensar nas ações, e não em
apps:

When trying to figure out how to improve the way you work, Patrick is
right. You shouldn’t start with the app. It is indeed about the action
you want to take, but—at least for me—a big part of that process is
taking a step back in order to find the right tool or tactic to help
me to accomplish a necessary actions. Ultimately it’s about creating
processes that ensure those necessary actions happen.

Precisamos urgentemente parar de delirar a cada vez que a Apple (ou
outra empresa) lança um produto novo e começar a consumir tecnologia de
maneira inteligente. O que estamos fazendo com esses aparelhos
excelentes que temos à disposição


Há algum tempo, eu falei que ia fazer mais resenhas de apps. Bem, eu
mudei de ideia.

Eu quero discutir tecnologia, e a nossa relação com ela. Gosto desse
tópico (tanto que, repito, escolhi uma carreira que estuda e desenvolve
tecnologia). Mas quero falar de assuntos relacionados: ciência,
produtividade, criatividade, desenvolvimento pessoal. E quero fazer
artigos longos, opinativos.

Apps são um meio, e podem servir de exemplo para alguma ideia, mas não
quero escrever um testo centrado num aplicativo. Assim, não vai mais
haver resenhas de apps. As que escrevi foram um teste, e foram
interessantes. O que eu não quero é me juntar ao culto Apple; eu sou
apenas um usuário, e não quero converter ninguém. Quero que as pessoas
usem o que for melhor para elas.

Para mim, o ecossistema Apple está funcionando bem. Todos os meus
aparelhos são de dois anos atrás e eles estão ótimos. Eu não preciso
de nada melhor. Eventualmente, eu vou trocar de aparelho. E talvez eu
compre um com tela Retina. Ou talvez não. Talvez eu volte pro Linux.
Talvez eu resolva experimentar um Android.

Eu não quero ser um fanático. Quero apenas fazer o meu trabalho,
continuar escrevendo, continuar me comunicando. E quero passar mais
tempo com minha namorada e menos tempo conferindo o Twitter.

Porque isso é o que importa.

Uma regra básica de etiqueta em anexos de email

Um dia desses, o Vladimir Campos postou uma questão interessante
no App.net: por que algumas pessoas insistem em mandar arquivos .rar em
email, muitas vezes quando ele é desnecessário — e impede a visualização
em smartphones?

Esse problema leva a uma questão ainda maior. Poucas coisas me irritam
mais que receber um arquivo de um programa que eu não tenho, e que de
repente sou obrigado a ter porque ele se tornou supostamente “um
padrão”. Então deixem-me clarificar uma coisa.

Eu uso um Mac, por opção pessoal (sim, eu sou milionário sarcasm
detected
). No meu Mac, existem os programas que eu uso: as ferramentas
de programação para meu mestrado, um editor de texto geral, o Safari, o
YNAB, o Day One. Periodicamente, eu vou deletando tudo o que não
preciso. E tenho uma política de só instalar aquilo que acho realmente
que vou usar. E é por isso eu não tenho o Office instalado no meu
computador.

Como?

Sim, eu não tenho no meu computador pessoal nem o Word, nem o Excel, nem
o Powerpoint. Sim, eles existem para Mac. Mas, antes de ter um Mac,
eles não estavam instalados no meu computador Windows. E há um tempo eu
usei Linux por mais de um ano e, claro, não usava Office.

Eu odeio o Office com todo o ódio que meu coração é capaz de conter — é
lento, a interface é um lixo, é complicado de usar, não é confiável, é
um inferno para tratar arquivos antigos. Mas isso não importa. Eu não
uso o Office principalmente porque eu não preciso dele, e tenho certeza
que muita gente odeia-o mais ainda mas usa por necessidade.

Deixem-me então propor uma regra básica de etiqueta de anexos de email:
não mande arquivos por email se você não tem a absoluta certeza de que a
outra pessoa vai conseguir abri-lo.

Para os leigos, existem formatos de arquivos que são proprietários e que
são abertos. Por exemplo, arquivos de texto puro, geralmente com
extensão .txt (ou formatos de programação: .c, .cc, .m, .f, .html),
podem ser abertos por milhares de programa. Fotos em formatos JPG e PNG
e documentos PDF podem ser visualizados e editados em muitas opções. O
código por trás desses formatos, as instruções para seu computador
transformar 0s e 1s em fotos e documentos (por exemplo), está disponível
para todos, e assim os programadores podem criar programas que os
interpretem. Isso gera um corolário interessante: como os programas não
podem se diferenciar no formato final, eles competem pela qualidade das
ferramentas. Um arquivo .pdf é universal, mas determinado programa pode
ser mais rápido na hora de abri-lo, outro pode focar no reconhecimento
de caracteres, outro na edição. Mas repito: um arquivo editado por um
programa pode ser aberto e reeditado com muita facilidade por outro, já
que o tipo de arquivo é independente do aplicativo.

Formatos proprietários não têm a sua especificação aberta. Outros
programas até conseguem abrir, mas o resultado final é ruim porque
alguém teve de fazer uma espécie de “engenharia reversa” para descobrir
como os arquivos são codificados. Um arquivo DOCX foi feito
especialmente para ser aberto com o Word. A consequência é obvia: não
existe exatamente pressão para a Microsoft melhorar o programa; qual a
opção? Será que as pessoas estão dispostas a migrar todos os seus
documentos antigos?

Se algum dia eu for trabalhar num ambiente que exija usar o Office, eu o
farei sem problemas. Mas eu jamais enviarei um arquivo do Office para
alguém de fora da empresa a não ser que seja previamente combinado.

Ah, uma palavra sobre compactação: como o Vladimir falou, com as
velocidades de internet disponíveis, geralmente ela não é necessária.
Além de gerar suspeitas sobre o conteúdo, ainda exige um programa
adicional só para visualizar. Formatos mais “populares” como o .zip
ainda são extraídos automaticamente e tratados nativamente pela maioria
dos sistemas, então devem ser priorizados. Se você usa o Dropbox, ainda
é possível mandar um link para a pessoa baixar – o que não ocupa nem
espaço no email.

O tempo passa e as tecnologias avançam — vamos usar isso a nosso favor.

YNAB: você precisa de um orçamento

Faz algum tempo que me interesso pelo assunto de finanças pessoas e,
claro, procuro usar a tecnologia para me ajudar nesse assunto. Mas
percebi que existe algo errado com a grande maioria das aplicações sobre
o tema. E é um erro de concepção.

Digamos que você tenha R$ 1000 na sua conta bancária. O jeito que a
maioria dos softwares trabalha é simplesmente usar esse valor como
disponível. E percebo que muitas pessoas pensam assim. Se tenho R$1000,
posso comprar amanhã uma geladeira de R$800, certo? Ainda me sobram
R$200. E então, no fim do mês, quando o aluguel de R$600 chega, você
está em problemas.

Esse é o problema de mentalidade. O seu saldo da conta corrente tem na
verdade pouca relação com quanto você tem. O seu “saldo” real na verdade
tem muitos fatores: quanto você tem no banco, quanto você tem em
dinheiro vivo, quantas dívidas você tem, quais pagamentos você vai ter
de fazer no mês. E um software que me ajude a gerenciar finanças deve
ser o inteligente para me dizer: “olhe, você tem R$1000 na conta e
R$200 na carteira, mas você tem de pagar o aluguel de R$600 no fim do
mês, gasta mais ou menos R$300 com alimentação e R200 de transporte,
então só pode gastar R$100 com o resto!”. Percebam a matemática. Não
basta saber quanto eu tenho em uma conta, é preciso atualizar meus
créditos e débitos em tempo real.

Há alguns meses, conheci um aplicativo assim, e chama-se You Need a
Budget
, ou YNAB, e é um software que alterou completamente minha
maneira de gerenciar finanças.

Um software de método

Por trás desse app existe um método de quatro regras:

  1. Dê a cada centavo uma tarefa. Defina orçamentos para aluguel,
    gasolina, comida, roupas, jantares, cinema, poupança. Você deve
    distribuir toda sua renda.
  2. Guarde para dias chuvosos. A cada mês, guarde um pouco para gastos
    imprevisíveis como manutenção do carro ou da casa ou gastos maiores
    como viagens, Natal etc
  3. Adapte-se. Se num mês você gastou mais que o esperado em gasolina,
    diminua seu orçamento em outras áreas. Comprometa-se a sair menos
    para jantar ou comprar menos roupas – mas registre essa decisão.
  4. Viva dos ganhos do mês anterior. Se estamos em outubro, você deve
    estar vivendo do que ganhou em agosto; da mesma forma, a sua renda
    para novembro já deveria estar garantida.

Se você tem grande habiliade com planilhas como Excel ou Numbers, a
rigor poderia até implementar essas regras nesse tipo de software. Mas a
companhia por trás do método criou programas para Mac e Windows (com
aplicativos auxiliares para iOS e Android) que implementam isso da
maneira mais rigorosa.

Como funciona? Primeiramente, quando você inicia, cadastra uma conta:

Cadastro de contas no YNAB

Cadastro de contas no YNAB

O YNAB diferencia entre “contas” e “orçamento”. Quando você cria uma
conta, o valor que você tem nela inicialmente fica “disponível para
orçamento”.

Orçamentos no YNAB

Orçamentos no YNAB

Perceba que já delimitei algumas categorias bem básicas. Você pode
adicionar quantas contas quiser. Talvez você tenha mais de uma conta
corrente. Também deve adicionar uma conta de “Carteira” para seu
dinheiro vivo, uma conta de cartão de crédito para cada cartão que você
tem.

Para nosso exemplo, adicionei uma conta “Carteira” com R\$ 200 de
crédito inicial.

Depois de cadastar suas contas, é hora de delimitar orçamentos para suas
categorias. Isso é a regra número 1.

Orçamentos com categorias

Orçamentos com categorias

Aí você começa a ver o que acontece. Nosso saldo total nas duas contas é
de R$1200, mas só temos R$200 disponíveis. Isso porque sabemos que
vamos ter gastos no futuro, então aqueles R$ 1200 não têm muito valor!

Vamos agora complicar as coisas, adicione uma conta de cartão de crédito
com um débito inicial.

Cartão de crédito

Cartão de crédito

Você agora já tem um gasto programado, e não tem nenhum valor reservado
para aquilo, por isso o YNAB exibe o valor em vermelho, como um alerta.

Para cadastrar uma transação, escolha uma conta e clique em Add a new
transaction
:

Transação

Transação

O seu orçamento agora fica atualizado (note a coluna do meio).

Orçamento após Transação

Orçamento após Transação

Porém, veja que isso não afeta o seu valor disponível para orçamento,
porque você já tinha separado um montante para aluguel. Porém, se você
gasta mais que o planejado em uma categoria, o YNAB exibe o valor em
vermelho e debita a diferença no valor disponível, que pode ser até
negativo. Nesse caso, você separou mais dinheiro que o disponível nas
suas contas, e precisa então reservar menos para algumas categorias
(isso é a regra 3).

Não quero aqui ensinar o leitor a usar o software, mas espero que tenham
percebido o valor dessa aplicação. O software serve a você, monitorando
muitas variáveis e impedindo que você gaste mais do que o disponível. No
site do app existem muitos vídeos e informação, incluindo como
implementar a regra 4. Quero apenas mostrar como esse app é diferente e
como ele ajuda a ter uma mentalidade mais racional com dinheiro. O
grande truque é esse, quanto você tem no banco é diferente de quanto
você pode efetivamente gastar.

Postos avançados no seu smartphone

YNAB é para ser operado no seu desktop. Inserir contas e definir
orçamentos são tarefas que só podem ser executadas no seu computador. O
pessoal que faz o app deve ter pensado que um usuário de YNAB usaria seu
smartphone para duas coisas principais:

  1. Consultar o orçamento disponível para alguma área (“queria comprar
    esse livro, será que separei algum dinheiro para comprar livros
    nesse mês?”)
  2. Registrar gastos

De fato, esse deve ser o padrão de uso de muita gente. Eu entendo essa
mentalide; ainda assim, gosto de ter apps completas no iPhone. A versão
do YNAB para smartphones é grátis e sincroniza por Dropbox com seu
orçamento criado no computador. Ou seja, não é uma versão do YNAB, é um
app auxiliar, um posto avançado no seu smartphone.

YNAB no iPhone

YNAB no iPhone

O que falta

Uma licença de usuário do YNAB custa $60 por usuário (pode ser usado em
quantos computadores a pessoa quiser) e, francamente, já vale para mim
muito mais que isso. É um dos meus apps preferidos, é extremamente
útil, bem projetado e tem tido impacto muito positivo nas minhas
finanças. Um exemplo prático: em abril, eu me dei conta de que em julho
teria de pagar os impostos do meu carro. Eu consultei no Detran os
valores devidos e quando deveria pagar cada cota. Defini então
orçamentos mensais para cada gasto; como o valor total foi diluído por
meses, não teve tanto impacto no meu orçamento normal e, quando chegou a
data, eu já estava com os valores todos “separados” (o dinheiro
continuava no banco, mas eu havia separado virtualmente com ajuda do
YNAB). É bem diferente de chegar julho e eu pensar “caramba, tenho de
pagar uma fortuna em IPVA!”.

O app tem mais alguns detalhes que não mencionei. O leitor atento deve
ter percebido que podemos cadastrar contas dentro e fora do
orçamento. As contas fora do orçamento são aquelas cujas transações não
afetam o orçamento. Eu uso essas contas para investimentos. YNAB é
inteligente para perceber que transferências entre contas dentro do
orçamento não são gastos; você sacar algum dinheiro da sua conta
corrente não é um débito e não afeta sua capacidade de gastar. Porém,
quando você transfere para alguma conta fora do orçamento (como uma
caderneta de poupança), isso é um gasto, e precisa ser alocado a alguma
categoria. A ideia é que, quando você separa esse dinheiro,
compromete-se a não gastá-lo.

Na hora de cadastrar transações, é possível cadastrar os credores, e o
software lembra os já usados. Isso, combinado com o recurso de gerar
relatórios, permite a você gerar dados muito interessantes: em quais
lojas você gasta mais, por exemplo. Com relatórios, é possível também
saber quais são as categorias mais críticas, em quais meses do ano a
situação é mais apertada etc.

De tanto que eu gosto, gostaria de ver alguns melhoramentos. Por
exemplo, na parte de investimentos, gostaria de ver algo mais avançado,
como a possibilidade de inserir taxas de rendimento. Gostaria de ver
mais automação, como atalhos de teclado. Mas são apenas detalhes. YNAB é
ótimo.

FaceTime e o que realmente importa

Recentemente minha irmã fez aniversário. Normalmente, eu daria um beijo
nela pela manhã e jantaria com ela e nossos pais pela noite. Acontece
que esse ano não é normal, e ela está estudando na França, e eu não
posso fazer o que normalmente faria.

Eu tentei usar o Skype, mas não deu certo. Então resolvi testar esse
app, FaceTime, para fazer chamadas de áudio e vídeo pela internet. E o
detalhe: é um app nativo da Apple, e tem também para OS X, o sistema
operacional da Apple e que eu uso.

Então foi assim: eu, sentado na minha mesa, confortavelmente, usando um
app que veio com o meu computador, e ela, pegando um trem para ir para a
aula, com o iPhone dela, com 3G padrão europeu. Não foi preciso instalar
nada, nem configurar, nem adicionar nenhum contato. Eu já tinha o número
dela no meu iPhone, os contatos são sincronizados pelo iCloud com meu
computador, e só precisei buscar pelo nome dela. E nós conversamos (com
vídeo) enquanto ela tomava o trem. E eu pude dar os parabéns a ela.

Vejam, quando falo de tecnologia neste blog, é sobre isso que quero
falar. Quando as pessoas me vêem com um MacBook, um iPhone e um iPad,
fazem piadas, me chamam de Apple-boy ou Mac-fag, dizem que eu sou
riquinho filhinho de papai (porque claro, no Brasil chamar alguém de
rico é ofensa). Eu não sei exatamente o que essas pessoas tem a ver com
isso, mas foi esse conjunto de ferramentas que eu pude dar parabéns à
minha irmã, no aniversário dela, não gastando nada a não ser um pouco
dos dados de pacote de 3G dela. Usar produtos Apple tem seu preço, mas
tem suas vantagens. A integração entre os produtos é fantástica. Ao
contrário do que a maioria das pessoas pensam, eu não uso a tríade
iPhone-iPad-Mac para parecer cool. Eu tento ser produtivo ao máximo
com esses gadgets.

Poderia ser feito de outra forma? Claro que sim. Se eu tivesse um
computador rodando Linux (como eu já tive durante muito tempo) e minha
irmã tivesse um Android, ou poderia no mínimo comprar créditos em VoIP
(mais baratos que telefone normal) e telefonar para ela. Ou por Skype,
ou por Google Hangout, o que seja. Não estou dizendo para você comprar
um iPhone. Estou dizendo que para você abraçar a tecnologia como
resolvedora de problemas.

A cor do meu telefone? É um detalhe. As animações do OS X? Detalhes. Os
ícones 2D do iOS 7? Detalhes. Eu poder conversar por vídeo com minha
irmã no aniversário dela usando apps já instalados? O que realmente
importa.

Vamos construir uma Web diferente? | Vladimir Campos

Vladimir Campos:

No App.Net (ADN) as regras são outras e bem diferentes. A partir do
momento que a rede não é 100% gratuita, a receita não vem de
publicidade. Isso garante que as coisas são muito mais claras. É preto
no branco! Tudo que eu publico por lá, você que me segue, verá.
Simples assim!

Além disso a rede foca na criatividade do desenvolvedor. Você não
encontrará por lá um mundo construído como no Facebook, Google+ e
Twitter. Quem constrói a rede são os desenvolvedores. Eles criam
blocos como numa construção feita com Legos que tomam como base algo
sistematizado pela equipe do ADN. Todos esses blocos estão em um
diretório de aplicativos
. Com um mesmo log-in e senha você tem
acesso qualquer um deles.

Vladimir Campos já se tornou meu escritor favorito de tecnologia e esse
post é uma das melhores leituras da semana. Estamos nos acostumando a
usar a Web de graça e em troca receber uma enxurrada de anúncios. Dito
de outro forma, em 2013, estamos dizendo “amém” a um modelo de negócios
praticado há meio século pelos canais de TV.

É difícil, mas acho sim que podemos construir uma Web melhor. A minha
conta do Instagram, por exemplo, já foi deletada, por cansar de ver
fotos das meninas me mostrando o esmalte da semana e dos meninos
mostrando a cerveja do dia. Que valor tem isso? A minha conta no
Facebook já está pronta para o fim,  e a o do Twitter não deve aguentar
muito. Está ficando muito cansativo filtrar a quantidade de porcaria que
existe nessas redes.

Eu já tinha testado o App.net, desisti, e depois desse texto,
voltei. Agora estou explorando, com calma, as possibilidades. Ainda
é cedo para eu chegar a alguma conclusão. Assim, enquanto espera, vá ler
o texto do Vladimir.

Learning To Love Photo Management

Eu não gosto de tirar fotos, embora goste de ter recordações, mas eu
absolutamente detesto organizar fotografias. O iPhone simplificou e ao
mesmo complicou isso: eu não preciso mais de uma câmera digital, mas ao
mesmo tempo como diabos eu tiro as fotos dali? E se eu passar para o meu
computador, como posso mostrá-las para alguém quando não estou com ele
por perto?

Bradley Chambers lançou esse livro chamado Learning To Love Photo
Management
 que trata dessas questões. Eu ainda estou lendo, mas
baseado numa leitura rápida já deu de ver que valeu a pena. Chambers
criou um método de organização e compartilhamento usando o mínimo de
ferramentas.

Esse livro também representa uma categoria que acho muito interessante:
livros práticos, curtos, cheios de informações valiosas, distribuídos
facilmente pelo iBooks e baratos.

Begin

Ben Brooks:

The bookkeeper at my company used to (she is now retired) have this
routine — it was something like this:

  • Sit down at her desk with coffee in hand.
  • Grab a stack of recycled paper bits that are about 2/3 the size of
    a full page of paper — all unlined — held together with a binder
    clip.
  • With her half-chewed Bic in hand she would then proceed to write
    down her todos for the day.

Quando você mergulha no mundo da produtividade, é fácil se enrolar no
mar de apps que prometem fazer suas tarefas por você. Brooks ajudou a
produzir um app que tenta simplificar ao máximo o gerenciamento de
pendências – ou você seleciona algo para fazer hoje, ou deixa para
amanhã.

Eu não estou interessado em testar mais um app, mas sempre gosto
quando alguém diz que é a tecnologia que deve nos servir, e não o
contrário.

Por que o Rdio é a melhor maneira de escutar músicas

Estou aqui, escrevendo no meu diário, fazendo um completo
descarregamento das ideias na minha cabeça, e estou escutando o
Rdio. Especificamente, escutando a rádio personalizada do Tulio
Jarocki
 (que escrevia um blog muito bom e parece que infelizmente
parou). Muita música boa, de muitos artistas que eu não conheço, e tudo
que fiz para descobrir essa gente foi procurar meus amigos e apertar um
“play”. Não tive de procurar nada. Eu simplesmente já seguia o Tulio no
Twitter, puxei os contatos no Rdio e estou escutando várias rádios. E
estou pensando no quanto adoro esse serviço.

Eu cresci em meio ao Napster, e em meio à cultura de que, se um arquivo
.mp3 está na rede, qual o problema em escutá-lo? Não fui eu que
coloquei-o lá! E, além disso, se todo mundo está fazendo isso, por que
eu vou pagar por um CD? Otário é a gíria que eu ouvia quando
adolescente, aparentemente em desuso.

Vamos ser diretos: esse tipo de pensamento é pirataria da mais pura e eu
me envergonho de ter passado por isso. Eu não faço mais isso, e recuso a
ajudar pessoas quando eles me pedem para “baixar o CD da novela”. Eu
compro minha música, e, se eu não tenho dinheiro, eu espero até ter.
Complicado, não? Eu li as biografias de gente como Eric Clapton e Paul
McCartney e eles tinham essa mania, de trabalhar ou pedir dinheiro para
os pais para conseguir comprar os discos. E bem, eles são Clapton e
McCartney.

Eu comprei alguns álbuns e singles na iTunes Store e, se querem saber,
acho barato. O mais caro que já paguei por uma única música foi 2
dólares, ou 5 reais. Um lanche assado (geralmente queimado) nas
lanchonetes da UFSC custa 3. Dois dólares, incluindo o trabalho de
produção da música, a propriedade intelectual do artista e os custo de
download é bem justo, na minha opinião. E eles são exceção. A grande
maioria custa um dólar.

Ultimamente, no entanto, tenho consumido música de uma forma diferente.
Eu não compro mais a música em si, mas o direito de escutá-la. Com o
Rdio, você paga uma taxa e tem acesso a todo o catálogo. O problema é
que, quando se deixa de pagar, você não fica com nenhuma música.
Lembre-se você não comprou nada.

Esse tipo de pensamento provoca revolta em algumas pessoas, pois parece
roubo. Como pude pagar tanto tempo e agora não ganho nada? É preciso
ajustar essa mentalidade. Nós estávamos pagando pelo serviço de
escutar músicas. É como pagar academia: você pode pagar por dez anos e
mesmo assim não vai sair de lá com uma esteira, quando deixar de ser
cliente.

O Rdio se adequa a pessoas que, como eu, tem gosto muito variávies. Em
um mês só ouço Paul McCartney e Queen, no outro só escuto pop brasileiro
tipo Skank e Capital Inicial. No seguinte escuto um samba de raiz, no
outro vicio no último álbum de John Mayer. O Rdio me permite essa
alternância, sem ter de comprar todos esses álbuns. Muitas daqueles
singles que comprei na iTunes e dos CDS que ganhei quando adolescente
estão parados, sem ser ouvidos. Ter a posse deles não tem muita
utilidade prática, para mim.

E, como falei, temos o aspecto social, e o Rdio, na minha opinião faz
isso da maneira certa. Sendo um serviço pago, eles não te forçam a
compartilhar o que você está ouvindo a toda hora (deixando-me livre para
escutar Kid Abelha sem vergonha); mas é fácil, se você quiser. E a
integração com o Twitter (e Facebook) significa que eu, se quiser, posso
escutar o que meus amigos estão escutando. Sem ninguém forçar.

Deixei de pagar e usar o Netflix há algum tempo por achar que o catálogo
deixa a desejar. O Rdio, ao contrário, está sempre com o catálogo
atualizado (apesar de não haver nenhum disco dos Beatles, AC/DC, Led
Zeppelin etc, provavelmente por serem de direitos autorais mais
complicados) e o serviço está cada vez melhor.

Você pode escutar as músicas por streaming no seu navegador e com
programas para OS X e Windows, e pode sincronizar com seu smartphone e
escutar em modo offline. Experimente (e me siga, se quiser).

Como a tecnologia ajuda

Deixe eu contar aos leitores uma pequena história.

Quando eu estava na Alemanha, trabalhando em um instituto de pesquisa em
Refrigeração, um certo dia meu chefe me pediu ajuda para carregar um
refrigerador para fora do prédio. Um caminhão o levaria de volta à
fábrica, depois de ser testado em laboratório. O refrigerador era pesado
e alto, o que fez com precisássemos sustentar o seu peso inclinado, e o
nosso instituto tinhas muitos corredores. Nós (e não éramos apenas eu e
meu chefe) suamos para conseguir levar para fora.

Quando chegamos lá, o motorista do caminhão posicionou os braços de um
robô embaixo do refrigerados, apertou um botão, e o robô tirou o
aparelho do chão e o posicionou no lugar certo. O motorista não suou
nada e provavelmente riu da nossa cara de cansaço. A cena toda durou
meia hora (a parte do robô durou uns 30 segundos) e aconteceu em 2011.
Ainda assim, ela não sai da memória, como um perfeito lembrete do papel
da tecnologia do mundo.

Acostumamo-nos a falar da tecnologia de forma superlativa. Falamos de
como a tecnologia mata, dos milhões de dólares gastos em desenvolvimento
de armas, de como os engenheiros estão destruindo a natureza (apesar de,
na formatura, jurarmos defendê-la), dos milhares de desempregados
produzidos pela industrialização.

Ou então falamos das maravilhas do mundo moderno, de processadores
várias ordens de grandeza mais rápidos que os de uma década atrás, da
mágica da computação gráfica que vemos no cinema, de como viagens aéreas
se tornaram banais, de como trocamos mensagens instantâneas com alguém
em outro país.

O que não vejo ninguém falar é de como a tecnologia nos ajuda no dia a
dia. Ninguém se lembra da equipe de engenheiros e designers que criou um
simples dispositivo que levanta cargas, e ainda assim eles resolveram
um problema
. Ou quando falamos da “tecnologia” como muitas pessoas as
vêem – como apps, carros, filmes – é sempre com uma lista de features
e adjetivos que as propagandas nos empurram: é mágico, é incrível, é de
última geração, é de design italiano. É ótimo, mas isso faz o quê?

Nem luxo nem lixo

Os smartphones estão sempre em voga e por isso não posso deixar de
usá-los como exemplo. Quando vejo alguém discutir a compra de
smartphone, eu vejo 3 conclusões principais:

  1. Eu quero o mais barato, porque celular é para falar
  2. Eu quero um iPhone, porque todos os outros são uma bosta
  3. Eu quero um Galaxy, porque Apple é muito coisa de filhinho de papai

Se você não se interessa por tecnologia, ou não tem dinheiro, ou
realmente só quer um telefone, não vejo porque não comprar um mais
barato. Mas um smartphone não necessariamente é um luxo supérfluo; ele
permite a você tirar fotos e imediatamente mandar para alguém
(melhorando as comunicações), poder responder um email ou ler um livro
na fila do supermercado, ter todo o mapa detalhado de um país no seu
bolso etc. Se você tem dinheiro disponível, compre um, mas não faça a
sua escolha de maneira leviana; deixe a briga Apple-Samsung para os
tribunais. Veja as especificações de cada aparelho, a oferta de
aplicativos, o design que mais lhe agrada. Imagine como ele vai lhe
ajudar.

De que adianta uma tela retina, com resolução infinita, em um tablet
usado para acessar o Facebook?

E aquela geladeira nova, é um completo desperdício de dinheiro? Ou a sua
atual não está gastando tanta energia que a compra na verdade vai ser
uma economia?

E aquela máquina de lavar que tem secadora embutida? Bem, ela é bem mais
cara que todas as outras, mas você lava a roupa de toda a sua família e
está gastanto mais tempo fazendo isso que vivendo a sua vida.

Isso é o que penso da tecnologia. Nem luxo e nem lixo, mas com um
propósito.

E você, leitor? Como a tecnologia ajuda no cotidiano?

WhatsApp e a transformação de produtos em serviços

Na semana passada, o WhatsApp tomou um passo que eu estava esperando
há muito tempo: passou a cobrar novos usuários por ano, e não mais uma
vez por aplicativo vendido (já era assim no Android e passa a ser assim
também para o iPhone). Ou seja, o WhatsApp, um dos meus aplicativos
favoritos, não é mais um aplicativo; é um serviço.

Por que fazer isso? Ben Thompson resumiu, ao dar o exemplo do
Paper:

The problem for Paper is the same for all productivity apps in the App
Store: there is no way to monetize your existing users.

O mercado de vendas é naturalmente instável. Uns mês se vende mais, nos
outros menos, e posso imaginar a dificuldade que é para um negócio
baseado em vendas manter o fluxo de caixa. Entretanto, o mercado de apps
tem particularidades, baseadas no fato de que usuários geram receita de
maneira discreta e gastos de maneira contínua
. Uma vez que alguém
compra um aplicativo, essa pessoa nunca mais vai dar dinheiro para a
empresa (já que um aplicativo não estraga, e portanto não precisa ser
substituído) e vai continuar exigindo que seus emails sejam respondidos
e que os bugs sejam consertados.

Por exemplo, quando você compra um carro, continua dando dinheiro para a
concessionária com revisões, acessórios etc. A cada vez que você quer
que algo seja melhorado, tem de pagar. Combinado com os altos preços,
isso mantém o mercado de carros — e de computadores, de
eletrodomésticos, …

Numa outra categoria, existem aqueles produtos que são gastos numa
escala relativamente rápidas: comida, roupas, materiais de escritório.
Num determinado instante de tempo, alguém há de precisar disso. É
fácil manter o fluxo de consumo.

Quando alguém comprava o WhatsApp, dava um dólar para os desenvolvedores
(na verdade menos, tirando a fatia da Apple), e ficava usando os
servidores indefinidamente para trocar mensagens. E os próprios
criadores, que vieram do Yahoo, já deixaram claro que não querem
usar anúncios para gerar receita. É claro que esse negócio não era
sustentável.

Pagar pelo direito de usar

Ultimamente serviços que cobram taxas periódicas por acesso ao serviço
(e não apenas por produto vendido) vêm crescendo; são os serviços de
assinatura, ou subscription-based. O caso típico é o Netflix: você
paga uma taxa mensal e vê quantos filmes quiser (mas apenas enquanto
pagar). Você não possui mais nenhum filme, e sim o direito de assitir
ao catálogo. Na música, temos o Rdio; para audiobooks, Audible.

O mercado de apps também tem visto essa tendência. Veja o Nozbe, um
sistema GTD na nuvem. E como Thomson colocou, temos o Office e a
Adobe que transformaram seus produtos em serviços. Você paga
continuamente pela comodidade de ter seus dados sempre disponíveis. E
agora o Whatsapp fez o mesmo.

É simples. As empresas mantém toda uma infraestrutura, armazenamento,
streaming, aplicativos de acesso, e você continua pagando enquanto usar
os recursos.

Nem todo programa precisa fazer essa transição (caso contrário veríamos
pedidos de falência diariamente). Alguns apps simplesmente não fazem
sentido como um serviço, ou o fluxo de caixa é suficiente para sustentar
uma equipe pequena (digamos que o produto seja muito bom e novos
usuários continuam o descobrindo). Mas acho que não seria exagero que
nos preparemos para mais exemplos desse tipo.