Categorias
Notas do autor

Por que não vou escrever sobre as manifestações

Há uma cena no filme “E aí, comeu?”, que é ótima. Afonsinho, o
mulherengo viciado em puteiro e metido a intelectual, quer publicar um
livro na editora do tio. Diante da falta de qualidade da obra, o tio
adverte:

“Você pode até publicar, dinheiro para fazer isso a sua família tem. O
problema é que, quando você publica um livro, ele se torna público”.

Eu sou um estudante de mestrado em engenharia. Eu leio livros, vejo
filmes e escuto músicas. Eu vivo no mundo e observo o que acontece. Para
muitos desses assuntos eu tenho uma opinião, e a melhor maneira de
clerear os meus pensamentos é escrevê-los. Às vezes, surge um texto
que acho que vale a pena ser compartilhado, porque talvez outra pessoa
tenha tido a mesma reflexão que eu tive e gostaria de ler a opinião de
outra pessoa. Mas se for para criticar algo, que seja com
responsabilidade; minha proridade é contribuir com o debate positivo
de ideias.

Na semana passada, tivemos uma greve dos trabalhadores do transporte
coletivo aqui em Florianópolis. Eu cheguei a escrever um texto bastante
crítico que eu planejava publicar hoje. Porém, logo em seguida
explodiram as manifestações pela Tarifa Zero em São Paulo (e logo em
seguida em outras cidades). Esses dois acontecimentos (bastante
distintos, mas ambos relacionados com o problema do transporte público
no Brasil), provocaram uma avalanche de pensamentos em mim. Eu passei o
fim de semana pensando se deveria ou não usar FabioFortkamp.com para
publicar algo sobre isso, ou se deveria continuar com minha intenção de
criticar a greve. Fiquei pensando se quero usar este blog como espaço de
discussão de política.

E a resposta é: não, não quero que FabioFortkamp.com se transforme
num blog sobre política.

O que eu, um mero estudante de Florianópolis, posso escrever que
acrescente às muitas discussões já existentes contra ou a favor das
manifestações? Algumas pessoas com que com conversei têm opiniões das
mais diversas, mas não tem ideia do que afinal se está reinvindicando, e
quer apenas fazer barulho. Outro grupo, mais reduzido (e composto pelos
meus amigos mais inteligentes) tem posições definidas e argumentam com
racionalidade. Pois bem: o primeiro grupo pode ser influenciado por mim,
mas será que quero influenciar alguém que sequer lê jornal? O segundo
grupo de pessoas tem opiniões formadas com base em argumentos muito
melhores que aqueles que posso escrever, então sobre esses eu não tenho
nenhum poder. Vou escrever para quê, então?

O que está acontecendo no Brasil é grande, e, independente da minha
opinião, torço muito para que o Brasil melhore com esse movimento (e que
a polícia não aja com tanta violência nos próximos atos.)

Existem pessoas que estão lá no meio do protesto, lutando por uma causa,
e pessoas que se sentem prejudicadas pelas ruas bloqueadas. Existem
jornalistas feridos e jornalistas que defendem a ação da polícia.
Existem os grandes jornais e revistas e os sites independentes. Esses
grupos tem mais embasamento para discutir essa questão que eu; tiveram
contato com o protesto, têm mais disposição para pesquisar sobre o
assunto e têm mais coragem para tornar públicos suas opiniões e relatos.
É a essas pessoas que vou recorrer quando quiser me manter informado, e
recomendo aos meus leitores que façam o mesmo.

E, se você concordar com as manifestações (depois de se informar com
responsabilidade), participe.

Categorias
Links

Como Usar um Computador

Alex Payne publicou em 2008 um texto excelente sobre o que ele chama
de computing happiness, o que eu traduzo como “felicidade na
computação”. O título pode parecer estranho, já que o pensamento usual é
associar a felicidade a momentos em que estamos longe do computador:
lendo um livro, viajando com a pessoa amada, curtindo com os amigos,
passeando com a família. Concordo com tudo isso, mas, a partir do
momento em que admitimos que precisamos usar um computador, seja como
ferramenta de trabalho e seja como facilitador da nossa vida pessoal, é
melhor que o façamos de uma maneira que seja a mais agradável possível.
É quando “essa merda desse computador não para de travar” se torna menos
frequente que “esse programa é muito bom, como eu só descobri ele
agora?”. Você incorpora o uso mais consciente do computador (um
conceito que se tornou fundamental na minha filosofia de vida) na sua
rotina e fica alegre com isso. O que deveria ser um trabalho acabando se
tornando uma atividade que você faria normalmente, porque você descobriu
programas ou técnicas que facilitam muito a tarefa em mão. Imagino que
seja isso que ele quis dizer com happiness.

O texto é simples e curto mas, sem exagero, é um dos mais marcantes que
li. Desde que tive contato com ele (no começo desse ano), passei a
questionar cada vez mais o meu uso do computador. O que estou fazendo é
necessário? E se é, estou fazendo da melhor maneira possível?

Recomendo fortemente que você leia essa lista e reflita sobre o assunto.
Aqui, agrupei os itens nas suas principais ideias, e dou a minha opinião
sobre as mesmas.

Use o software e o hardware certos para cada tarefa, e não mais que isso

Essa é a ideia central do texto. Você não precisa de milhares de apps e
programas, e os que você precisa, você deve usar para a coisa certa. O
seu browser não é o seu sistema operacional; ele serve para acessar
páginas na Web e alguns web apps. Vejo muita gente com o Chrome ou o
Firefox com mil extensões, que prometem fazer tudo, e fico me
perguntando se essas pessoas sabem que existem outros programas, mais
apropriados para cada tarefa.

E tem aquele programa que é a peça de software que eu mais odeio no
mundo, e que você provavelmente adora, que é o Word. Se você tem de
escrever um documento composto apenas de texto, com formatação básica, e
poucas figuras (três é o limite para manter a sanidade mental), ótimo.
Se você tem de colocar figuras com legendas, referências bibliográficas,
equações, e fez isso no Word… eu sinto muito pelos meses da sua vida
que você perdeu reabrindo o Word depois de ele travar, para logo em
seguida ter de rearrumar todas as figuras e suas legendas.

Na mesma linha, você não precisa de um super computador para ver o
Facebook e escutar músicas. Atualmente, laptops já estão bem mais
poderosos e ainda tem o adicional da portabilidade. E como já falei,
não tente usar o seu smartphone para tudo, porque ele existe para
complementar o seu computador tradicional.

Você também não precisa de milhares de periféricos. Um monitor grande,
para ficar mais confortável, um bom conjunto de teclado e mouse, e um HD
para backups. Se for comprar algo diferente, pense bem se realmente
precisa (como aquele leitor de digitais que é super importante porque
você trabalha no meio de agentes secretos).

Use Mac no seu computador e Linux para servidores

Embora eu concorde, reconheço que é muito dependente do gosto pessoal.
Eu já usei Windows, já usei Linux (no desktop) e uso um Mac, e pela
minha experiência, essa é a ordem de usabilidade, do pior para o melhor.

Tenho certeza absoluta que a grande maioria das pessoas usa Windows por
comodismo. Foi o sistema que elas sempre usaram, já estava instalado
quando compraram o computador e o Office funciona (pirateado, com
certeza). É exatamente essa a estratégia da Microsoft, licenciar para um
grande número de fabricantes de hardware de maneira a dominar o mercado.
E essa é também a maior fonte de problemas: a grande diversificação
produziu computadores ruins, com configurações levemente acima das
mínimas e milhares de programas inúteis pré-instalados. Com isso o
sistema se torna pesado, trava, demora décadas para inicializar.

Já tive minha fase de experimentar com algumas distribuições Linux. É
ótimo: existe uma comunidade ativa de usuários, que adora resolver
problemas; existem uma infinidade de opções de sistemas e programas; e é
quase tudo de graça não porque as pessoas não querem pagar, mas
porque os programas são abertos e todos podem modificá-lo (o pagamento é
o tempo e a disposição de contribuir com o código do programa). Por que
eu não uso mais? Quando voltei para o Windows, estava precisando de
alguns programas específicos (estava no fim da faculdade). Agora, com
toda a sinceridade, tenho certeza que, se eu tiver a disposição, eu
migro do Mac para o Linux de novo. É só uma questão de me acostumar com
novos programas. Talvez eu faça isso.

O que me atrai no Mac? Eu comprei um porque queria testar. E o sistema é
rápido, quase não trava, e o hardware é otimizado para aquele software
(já que a Apple fabrica os dois componentes). Sem contar a opção de
excelentes aplicativos, num mercado de softwares muito vibrante. E
claro, ainda há a integração com iPhones e iPads.

No servidor, não há disputa. Tarefas que exigem grande volume de
configurações precisam da versatilidade de um sistema aberto como o
Linux.

Minha sugestão? Se você está satisfeito com o Windows, ótimo. Se não,
tente identificar os pontos que incomodam e teste os os outros sistemas.
Só assim você pode ter uma opinião formada.

Use softwares que você domina e, se necessário, pague para eles.

Como falei acima, se você tem de usar um software que não é livre (i.e.
um software fechado, que apenas os proprietários podem modificar), deve
pagar por ele (para ajudar a sustentá-lo).
Ao mesmo tempo, pagar por algo que você não conhece é arriscado. A
grande maioria dos softwares (pelo menos aqueles que vale a pena usar)
tem versões demo; use, teste, veja se ele vai acrescentar. O tempo de um
mês da maioria dos demos é suficiente. Se gostar, pague, já que ele vai
realmente acrescentar na sua vida. É melhor que uma calça que você tem
de decidir depois de provar num provador apertado, com o vendedor
dizendo que ela ficou ótima em você.

Quando você decidir comprar e usar o software, ótimo. Agora honre seu
tempo e domine-o. Não seja um analfabeto digital. Explore o máximo,
arrisque, pesquise, seja aquela pessoa para quem todos vão perguntar
“como eu faço isso nesse programa?”.

Use formatos abertos

Muitos programas guardam os dados num formato proprietário, que apenas
aquele programa consegue abrir. Evite isso. Depois, se aparecer alguma
alternativa melhor, você tem de continuar usando só porque todos os seus
arquivos estão naquele formato. É como fotos: elas estão em formatos
padronizados, .jpg, .png etc. Você usa então programas que modificam
esses formatos, ou que organizam as fotos de uma ou outra determinada
maneira. Quando você quiser trocar de programa, as fotos estão mantidas.

O formato mais simples possível é o texto puro, plain text do inglês.
É o que se cria em editores de texto (não processadores) como o Bloco de
Notas (no Windows), TextEdit (no Mac), Notepad++, TextMate, vim, Emacs,
Sublime Text, Byword (onde este texto está sendo escrito). Os programas
se diferenciam então pelo que eles podem fazer com o texto: reconhecer
linguagens de programação, executar comandos avançados de editar
múltiplas linhas, substituir múltiplas ocorrências de uma palavra por
outra, criar macros que transformam o texto (tornando maíscula todas as
iniciais, por exemplo), exportar para formatos de publicação como HTML
ou PDF. Mas por baixo disso está o confiável .txt. Se eu quiser trocar
de programa ou mesmo de computador o arquivo está lá, intacto.

Enquanto isso, você está usando o Word 97, e não consegue abrir aquele
maldito .docx que o seu colega lhe enviou.

Conclusões

Você não precisa seguir essas regras, como Alex diz. O que você precisa
é entender qual o seu uso do computador e se questionar se algo precisa
mudar. E então trabalhar para fazer o computador uma ferramenta, e não
um empecilho ao seu trabalho.

Categorias
Artigos

Só valorizamos a história de amor quando ela vem acompanhada de sofrimento

Algo sempre me intrigou na música popular. O amor é com certeza o tema
mais frequente (e como falei na minha análise dos Beatles, tem gente
que praticamente só fala disso na sua carreira inteira) porém sempre com
uma visão: o amor sofrido. Algo do tipo “eu amo você, mas a sua família
não me aceita, ou somos de classes diferentes, ou somos de cores
diferentes, ou você só olha para ele, e por isso não podemos ficar
juntos. Mesmo assim eu vou escrever essa música sobre nós dois”. E essas
letras vêm acompanhadas de músicas lentas, em ritmo de balada leve, com
acordes menores, sombrios, fechados.

Aliás, quanto mais sombrio, melhor.

O amor dói. Quer dizer, o amor não correspondido e não realizado dói. Eu
entendo isso (quem nunca passou por algo assim?). E o músico, aquele
rapaz teoricamente mais sensível, quer pôr as mágoas para fora e usa a
música para esse exorcismo.

O que eu não posso aceitar é que isso se torne a regra, que celebremos
esse tipo de visão de amor, e que — tragédia — só valorizamos a
história de amor quando ela vem acompanhada de sofrimento
. E de repente
esse é o único tipo de amor que deve ser expresso.

Todas essa músicas são lindas, mas isso é o tipo de coisa que desvirtua
o que deveria ser o amor.

Amar é bom. É aquela sensação de que nenhum problema mais importa,
porque você sabe que tem alguém a seu lado, alguém que vai dizer que
tudo vai dar certo, que vai consolar quando preciso. É aquela sensação
de partilhar os momentos bons, de associar aquela viagem àquela
pessoa, de querer que ela esteja junto nas suas conquistas, de não
conseguir trabalhar por não parar de pensar nela. E por que não
estamos cantando sobre isso?

O que aconteceu com aquela história de “A conhece B na
aula/academia/festa, saem uma vez, duas vezes, três vezes, várias vezes,
apaixonam-se, começam a namorar, são felizes”? Por acaso esse tipo de
história é menos importante, só porque ninguém sofreu chorando?

O amor para mim é isso:

Acordes maiores, violão, acordeon, dá quase para dançar. Estava escrito
que eu ia lhe amar e eu vou lhe segurar por quanto tempo você quiser. Eu
amo você e a vida é bela. Now we’re talking.

Categorias
Artigos

A curta vida dos serviços da Web

escrevi que a nossa cultura de não pagar nada por software não se
sustenta. Destaquei dois pontos principais: programar é um trabalho como
outro qualquer, que merece remuneração; e a falta de incentivo
financeiro leva a softwares ruins e que são abandonados. Dois exemplos
no extremo oposto de espectro de preços, o Microsoft Office e o
Photoshop (sim, caro leitor brasileiro, tem gente que realmente compra
uma licença desses produtos) estão aí há décadas (curiosamente, pesquisa
na Wikipedia revela que os dois produtos foram lançados em 1990). Sei
que essa baixa quantidade de exemplos não é suficiente para provar meu
ponto, e existem muitos softwares caros que foram esquecidos. O preço
não é uma garantia, mas ajuda.

Coisa diferente ocorre na Web. Eu estava pronto para escrever que uma
das razões é a sua pouca idade, mas descobri que a rede mundial de
computadores (a tal WWW) foi lançada em 1991. Uma excelente base de
comparação, portanto. Desde então, vimos uma grande quantidade de
serviços surgirem: Geocities, Cadê?, Blogger, Altavista, MySpace, Orkut,
Zipmail, Fotolog, HPG, Delicious. Alguns desses sites ainda sobrevivem,
moribundos, mas eles não tem relevância alguma. E o que eles têm em
comum? Sim, o leitor pode me chamar de chato, mas todos sabemos: eles
eram grátis.

Como isso acontece? Maciej Ceglowski, que se cansou de ter serviços
abandonados e criou o Pinboard, um serviço pago de favoritos, deu a
dica
: para serviços grátis, mais usuários significa mais gastos. E de
onde vem a receita para cobri-los? Da santa provedora de toda a
internet: publicidade. Você usa o Gmail porque o Google exibe os
anúncios e vende o seu perfil de consumidor. Facebook, Instagram e
Twitter fazem o mesmo. E se os custos sobem demais, aumenta a presença
da publicidade (notou como a quantidade de posts patrocinados no
Facebook e no Twitter tem aumentado?). Até que tudo fica tão saturado
de propaganda que você se cansa e para de usar. Tudo isso já aconteceu e
vai acontecer de novo.

Claro, muita gente está ciente desse problema e lançando as suas
alternativas pagas (o Pinboard foi um exemplo). O App.net começou
como um clone pago do Twitter e está se tornando uma plataforma social
muito mais completa (já tem até armazenamento de arquivos
Dropbox-style); e o melhor de tudo é que, pelo serviço ser pago, o
número de usuários não pode explodir, então o sistema em tese pode ficar
num balanço financeiro permanente (e como eles esperaram ter um certo
número de usuários pagantes antes de lançarem, não tem de aumentar a
receita para cobrir os investimentos iniciais). Depois do fim do Google
Reader (quando a empresa simplesmente anunciou o fim do serviço,
provavelmente porque não está conseguindo sustentá-lo), estão surgindo
(ou se popularizando) alternativas como Fever, NewsBlur,
FeedWrangler. Talvez esses serviços não durem 20 anos, mas pagar por
eles é uma maneira de evitar que as coisas simplesmente caiam no
abandono ou sejam completamente desligadas (sem contar que serviços bem
administrados devem ser capazes de operar conforme o número de usuários,
ou seja, cada usuário paga o seu custo).

Portanto, queridos leitores, vamos ser usuários conscientes. Aproveite o
Facebook e o Gmail porque eles não devem durar muito. E saiba o preço
que você está pagando (a sua privacidade).

Como usual, muita gente inteligente, como Ben Brooks e Marco
Arment
, já escreveu sobre esse mesmo tema, de maneira muito superior.
Vale a pena também ler essa análise da necessidade de uma
alternativa ao Instagram e esse relato de um funcionário do Google
decepcionado com o futuro da empresa.

Categorias
Notas do autor

Primeira reforma em FabioFortkamp.com

Publiquei o primero texto no dia 13 de abril de 2013; vamos,
portanto, para três meses de blog, o que é simplesmente sensacional. A
você, que acompanha este site, muito obrigado.

Antes de começar, planejei muito. Li diversos outros blogs em busca de
dicas, li livros, pensei sobre o nome, o assunto, a plataforma. Chegou
uma hora em que simplesmente cansei e me registrei. O nome do blog é o
meu nome, os assuntos seriam os que me interessavam, a plataforma é a
ótima Squarespace.

O momento inicial já passou. O site já está funcionando, eu já descobri
os assuntos que mais me interessam (isso merece um post separado no
futuro) e a plataforma continua sendo ótima. É hora de fazer alguns
ajustes.

Estimulando a conversa

Existe muita opinião a favor de ter comentários (como essa) e muita
opinião contrária (como essa) a ter comentários no blog. Sem eles
você parece arrogante e com eles você corre o risco de ter spam e
desocupados gritando anonimamente “COMO VOCÊ PODE SER TÃO IMBECIL A
PONTO DE PENSAR ASSIM!!! SEU BURRO!!!!!”. É necessário também escolher o
sistema de comentários, configurá-lo etc. Como falei, quando lancei
resolvi pular essa parte.

Agora, pensei sobre o assunto e tenho pavor de ser percebido como
arrogante. Resolvi arriscar e anuncio que FabioFortkamp.com aceita
comentários
. Resolvi utilizar o sistema Disqus, que é praticamente
um padrão na web e é realmente muito bom. Você pode criar uma conta
(gratuita) e comentar em inúmeros blogs (e no site do Disqus você tem
acesso a todos os comentários, acompanha as respostas, vê estatísticas,
enfim, trata-se de uma plataforma completa de conversação). Pode também
usar seu login do Facebook, Twitter e Google. Ou pode ser anônimo. Sem
problemas.

Embaixo de cada post (a propósito, habilitei comentários em todos os
textos antigos, e o leitor está convidado a reler o que mais gostou e
comentar), existe também um botão de Share e um botão de Like (ainda
não consegui mudar o idioma, e espero que o leitor ou leitora não se
importe). O primeiro permite que você compartilhe pelo Facebook, Twitter
ou Google, e o segundo é apenas o sistema interno do Squarespace. Se
você gostar de algum texto e quiser compartilhá-lo (ou curti-lo),
obrigado desde já.

Por falar em redes sociais, no topo da página principal do blog, no
canto esquerdo, existem dois botões, com o link para o meu perfil no
Twitter
e outro para me mandar um email (meu perfil pessoal do
Facebook prefiro deixar reservado para meus amigos). Sinta-se à vontade
para falar comigo.

Em resumo: quero fazer de FabioFortkamp.com um espaço de conversa.
Se você gostar, comente. Se não gostar, pode me criticar. Tentarei
participar da conversa. Um aviso: você discordar de mim, dizer que eu
estou errado, linkar para um texto bem melhor que o meu é aceitável. Eu
não tenho mais 15 anos e sei receber críticas. O que eu não posso
aceitar é que você venha ao meu blog e me chame de burro, de imbecil,
me mande à pqp e diga para eu tomar naquele lugar. Esse tipo de
comentário será apagado.

E se quiser usar o Facebook ou o Twitter para divulgar algum texto
interessante, receba meus agradecimentos.

Tipos de posts

Você deve notar que cada post tem uma categoria e uma ou mais tags.
No template atual, você pode ver a categoria pela mensagem embaixo do
título: “by Fábio Fortkamp in …”.

Isso é apenas uma questão de nomenclatura, mas estou esclarecendo. Este
blog tem as seguintes categorias:

  • Artigos: os textos mais gerais
  • Notas do autor: textos sobre o blog (como este)
  • Resenhas de livros: resenhas sobre livros que li e achei
    interessante
  • Resenhas de apps: em breve, começarei a publicar algumas
    análises dos programas que uso e que podem ajudar o leitor
  • Miscelânea: posts centrados em fotos, vídeos, etc
  • Links: posts que referenciam um link externo e que eu comento
    logo em seguida.

Pode notar que links estão indicados por após o título pelo símbolo →.
Se você clicar no título, você será levado ao artigo original. Isso é
prática comum na web.

E se clicar no tipo (se, embaixo do título desse post, clicar em
“Notas do autor”, por exemplo), verá uma lista de todos os textos do
determinado tipo.

Próximos passos

No momento, eu estou pesquisando serviços que permitem aos leitores
receber os posts por email ou RSS. Podem esperar isso para breve.

Também quero implementar um sistema de arquivo e busca que torne mais
fácil achar um post sobre determinado assunto, de um determinado tipo
etc.

No mais, estou aberto a sugestões. A opinião de vocês é muito
importante.

E mais uma vez, obrigado por ler FabioFortkamp.com.

Categorias
Artigos

O Bolsa-Família e as calças

Um assunto que fervilhou no Facebook na semana passada foi a mulher que
reclamou que o Bolsa-Família não era suficiente para comprar uma calça
para a filha de 16 anos. Logo choveram comentários inflamados de meninas
que também queriam ganhar bolsa para poder comprar as calças, que isso
só prova que o Bolsa-Família é um desperdício do nosso dinheiro e que
nós estamos de babá dos mais pobres.

Veja o vídeo.

Primeiramente, vamos deixar de lado o assunto em si. A argumentação das
pessoas furiosas simplesmente não é válida. É muito fácil sair na rua
com uma câmera e entrevistar dezenas ou centenas ou milhares de pessoas.
De repente, uma delas diz que não acredita em Deus e você conclui que
todos os brasileiros são ateus. Você dizer que todos os beneficiários
são sugadores de dinheiro baseado no depoimento de uma mulher (ou de mil
indivíduos, que seja, o número total ainda vai ser bem maior) é bastante
generalista e perigoso. Isso sem contar o fato de que muitas das pessoas
que adoram fazer ativismo de Facebook não tem nenhum contato com alguém
que dependa do Bolsa-Família (eu não tenho, se querem saber, e por isso
eu tomo cuidado no que eu falo).

Outro tipo de comentário bastante assustador diz que o simples fato de
uma beneficiária do Bolsa-Família querer as calças é um absurdo, ou que
é absurdo o fato de existir uma calça a esse preço. Ora, isso é pura
ingenuidade. No nosso mercado, o vendedor coloca uma calça a 300 reais
não porque ela custou isso, mas porque ele acha que ela vale isso, e
acredita que um número suficiente de pessoas vai comprar a esse preço. E
as lojas que conseguem vender a esse preço também têm dinheiro fazer
propaganda, atingindo as revistas de adolescentes e os intervalos das
novelas. Em resumo: garotas de 16 anos, sejam elas da favela ou de
Jurerê Internacional, querem calças de 300 reais. Milhares de
brasileiros, adultos, gastam mais do que ganham e se endividam no cheque
especial ou no cartão de crédito; como esperar que uma pessoa de 16 anos
tenha mais consciência do valor do dinheiro? Essas meninas simplesmente
vêem a calça vestindo alguma famosa e querem ser como elas; elas não tem
capacidade de perceber que não cabe no orçamento, ou que esse preço é
alto, ou que a mãe precisa comprar comida antes

Para ser bem sincero, por um lado tenho minhas restrições ao
Bolsa-Família, e não fico confortável com a ideia do Estado subsidiando
as pessoas por muito tempo. Por outro, sou homem, branco, estudante de
escola particular, engenheiro, filho de engenheiros, neto de um médico e
um economista, em processo de ter título de mestre. No espectro da
sociedade brasileira, eu estou no lado oposto ao das pessoas que
precisam do Bolsa-Família; para mim, é muito fácil “ser contra o
Bolsa-Família”, ou ser contra as cotas, ou ser contra muitas coisas, já
que eu não preciso delas. O que eu sei, baseado na mais pura observação,
é que existem pessoas pobres, e existem pessoas extremamente pobres, que
precisam de uma vida decente. Elas precisam de um emprego; porém, se
basta apenas “ter vontade de trabalhar”, por que existem tantos
recém-formados em universidades federais sem emprego? Elas precisam de
educação, e os jovens precisam entrar na faculdade, e não adianta
esperar “até que a educação básica seja melhorada”. Vamos ser realistas:
um adolescente que concluiu o ensino médio numa escola pública, em
geral, não tem condições de passar nos nossos vestibulares, altamente
voltado a aqueles que sabem os macetes e as “decorebas” (levante a mão
quem aprendeu as fórmulas da Física com músicas de quinta categoria).
Ele está agora, aqui, sem condições de ter nível superior, e não pode
esperar até que o governo tenha boa vontade de melhorar o sistema
público de educação.

As cotas são a solução? O Bolsa-Família é a solução? Sinceramente, não
sei, e confesso que não tenho a disposição de estudar alternativas (para
isso existem cientistas sociais, ouviram, engenheiros?). É claro que
esses programas sociais precisam de melhorias. Especificamente, o
governo poderia ter uma política mais eficaz de dar emprego para os
beneficiários do Bolsa-Família (já que eles não conseguem achar por
conta própria), e de evitar que as pessoas dependam a vida inteira do
governo. Ao mesmo tempo, embora o vídeo não mostre que todos os
beneficiários estão gastando mal os recursos, mostra que existem
alguns que provavelmente estão ganhando mais do que deveriam, o que
exige um controle mais rigoroso. Isso é um tipo de discussão prática,
e não os comentários raivosos que usualmente se vêem por aí.

Categorias
Artigos

A necessidade de estudar produtividade

Gastar mais tempo para gastar menos tempo

Estudar produtividade pessoal (o conjunto de técnicas que nos permite
nos organizar melhor) pode parecer contra-intuitivo. É como gastar tempo
estudando como gastar menos tempo. De fato, se você não for cuidadoso, a
balança pode pender para o lado errado: gasta-se tanto tempo se
organizando que não sobra tempo para fazer algo que realmente importa.

Esse tipo de pensamento é perigoso porque pode ser extendido até se
chegar a conclusão de que não vale a pena estudar. Por que estudar
engenharia, quando se pode apenas colocar tijolo sobre tijolo? Por que
estudar medicina, quando se pode apenas experimentar todos os chás até
parar a dor? Por que estudar o Português, quando todo mundo se entende?

Há muito tempo, uma pessoa construi uma casa, e essa casa caiu. Outra
pessoa construiu uma casa e ela ficou em pé. A partir daí, começou-se a
observar que existem determinados métodos que resultam em casas que caem
e outros que resultam em casas que ficam em pé. Vieram os gregos com a
sua geometria e ficou mais fácil projetar uma casa confiável. Veio
Newton e sua descrição das forças e do Cálculo e ficou mais fácil criar
modelos de casas que ficam em pé. Vieram os estudiosos dos materiais.
Vieram os engenheiros que estudam as próprias técnicas de construção.
Graças a essas pessoas, vivemos em prédios robustos, que podem ser
projetados para suportar até terremotos. Ninguém concordaria em dizer
que essas pessoas “perderam tempo”; ao contrário, elas criaram tempo.
Hoje construímos prédios melhores em menos tempo.

Elas perderam um tempo inicial que valeu a pena anos depois. E esse é o
conceito chave da necessidade de se estudar produtividade: o tempo gasto
pode ajudar a poupar um tempo proporcionalmente muito maior.

A organização pessoal não é um campo tão sofisticado como a engenharia
ou a medicina, mas isso não significa que não se possam aprender
técnicas apropriadas. Para mim, o estudo da produtividade pessoal é
necessário porque nosso tempo na Terra é finito. Não morremos depois de
atingirmos nossas metas; morremos depois de certo tempo ou quando
alcançamos uma condição de saúde crítica. Assim, quanto menos tempo
gastamos em cada atividade, mais atividades podemos fazer e mais
objetivos na vida podemos cumprir.

Um exemplo de como aplicar técnicas de produtividade

De maneira muito simplificada, vamos supor que você tenha uma tarefa:
levar todos os carros da sua família para a revisão.

Com dois carros não há muito o que fazer. Você liga para a primeira
concessionária, leva e busca o carro, e um tempo depois repete o
processo para o segundo o carro. A tarefa é simples, então você guarda
os detalhes na memória. Em uma semana está tudo feito.

Com cinco carros (você é uma pessoa boa e vai ajudar o avô, a tia e a
irmã), a coisa se complica. Depois de completar o terceiro carro,
acontece alguma coisa no seu trabalho e você se esquece disso, com o
cérebro ocupado com outras coisas. Vai se aproximado a data limite e seu
avô liga brigando. Entre atrasos e esquecimentos demora um mês para
completar tudo, somado com o estresse pessoal e brigas familiares.

No ano seguinte, você resolve “gastar tempo” lendo sobre produtividade,
e aprende três princípios básicos:

  1. Anotar suas tarefas
  2. Realizar tarefas em lotes
  3. Marcar compromissos no calendário

Assim, quando seu pai lhe pede para cuidar disso, você dedica um minuto
para anotar isso em algum lugar visível. Quanto tem um tempo, liga para
todos os proprietários em busca de horários em que ele possa levar o
carro. Depois, liga para todas as concessionárias e marca as
revisões, com sorte em dias consecutivos. Por último, marca tudo no
calendário. Assim, em 30 minutos você já tem esquematizado todo seu
plano de ação.

Você pode seguir com seu trabalho. No horário marcado, você leva o
carro, e depois o busca. Não há estresse emocional de ficar o dia
inteiro pensando “não posso me esquecer de marcar a revisão”, porque
você sabe que o compromisso está no seu calendário e você programou
algum alarme para o avisar com certa antecedência. Você dedicou seu
tempo para se organizar e já está com tudo planejado. Pode dedicar-se
agora a fazer. Talvez em duas semanas esteja tudo resolvido.

Ou seja, o tempo de estudar um pouco, mais o tempo de realizar as
atividades de maneira otimizada, é menor que o tempo de realizar as
tarefas de maneira desorganizada. Essa é a mágica da produtividade
pessoal.

E o melhor de tudo é que, mesmo que você gaste tempo para otimizar uma
tarefa, você pode geralmente aplicar os mesmos princípios para outras
tarefas. Você tem apenas uma revisão, mas tem de ir ao dentista e ir
buscar uma encomenda. Sente na frente do telefone e dedique cinco
minutos para fazer todas as ligações e agendar todos os compromissos.

Ao final de um pequeno período gasto “apenas” se organizando, você está
com suas pendências registradas, sem necessidade de gastar mais tempo
tentando se lembrar. E isso é produtividade.

É só senso comum, mas as pessoas não conhecem o senso comum

Perceba que não existe nada de extraordinário nas três dicas de
produtividade que passei (e não se preocupe, o estudo sério da
produtividade vai muito além disso). De fato, qualquer pessoa poderia
ter chegado a esse modelo. Porém, algumas poucas pessoas o fizeram,
escreveram livros e se tornaram famosas. Parece tão óbvio, mas às vezes
o mais óbvio nos escapa. Diferentes pessoas têm diferentes percepções e
por isso algumas conseguiram sistematizar todo esse processo. Criar
uma lista de tarefas e colocar um post-it no monitor é fácil; criar um
sistema integrado, que permita você se alternar entre “organizar sua
lista de tarefas” e “executar suas tarefas” com naturalidade e que
acompanhe você quando você está longe do monitor é que exige alguma
pesquisa e reflexão.

Produtividade pessoal, ou os métodos de nos organizarmos melhor, é um
grande interesse meu e o leitor pode esperar mais textos do gênero em
FabioFortkamp.com. Esse post é apenas uma justificativa (para mim e
para os leitores) do porquê de eu achar que vale a pena falar sobre o
assunto.

Categorias
Artigos

Por que ando de ônibus mesmo tendo um carro

As pessoas não acreditam, mas eu ando de ônibus. Sim, eu tenho um carro,
e sim, eu sei dirigir. What?

Existem tantas razões que eu não sei nem por onde começar. Por isso vou
do básico: eu não gosto de dirigir. Dirigir em um meio urbano é uma
atividade de risco, que exige dedicação total de minha parte por muito
tempo. Quando eu vou de carro da minha casa até a Universidade, isso
significa que tenho de passar meia hora com as mãos presas ao volante,
tendo de prestar atenção a tudo que acontece à minha volta, cuidando
para ver as motos (antes de me chamar de preconceituoso, observe que
motos são muito menores que os carros e passam por entre as filas, sendo
muito mais difíceis de enxergar), dando passagem para o SUV colado atrás
de mim, ficar puto com o imbecil que deu uma de esperto e saiu da
Beira-Mar furando fila lá na frente, e tendo que aguentar o engraçadinho
que me ultrapassa para ficar parado uma posição na frente quando eu ando
devagar em um sinal vermelho. E aí, quando eu finalmente chego na
Universidade, tenho de procurar vaga nos estacionamentos pessimamente
iluminados, onde as pessoas param de qualquer jeito (ocupando mais de
uma vaga, na maioria das vezes), e onde a poeira se instala sobre o
carro. Sério que você gosta de fazer isso?

Quando eu vou de ônibus, eu pego minha mochila, ponho um fone de ouvido,
ando 5 minutos da minha casa até o ponto, entro no ônibus, saio do
ônibus, e ando 2 minutos do ponto até o prédio onde fico o dia inteiro.
Durante o trajeto, eu leio, eu escrevo ideias para
FabioFortkamp.com, eu escuto música (podendo prestar atenção à
letra) e podcasts, eu encontro conhecidos (ou até desconhecidos; um
carro é um meio de se isolar por natureza). Atenção necessária: ver o
ônibus chegando.

Eu não vou negar, esse tipo de pensamento se instalou em mim no tempo
que passei na europa. Tive a sorte de morar em duas cidades (Porto e
Karlsruhe) que têm cobertura muito boa de transporte público (e lá isso
não é só sinônimo de ônibus). Nesses lugares, e em outras cidades que
visitei, é muito fácil se locomover. Os principais pontos se referenciam
pela estação mais próxima. Os horários das linhas são bem
documentados, você paga uma taxa mensal que não chega a ser barata mas
que permite você andar livremente (isto é, se você anda uma, duas ou
vinte vezes por dia o preço é o mesmo), o sistema é seguro (pelo menos
na minha experiência) e você pode ir realmente a qualquer lugar. Já
diria Steve Jobs, it just works.

É claro que a experiência de andar de ônibus em Florianópolis (não tenho
capacidade de comentar a experiência em outras cidades brasileiras) é
muito diferente da de andar de S-Bahn em Karlsruhe. O preço é alto, os
horários são imprevisíveis, os ônibus são antiquados, a rotatividade é
baixa (uma linha como a UFSC-Semidireto, que transporta alunos do centro
à Universidade, deveria sair a cada 5 minutos pelo menos), as greves
dominam, assaltos e ataques acontecem. Ainda assim, eu não concordo que
“andar de ônibus é uma merda”. O preço é alto, mas andar de carro é uma
atividade de luxo (você tem ideia de quanto se paga apenas para manter o
carro na garagem, entre impostos e seguros?), e o preço da gasolina está
muito alto de qualquer jeito. Os horários são imprevesíveis, mas com
planejamento é possível achar um intervalo mais ou menos confiável em
que os ônibus passam no ponto. De qualquer modo, como falei, andar de
carro não é uma experiência muito agradável, em comparação.

Algumas pessoas falam que por eu ser engenheiro mecânico eu deveria
idolatrar o carro. Realmente, o carro como um todo realmente é um feito
de engenharia. O processo de fabricação de todas as peças complexas, a
dinâmica veicular, a otimização aerodinâmica, a integração entre partes
mecânicas e eletrônicas, tudo isso são coisas admiráveis. Já o motor de
combustão interna, um dos símbolos da engenharia mecânica, também é um
símbolo do nosso fracasso como engenheiros e de como a Segunda Lei da
Termodinâmica faz pouco caso de nós. Um rendimento alto para motores a
combustão interna é de 30%. Pense no mundo em vivemos, de tantos
avanços; não parece absurdo que ainda não tenhamos inventado em jeito de
evitar jogar fora 70% do nosso dinheiro quando abastecemos? (Aos meus
colegas engenheiros que estão trabalhando nisso, precisamos de vocês
para reverter essa situação).

Um motor de ônibus não possui rendimento muito mais alto, mas se
levarmos em conta o número de passageiros transportados, o “rendimento
per capita” se torna muito maior.

Um último grande motivo para eu andar de ônibus no meu cotidiano é meu
senso de coletividade. Eu moro em sociedade, e tento melhorá-la. Virou
moda “nas elites” de Florianópolis falar que a mobilidade urbana está
mal, e que isso é um absurdo. O que é absurdo, para mim, é que essas
mesmas pessoas andam de carro, sozinhas, e em geral falam que as
ciclovias estão atrapalhando o trânsito. E quem se importa com o meio
ambiente, se vamos todos estar mortos quando a próxima geração tiver de
lidar com isso?.

A mobilidade urbana em Florianópolis realmente é péssima. Quando você
vai de carro sozinho para o trabalho ou para a faculdade, você não está
contribuindo em nada para isso. É mais fácil acreditar que você acha que
engarrafamento é lindo.

Eu não pretendo abandonar o carro. Nas situações certas, ele ajuda. Dar
carona aos amigos, andar de noite ou aos fins de semana, ir em lugares
onde a viagem de ônibus é muito longa. Mas no meu dia a dia, não existe
motivo para não colocar um carro a menos na rua.

Categorias
Links

O iOS precisa de um futuro?

Federico Viticci recentemente escreveu sobre sua lista de desejos para
a próxima versão do iOS
, o sistema operacional do iPhone, iPod Touch
e iPad, a ser lançada provavelmente em junho. Ele não é o único,
claro. Existem muitos relatos do tipo, de gente sonhando (em vão, na
minha opinião) que a Apple voltará a ser a empresa revolucionária de
antes, lançando produtos geniais que definem o mercado. O próximo iOS
tem de ser muito melhor que o atual, e vai nos permitir muito mais
controle, e vai ter muito mais recursos, e, e, e…

Criamos tantas expectativas, queremos algo tão awesome, que depois
ficamos decepcionados que o novo iPhone (tanto o aparelho quanto seu
sistema) não lê nossos pensamentos. Eu vi isso acontecer no ano passado
e vai acontecer de novo.

O problema dessas listas de desejos é que as pessoas querem que o iPhone
(estou usando o smartphone como símbolo dos dispositivos) se transforme
em duas coisas, simultaneamente:

  1. Em um computador completo que cabe no bolso
  2. Em um Android

O iPhone não é o seu computador principal

Eu não preciso que o iPhone se transforme num substituto de um
computador, e duvido que alguém precise. Um smartphone foi projetado
para complementar um computador. Você pode fazer muitas coisas com
algo do tipo: acessar a internet, escutar músicas, processar emails,
organizar o calendário, tirar fotos, jogar games. Mas quando se parte
para uma escala maior, as restrições começam a incomodar mais que a
conveniência supostamente facilita. Eu escrevo muitas coisas no iPhone,
fragmentos de ideias que se transformam em textos maiores; mas eu jamais
escreveria minha dissertação em um celular. Eu tiro (poucas) fotos, mas
não as organizo cuidadosamente. Eu navego por sites aleatórios, mas não
faço uma pesquisa mais cuidadosa, separando e catalogando links. Um
smartphone não foi feito para isso.

E nem deveria ser feito. Quando o sistema começa a ficar muito complexo,
perde-se a conveniência. Deixamos de ter algo pensado para ser portátil
e carregamos num bolso um laptop com a tela menor. A necessidade de
reproduzir todos os features levaria a um dispositivo certamente
horrível de usar. E o iPhone ganhou fama por ser ridiculamente fácil de usar.

Outra crítica muito frequente, de que o iOS é muito fechado, é
completamente absurda. O sistema não permite que os aplicativos se
comuniquem abertamente uns com os outros, e não existe um sistema de
arquivos que seja compartilhado por todos os programas. Isso dificulta a
criação de scripts que automatizam o iOS… Mas é isso mesmo? Queremos
operar um smartphone por linha de comando?

É claro que muitos desses desejos se aplicam ao iPad, que teria muito
mais potencial para susbtituir o computador. A tela é maior, com um bom
teclado (convenhamos, o teclado do iOS é uma bosta) pode se transformar
num editor de textos, e é excelente para ler e anotar PDFs. Mas eu não
quero que ele substitua o meu computador, pelo mesmo motivo: quando isso
acontecer, ele vai ser tão complexo que vai deixar de ser bom de usar.
Eu quero poder não depender de um computador por inteiro, quero poder
usar um tablet em viagens, quero poder usar um tablet por poucos dias
quando o computador estraga, mas é tolice achar que um tablet tem toda a
versatilidade de um notebook.

O iOS não precisa ser um outro Android.

O iPhone não é o melhor smartphone, nem o mais poderoso, nem o mais
barato, nem o mais caro. É o mais conveninente. A interface é simples, a
App Store estimula o desenvolvimento de apps pagos (e os leitores já
sabem o que penso sobre isso) , sincroniza automaticamente com PC,
OS X ou pela web (via iCloud), e como todos os programas são testados e
aprovados pela Apple, o risco de vírus e outros malware é virtualmente
nulo. Sem contar que existe apenas um fabricante, o que padroniza a
solução de problemas.

Quando você paga caro por um iPhone (ou qualquer produto Apple) você
está pagando pelo preço desse controle. Está pagando por poder comprar
algo que precisa de configuração míninma. Uma das grandes qualidades dos
prodtos da marca, para mim, é esse acoplamento hardware-software. Tudo é
otimizado.

Se você quer um sistema mais aberto, com muito mais recursos, mais fácil
de ser modificado, com mais opções de fabricantes (e preços), você quer
um Android.

Eu nunca usei um Android, mas pelo que vejo os outros usarem, ele me
parece excelente. Faz tempo que a competição entre o robô do Google e o
iOS deixou de ser por features e passou a ser por tipos de usuários.
Pessoas que gostam de muitos recursos e boa flexibilidade contra pessoas
que gostam de algo mais fechado e pronto, com um mercado de apps mais
estabelecido (e que, sejamos francos, também gostam de parecer cool,
muitas vezes).

Quem não está satisfeito pode trocar a qualquer momento.

Sim, o iOS precisa de um futuro.

Ele pode ser mais avançado (não vejo nada de errado em um controle para
ligar e desligar rápido o WiFi, ouviu, Apple?), poderia ter uma maneira
de testar apps antes de comprar, poderia ter um mecanismo de busca mais
poderoso (já que nada disso atrapalha a usabilidade). Mas ele não
precisa ser mágico.

Categorias
Links

Uma internet melhor

Paul Miller escreveu uma matéria maravilhosa no The Verge sobre o
ano em passou completamente desconectado. Um ano em que ele queria usar
o tempo para fazer outras coisas, ser mais produtivo, interagir mais com
os amigos, sem se preocupar em acompanhar a linha do tempo do Twitter.

Um ano horrível, nas suas próprias palavras.

O relato de Paul, junto com sua outra análise e com a entrevista
para a Folha de São Paulo
, reforça aquilo que muitos sabem: o
problema não é a internet, mas sim como a usamos. Nós é que tornamos a
internet como ela é
.

Não é preciso muito para acessar a internet. Um roteador, um computador
com placa de rede e uma conta em algum provedor (junto com muita
paciência, se for no Brasil). Com apenas isso, você pode passar a manhã
no 9Gag, ver vídeos de pegadinhas no YouTube, pesquisar sobre a próxima
viagem, comprar um livro (ou qualquer coisa útil), ver pornografia ou
fundar uma startup. É a sua escolha.

Não estamos mais online apenas para “surfar na internet” (quem inventou
essa xpressão horrível?). Estar online não é algo trivial. O Facebook,
por exemplo, é das ferramentas mais complexas já criadas. É tudo
onipresente. Você simplesmente parte do pressuposto que a outra pessoa
também está lá, quando quer adicionar alguém. Além disso, o Facebook
está te espionando, mostrando anúncions baseado no que você curte (e
visita fora do próprio site), e ainda assim ninguém quer parar de
usá-lo. Novamente, tudo se resume a uma questão de fazer escolhas. Você
pode manter contato com os amigos que conheceu na Europa, rir da Clarice
Lispector, curtir as fotos no Instagram #love #happy #nofilter,
divulgar o seu blog (e ouvir muitos comentários positivos e alguns
negativos), procurar fotos de biquíni daquela garota ou conversar com
aquela, outra, bem mais interessante (que também pode ter fotos de
biquíni, por que não?).

Todos gostamos de ver fotos engraçadas ou vídeos divertidos, mas quanto
tempo você está gastando com isso? E o que o Twitter, com seu fluxo de
notícias sem nexo e pensamentos absolutamente inúteis, está
acrescentando? E aquela lista imensa de blogs nos seus favoritos ou em
RSS, você está lendo apenas para se manter atualizado ou está absorvendo
alguma coisa de útil?

Vou além: se você tem algo a dizer ou mostrar, faça-o. É possível criar
um blog de graça (embora você já saiba o que penso da qualidade de
produtos grátis
). Até uma página no Facebook pode servir para seus
propósitos (apenas leve em conta que, assim como já passamos pela febre
de MySpace e Orkut, o Facebook também vai acabar nessa década. Quanto
você está pagando para sustentar o Facebook, mesmo?). Coloque seu foto
no Flickr, seu vídeo no Vimeo, … Consuma menos e crie mais.

Se nós estamos destruindo a internet, é hora de tentar melhorá-la.