Categorias
Artigos

A curta vida dos serviços da Web

escrevi que a nossa cultura de não pagar nada por software não se
sustenta. Destaquei dois pontos principais: programar é um trabalho como
outro qualquer, que merece remuneração; e a falta de incentivo
financeiro leva a softwares ruins e que são abandonados. Dois exemplos
no extremo oposto de espectro de preços, o Microsoft Office e o
Photoshop (sim, caro leitor brasileiro, tem gente que realmente compra
uma licença desses produtos) estão aí há décadas (curiosamente, pesquisa
na Wikipedia revela que os dois produtos foram lançados em 1990). Sei
que essa baixa quantidade de exemplos não é suficiente para provar meu
ponto, e existem muitos softwares caros que foram esquecidos. O preço
não é uma garantia, mas ajuda.

Coisa diferente ocorre na Web. Eu estava pronto para escrever que uma
das razões é a sua pouca idade, mas descobri que a rede mundial de
computadores (a tal WWW) foi lançada em 1991. Uma excelente base de
comparação, portanto. Desde então, vimos uma grande quantidade de
serviços surgirem: Geocities, Cadê?, Blogger, Altavista, MySpace, Orkut,
Zipmail, Fotolog, HPG, Delicious. Alguns desses sites ainda sobrevivem,
moribundos, mas eles não tem relevância alguma. E o que eles têm em
comum? Sim, o leitor pode me chamar de chato, mas todos sabemos: eles
eram grátis.

Como isso acontece? Maciej Ceglowski, que se cansou de ter serviços
abandonados e criou o Pinboard, um serviço pago de favoritos, deu a
dica
: para serviços grátis, mais usuários significa mais gastos. E de
onde vem a receita para cobri-los? Da santa provedora de toda a
internet: publicidade. Você usa o Gmail porque o Google exibe os
anúncios e vende o seu perfil de consumidor. Facebook, Instagram e
Twitter fazem o mesmo. E se os custos sobem demais, aumenta a presença
da publicidade (notou como a quantidade de posts patrocinados no
Facebook e no Twitter tem aumentado?). Até que tudo fica tão saturado
de propaganda que você se cansa e para de usar. Tudo isso já aconteceu e
vai acontecer de novo.

Claro, muita gente está ciente desse problema e lançando as suas
alternativas pagas (o Pinboard foi um exemplo). O App.net começou
como um clone pago do Twitter e está se tornando uma plataforma social
muito mais completa (já tem até armazenamento de arquivos
Dropbox-style); e o melhor de tudo é que, pelo serviço ser pago, o
número de usuários não pode explodir, então o sistema em tese pode ficar
num balanço financeiro permanente (e como eles esperaram ter um certo
número de usuários pagantes antes de lançarem, não tem de aumentar a
receita para cobrir os investimentos iniciais). Depois do fim do Google
Reader (quando a empresa simplesmente anunciou o fim do serviço,
provavelmente porque não está conseguindo sustentá-lo), estão surgindo
(ou se popularizando) alternativas como Fever, NewsBlur,
FeedWrangler. Talvez esses serviços não durem 20 anos, mas pagar por
eles é uma maneira de evitar que as coisas simplesmente caiam no
abandono ou sejam completamente desligadas (sem contar que serviços bem
administrados devem ser capazes de operar conforme o número de usuários,
ou seja, cada usuário paga o seu custo).

Portanto, queridos leitores, vamos ser usuários conscientes. Aproveite o
Facebook e o Gmail porque eles não devem durar muito. E saiba o preço
que você está pagando (a sua privacidade).

Como usual, muita gente inteligente, como Ben Brooks e Marco
Arment
, já escreveu sobre esse mesmo tema, de maneira muito superior.
Vale a pena também ler essa análise da necessidade de uma
alternativa ao Instagram e esse relato de um funcionário do Google
decepcionado com o futuro da empresa.

Categorias
Artigos

O Bolsa-Família e as calças

Um assunto que fervilhou no Facebook na semana passada foi a mulher que
reclamou que o Bolsa-Família não era suficiente para comprar uma calça
para a filha de 16 anos. Logo choveram comentários inflamados de meninas
que também queriam ganhar bolsa para poder comprar as calças, que isso
só prova que o Bolsa-Família é um desperdício do nosso dinheiro e que
nós estamos de babá dos mais pobres.

Veja o vídeo.

Primeiramente, vamos deixar de lado o assunto em si. A argumentação das
pessoas furiosas simplesmente não é válida. É muito fácil sair na rua
com uma câmera e entrevistar dezenas ou centenas ou milhares de pessoas.
De repente, uma delas diz que não acredita em Deus e você conclui que
todos os brasileiros são ateus. Você dizer que todos os beneficiários
são sugadores de dinheiro baseado no depoimento de uma mulher (ou de mil
indivíduos, que seja, o número total ainda vai ser bem maior) é bastante
generalista e perigoso. Isso sem contar o fato de que muitas das pessoas
que adoram fazer ativismo de Facebook não tem nenhum contato com alguém
que dependa do Bolsa-Família (eu não tenho, se querem saber, e por isso
eu tomo cuidado no que eu falo).

Outro tipo de comentário bastante assustador diz que o simples fato de
uma beneficiária do Bolsa-Família querer as calças é um absurdo, ou que
é absurdo o fato de existir uma calça a esse preço. Ora, isso é pura
ingenuidade. No nosso mercado, o vendedor coloca uma calça a 300 reais
não porque ela custou isso, mas porque ele acha que ela vale isso, e
acredita que um número suficiente de pessoas vai comprar a esse preço. E
as lojas que conseguem vender a esse preço também têm dinheiro fazer
propaganda, atingindo as revistas de adolescentes e os intervalos das
novelas. Em resumo: garotas de 16 anos, sejam elas da favela ou de
Jurerê Internacional, querem calças de 300 reais. Milhares de
brasileiros, adultos, gastam mais do que ganham e se endividam no cheque
especial ou no cartão de crédito; como esperar que uma pessoa de 16 anos
tenha mais consciência do valor do dinheiro? Essas meninas simplesmente
vêem a calça vestindo alguma famosa e querem ser como elas; elas não tem
capacidade de perceber que não cabe no orçamento, ou que esse preço é
alto, ou que a mãe precisa comprar comida antes

Para ser bem sincero, por um lado tenho minhas restrições ao
Bolsa-Família, e não fico confortável com a ideia do Estado subsidiando
as pessoas por muito tempo. Por outro, sou homem, branco, estudante de
escola particular, engenheiro, filho de engenheiros, neto de um médico e
um economista, em processo de ter título de mestre. No espectro da
sociedade brasileira, eu estou no lado oposto ao das pessoas que
precisam do Bolsa-Família; para mim, é muito fácil “ser contra o
Bolsa-Família”, ou ser contra as cotas, ou ser contra muitas coisas, já
que eu não preciso delas. O que eu sei, baseado na mais pura observação,
é que existem pessoas pobres, e existem pessoas extremamente pobres, que
precisam de uma vida decente. Elas precisam de um emprego; porém, se
basta apenas “ter vontade de trabalhar”, por que existem tantos
recém-formados em universidades federais sem emprego? Elas precisam de
educação, e os jovens precisam entrar na faculdade, e não adianta
esperar “até que a educação básica seja melhorada”. Vamos ser realistas:
um adolescente que concluiu o ensino médio numa escola pública, em
geral, não tem condições de passar nos nossos vestibulares, altamente
voltado a aqueles que sabem os macetes e as “decorebas” (levante a mão
quem aprendeu as fórmulas da Física com músicas de quinta categoria).
Ele está agora, aqui, sem condições de ter nível superior, e não pode
esperar até que o governo tenha boa vontade de melhorar o sistema
público de educação.

As cotas são a solução? O Bolsa-Família é a solução? Sinceramente, não
sei, e confesso que não tenho a disposição de estudar alternativas (para
isso existem cientistas sociais, ouviram, engenheiros?). É claro que
esses programas sociais precisam de melhorias. Especificamente, o
governo poderia ter uma política mais eficaz de dar emprego para os
beneficiários do Bolsa-Família (já que eles não conseguem achar por
conta própria), e de evitar que as pessoas dependam a vida inteira do
governo. Ao mesmo tempo, embora o vídeo não mostre que todos os
beneficiários estão gastando mal os recursos, mostra que existem
alguns que provavelmente estão ganhando mais do que deveriam, o que
exige um controle mais rigoroso. Isso é um tipo de discussão prática,
e não os comentários raivosos que usualmente se vêem por aí.

Categorias
Artigos

A necessidade de estudar produtividade

Gastar mais tempo para gastar menos tempo

Estudar produtividade pessoal (o conjunto de técnicas que nos permite
nos organizar melhor) pode parecer contra-intuitivo. É como gastar tempo
estudando como gastar menos tempo. De fato, se você não for cuidadoso, a
balança pode pender para o lado errado: gasta-se tanto tempo se
organizando que não sobra tempo para fazer algo que realmente importa.

Esse tipo de pensamento é perigoso porque pode ser extendido até se
chegar a conclusão de que não vale a pena estudar. Por que estudar
engenharia, quando se pode apenas colocar tijolo sobre tijolo? Por que
estudar medicina, quando se pode apenas experimentar todos os chás até
parar a dor? Por que estudar o Português, quando todo mundo se entende?

Há muito tempo, uma pessoa construi uma casa, e essa casa caiu. Outra
pessoa construiu uma casa e ela ficou em pé. A partir daí, começou-se a
observar que existem determinados métodos que resultam em casas que caem
e outros que resultam em casas que ficam em pé. Vieram os gregos com a
sua geometria e ficou mais fácil projetar uma casa confiável. Veio
Newton e sua descrição das forças e do Cálculo e ficou mais fácil criar
modelos de casas que ficam em pé. Vieram os estudiosos dos materiais.
Vieram os engenheiros que estudam as próprias técnicas de construção.
Graças a essas pessoas, vivemos em prédios robustos, que podem ser
projetados para suportar até terremotos. Ninguém concordaria em dizer
que essas pessoas “perderam tempo”; ao contrário, elas criaram tempo.
Hoje construímos prédios melhores em menos tempo.

Elas perderam um tempo inicial que valeu a pena anos depois. E esse é o
conceito chave da necessidade de se estudar produtividade: o tempo gasto
pode ajudar a poupar um tempo proporcionalmente muito maior.

A organização pessoal não é um campo tão sofisticado como a engenharia
ou a medicina, mas isso não significa que não se possam aprender
técnicas apropriadas. Para mim, o estudo da produtividade pessoal é
necessário porque nosso tempo na Terra é finito. Não morremos depois de
atingirmos nossas metas; morremos depois de certo tempo ou quando
alcançamos uma condição de saúde crítica. Assim, quanto menos tempo
gastamos em cada atividade, mais atividades podemos fazer e mais
objetivos na vida podemos cumprir.

Um exemplo de como aplicar técnicas de produtividade

De maneira muito simplificada, vamos supor que você tenha uma tarefa:
levar todos os carros da sua família para a revisão.

Com dois carros não há muito o que fazer. Você liga para a primeira
concessionária, leva e busca o carro, e um tempo depois repete o
processo para o segundo o carro. A tarefa é simples, então você guarda
os detalhes na memória. Em uma semana está tudo feito.

Com cinco carros (você é uma pessoa boa e vai ajudar o avô, a tia e a
irmã), a coisa se complica. Depois de completar o terceiro carro,
acontece alguma coisa no seu trabalho e você se esquece disso, com o
cérebro ocupado com outras coisas. Vai se aproximado a data limite e seu
avô liga brigando. Entre atrasos e esquecimentos demora um mês para
completar tudo, somado com o estresse pessoal e brigas familiares.

No ano seguinte, você resolve “gastar tempo” lendo sobre produtividade,
e aprende três princípios básicos:

  1. Anotar suas tarefas
  2. Realizar tarefas em lotes
  3. Marcar compromissos no calendário

Assim, quando seu pai lhe pede para cuidar disso, você dedica um minuto
para anotar isso em algum lugar visível. Quanto tem um tempo, liga para
todos os proprietários em busca de horários em que ele possa levar o
carro. Depois, liga para todas as concessionárias e marca as
revisões, com sorte em dias consecutivos. Por último, marca tudo no
calendário. Assim, em 30 minutos você já tem esquematizado todo seu
plano de ação.

Você pode seguir com seu trabalho. No horário marcado, você leva o
carro, e depois o busca. Não há estresse emocional de ficar o dia
inteiro pensando “não posso me esquecer de marcar a revisão”, porque
você sabe que o compromisso está no seu calendário e você programou
algum alarme para o avisar com certa antecedência. Você dedicou seu
tempo para se organizar e já está com tudo planejado. Pode dedicar-se
agora a fazer. Talvez em duas semanas esteja tudo resolvido.

Ou seja, o tempo de estudar um pouco, mais o tempo de realizar as
atividades de maneira otimizada, é menor que o tempo de realizar as
tarefas de maneira desorganizada. Essa é a mágica da produtividade
pessoal.

E o melhor de tudo é que, mesmo que você gaste tempo para otimizar uma
tarefa, você pode geralmente aplicar os mesmos princípios para outras
tarefas. Você tem apenas uma revisão, mas tem de ir ao dentista e ir
buscar uma encomenda. Sente na frente do telefone e dedique cinco
minutos para fazer todas as ligações e agendar todos os compromissos.

Ao final de um pequeno período gasto “apenas” se organizando, você está
com suas pendências registradas, sem necessidade de gastar mais tempo
tentando se lembrar. E isso é produtividade.

É só senso comum, mas as pessoas não conhecem o senso comum

Perceba que não existe nada de extraordinário nas três dicas de
produtividade que passei (e não se preocupe, o estudo sério da
produtividade vai muito além disso). De fato, qualquer pessoa poderia
ter chegado a esse modelo. Porém, algumas poucas pessoas o fizeram,
escreveram livros e se tornaram famosas. Parece tão óbvio, mas às vezes
o mais óbvio nos escapa. Diferentes pessoas têm diferentes percepções e
por isso algumas conseguiram sistematizar todo esse processo. Criar
uma lista de tarefas e colocar um post-it no monitor é fácil; criar um
sistema integrado, que permita você se alternar entre “organizar sua
lista de tarefas” e “executar suas tarefas” com naturalidade e que
acompanhe você quando você está longe do monitor é que exige alguma
pesquisa e reflexão.

Produtividade pessoal, ou os métodos de nos organizarmos melhor, é um
grande interesse meu e o leitor pode esperar mais textos do gênero em
FabioFortkamp.com. Esse post é apenas uma justificativa (para mim e
para os leitores) do porquê de eu achar que vale a pena falar sobre o
assunto.

Categorias
Artigos

Por que ando de ônibus mesmo tendo um carro

As pessoas não acreditam, mas eu ando de ônibus. Sim, eu tenho um carro,
e sim, eu sei dirigir. What?

Existem tantas razões que eu não sei nem por onde começar. Por isso vou
do básico: eu não gosto de dirigir. Dirigir em um meio urbano é uma
atividade de risco, que exige dedicação total de minha parte por muito
tempo. Quando eu vou de carro da minha casa até a Universidade, isso
significa que tenho de passar meia hora com as mãos presas ao volante,
tendo de prestar atenção a tudo que acontece à minha volta, cuidando
para ver as motos (antes de me chamar de preconceituoso, observe que
motos são muito menores que os carros e passam por entre as filas, sendo
muito mais difíceis de enxergar), dando passagem para o SUV colado atrás
de mim, ficar puto com o imbecil que deu uma de esperto e saiu da
Beira-Mar furando fila lá na frente, e tendo que aguentar o engraçadinho
que me ultrapassa para ficar parado uma posição na frente quando eu ando
devagar em um sinal vermelho. E aí, quando eu finalmente chego na
Universidade, tenho de procurar vaga nos estacionamentos pessimamente
iluminados, onde as pessoas param de qualquer jeito (ocupando mais de
uma vaga, na maioria das vezes), e onde a poeira se instala sobre o
carro. Sério que você gosta de fazer isso?

Quando eu vou de ônibus, eu pego minha mochila, ponho um fone de ouvido,
ando 5 minutos da minha casa até o ponto, entro no ônibus, saio do
ônibus, e ando 2 minutos do ponto até o prédio onde fico o dia inteiro.
Durante o trajeto, eu leio, eu escrevo ideias para
FabioFortkamp.com, eu escuto música (podendo prestar atenção à
letra) e podcasts, eu encontro conhecidos (ou até desconhecidos; um
carro é um meio de se isolar por natureza). Atenção necessária: ver o
ônibus chegando.

Eu não vou negar, esse tipo de pensamento se instalou em mim no tempo
que passei na europa. Tive a sorte de morar em duas cidades (Porto e
Karlsruhe) que têm cobertura muito boa de transporte público (e lá isso
não é só sinônimo de ônibus). Nesses lugares, e em outras cidades que
visitei, é muito fácil se locomover. Os principais pontos se referenciam
pela estação mais próxima. Os horários das linhas são bem
documentados, você paga uma taxa mensal que não chega a ser barata mas
que permite você andar livremente (isto é, se você anda uma, duas ou
vinte vezes por dia o preço é o mesmo), o sistema é seguro (pelo menos
na minha experiência) e você pode ir realmente a qualquer lugar. Já
diria Steve Jobs, it just works.

É claro que a experiência de andar de ônibus em Florianópolis (não tenho
capacidade de comentar a experiência em outras cidades brasileiras) é
muito diferente da de andar de S-Bahn em Karlsruhe. O preço é alto, os
horários são imprevisíveis, os ônibus são antiquados, a rotatividade é
baixa (uma linha como a UFSC-Semidireto, que transporta alunos do centro
à Universidade, deveria sair a cada 5 minutos pelo menos), as greves
dominam, assaltos e ataques acontecem. Ainda assim, eu não concordo que
“andar de ônibus é uma merda”. O preço é alto, mas andar de carro é uma
atividade de luxo (você tem ideia de quanto se paga apenas para manter o
carro na garagem, entre impostos e seguros?), e o preço da gasolina está
muito alto de qualquer jeito. Os horários são imprevesíveis, mas com
planejamento é possível achar um intervalo mais ou menos confiável em
que os ônibus passam no ponto. De qualquer modo, como falei, andar de
carro não é uma experiência muito agradável, em comparação.

Algumas pessoas falam que por eu ser engenheiro mecânico eu deveria
idolatrar o carro. Realmente, o carro como um todo realmente é um feito
de engenharia. O processo de fabricação de todas as peças complexas, a
dinâmica veicular, a otimização aerodinâmica, a integração entre partes
mecânicas e eletrônicas, tudo isso são coisas admiráveis. Já o motor de
combustão interna, um dos símbolos da engenharia mecânica, também é um
símbolo do nosso fracasso como engenheiros e de como a Segunda Lei da
Termodinâmica faz pouco caso de nós. Um rendimento alto para motores a
combustão interna é de 30%. Pense no mundo em vivemos, de tantos
avanços; não parece absurdo que ainda não tenhamos inventado em jeito de
evitar jogar fora 70% do nosso dinheiro quando abastecemos? (Aos meus
colegas engenheiros que estão trabalhando nisso, precisamos de vocês
para reverter essa situação).

Um motor de ônibus não possui rendimento muito mais alto, mas se
levarmos em conta o número de passageiros transportados, o “rendimento
per capita” se torna muito maior.

Um último grande motivo para eu andar de ônibus no meu cotidiano é meu
senso de coletividade. Eu moro em sociedade, e tento melhorá-la. Virou
moda “nas elites” de Florianópolis falar que a mobilidade urbana está
mal, e que isso é um absurdo. O que é absurdo, para mim, é que essas
mesmas pessoas andam de carro, sozinhas, e em geral falam que as
ciclovias estão atrapalhando o trânsito. E quem se importa com o meio
ambiente, se vamos todos estar mortos quando a próxima geração tiver de
lidar com isso?.

A mobilidade urbana em Florianópolis realmente é péssima. Quando você
vai de carro sozinho para o trabalho ou para a faculdade, você não está
contribuindo em nada para isso. É mais fácil acreditar que você acha que
engarrafamento é lindo.

Eu não pretendo abandonar o carro. Nas situações certas, ele ajuda. Dar
carona aos amigos, andar de noite ou aos fins de semana, ir em lugares
onde a viagem de ônibus é muito longa. Mas no meu dia a dia, não existe
motivo para não colocar um carro a menos na rua.

Categorias
Artigos

Como Morar na Europa

Morei em Porto, Portugal, de agosto de 2009 a julho de 2010 e em
Karlsruhe, Alemanha, de agosto de 2011 a fevereiro de 2012. São dois
paises muito diferentes entre si e muito diferentes do Brasil. Estas
foram, com certeza, as experiências mais marcantes na minha vida, e por
isso acho importante compartilhar com meus amigos leitores algumas
observações, dicas e regras.

O programa Ciência Sem Fronteiras está a todo vapor e, embora com alguns
pontos questionáveis (como a suposta maquiagem de números e a prioridade
excessiva de alunos de graduação), não podemos negar que está dando
oportunidades incríveis a muitos jovens, somado a outros programas.
Recomendo expressamente a todos que tiverem oportunidade de o fazer que
o façam.

Nunca viajei para outro continente que não a Europa, por isso não sei se
cada ponto se aplica a outros destinos, particularmente os Estados
Unidos. Em todo caso, aqui vai minha lista de regras para se morar na
Europa:

  1. Você é o estrangeiro. Você está fora do seu país, vivendo nas regras
    dos outros. Os alemães não são muito fechados, você é que é muito
    alegre e abraça todo mundo. Os franceses não são pouco higiênicos,
    você é que desperdiça água tomando muito banho. E pela amor de Deus,
    os portugueses não falam de maneira engraçada, você é que deturpou o
    idioma deles.

  2. O Brasil tem regulamentada por lei a furação de fila (a única
    explicação possível dada a sua frequência e banalização), junto com
    o primo desse hábito, o “guardar lugar”. Você até vai ver europeus
    furando fila, mas não seja o brasileiro que contribui com esse
    hábito que eles realmente odeiam.

  3. Os Estados Unidos ganharam a guerra, mas não significa que todos os
    habitantes do planeta devam falar inglês (queridos historiadores,
    perdoem o meu simplismo em favor da brevidade. Um abraço, F.). Sim,
    o atendente da loja sabe falar inglês, ele apenas não quer fazê-lo.
    E isso é normal. Você aprender a língua nativa do país é o maior
    sinal de respeito que você pode passar, e lhe dá uma oportunidade
    única de poder ler todos os avisos, pedir (e dar) informações na
    rua, não ser enganado com preços de turistas e dar bom dia ao caixa
    do supermercado.

  4. O transporte público é um monumento europeu. Cidades de 200 mil
    habitantes têm cobertura ampla de redes interligadas de trem, ônibus
    e metrô. Decore as principais estações, atente-se aos horários de
    funcionamento, e aproveite. Apenas não se esqueça de comprar a
    passagem, mesmo que não haja catracas. Novamente, mesmo que você
    veja europeus andando sem passagem, não seja o brasileiro que
    contribui para isso.

  5. Descubra as regras de pontualidade do seu país. Em alguns países,
    13h47 é 13h47 e não 13h45 e nem 13h50.

  6. Leia jornais e tente entender o que está acontecendo no seu país.

  7. McDonald’s é uma comida barata (lá na Europa) para quem está
    viajando e com pressa. No cotidiano, aproveite a comida local, coma
    nos restaurantes populares e aprenda a fazer alguns pratos.

  8. Prove cada cerveja, destilado e drink que você tiver oportunidade.

  9. Quando perguntado, explique a vida no Brasil de maneira sincera. Não
    diga que nós somos o melhor país do mundo nem que somos os mais
    atrasados.

  10. Quando perguntado, fale sobre o que não gosta e gosta no seu país,
    mas saiba que isso pode estragar suas amizades. Quando em dúvida,
    use o bom senso.

  11. Faça amigos do maior número de nacionalidades possível.

  12. Bata fotos de tudo, mas não gaste mais tempo nisso do que
    aproveitando os lugares.

  13. Irrite-se quando alguém falar mal do Brasil, mas responda com
    civilidade.

  14. Se você está indo em um programa de estudos, vá em mais festas do
    que você normalmente iria no Brasil mas em menos festas do que o
    suficiente para você ir mal na faculdade.

  15. Não tenha medo de se apaixonar, apenas se atente aos percalços de
    namorar a distância.

  16. Quer fazer sucesso? Aprenda a fazer caipirinha.

  17. No Brasil chamamos todo mundo pelo primeiro nome (e.g. Presidente
    Dilma). No Brasil.

  18. Os europeus vivenciaram as duas guerras. Pense nisso antes de fazer
    piadas ou julgamentos.

  19. Respeite as regras de trânsito e pague as multas.

  20. No Brasil é perfeitamente normal uma pessoas beijar outras dez numa
    mesma noite, e uma festa onde ninguém se pega é uma festa ruim. No
    Brasil.

  21. Saiba as regras do seu país quando à intimidade de casais em
    ambientes públicos.

  22. Viaje o tanto quanto puder.

  23. Viva.

Categorias
Artigos

Por que as músicas dos Beatles fazem tanto sucesso?

Ontem, por acaso, descobri que estava passando na tevê um dos meus
filmes favoritos, Across The Universe. É daquelas ideias que eu
queria ter: um musical só com canções dos Beatles, com a história da
época dos Beatles (então espere muita droga e Vietnã). Os personagens
têm nomes famosos no cânone beatlelógico (Jude, Lucy, Prudence, …), e o
melhor de tudo é ver como as músicas realmente ajudam a contar uma
história absolutamente maravilhosa.

Eu já devo ter visto o filme 5 ou 6 vezes, e sempre noto alguma
referência nova. O que mais me chama a atenção, no entanto, é a maneira
como hoje escutamos e reverenciamos um grupo que, surpreendendo muito
gente, só ficou na ativa por onze anos. Let It Be, o último álbum, foi
lançado em 1970. Faz mais de 40 anos e eles ainda são os reis da música
atual. Bandas que estão se formando hoje escutam os Beatles, em busca de
inspiração. Existem grupos de fãs de Pink Floyd, Queen, Led Zeppelin,
U2, Guns N’Roses, mas são poucos os que não reconhecem uma canção dos
Beatles.

Cada vez que eu ouço uma música deles, seja na sua própria versão, seja
um cover, seja num show do Paul McCartney (sim, eu estou me gabando de,
aos 24 anos, ter ido a dois shows dele no Brasil), eu tento entender por
que eles fazem tanto sucesso. Porque eles são, realmente, muito bons.
Então aqui vai a minha lista dos motivos que, na minha opinião, fazem
os Beatles fazerem tanto sucesso. Enfatizo o lado pessoal porque optei
intencionalmente em não procurar nenhuma lista parecida, nem pesquisar
em livros e sites especializados. Também ignorei toda a parte de
marketing, de como eles eram tão profissionais do entretenimento que
montaram a própria gravadora, e cultivavam os mitos em torno da sua
imagem etc.

Quero saber porque as músicas são boas.

As músicas dos Beatles são fáceis de ouvir

Uma vez ouvi um professor de música dizer que as músicas simples fazem
sucesso porque as pessoas gostam de saber o que vem a seguir. Você
escuta um acorde e instintivamente sabe qual o próximo e como deve
cantar, porque a música tem poucos acordes e você já percebeu que eles
se repetem.

É por isso que todos cantamos Ai, Se Eu Te Pego e Tô Nem Aí, e que a
Bossa Nova e o Jazz, com seus acordes maiores com a quinta aumentada e
inversões harmônicas não são e nunca serão um sucesso comercial (o que
não quer dizer que esses estilos não sejam de qualidade). As lendas do
rock nacional como Legião Urbana, Skank, Barão Vermelho usam sempre
dois, três ou quatro acordes. Experimente tocar numa festa para ver se
todo mundo não vai cantar junto.

As músicas dos Beatles contém acordes simples, no compasso 4/4 (o mais
popular no rock – escute Help, contando 1, 2, 3, 4, 1, 2, 3, 4, … e
veja como se encaixa), com exceções também conhecidas como o compasso
2/4 (o compasso do samba) de I’ve Just Seen a Face e o 6/8 de You’ve
Got to Hide Your Love Away
. Compare isso com o compasso 7/11 de
Money, do Pink Floyd (basicamente, isso significa que você não
consegue dividir um verso de Money em 2, 3, ou 4 partes, como na
maioria das músicas pop, mas sim em 7 partes. Escute a linha de baixo do
começo, que tem 8 notas cíclicas, sendo que a segunda e a terceira são
mais rápidas, sendo subdivisões de um tempo – 7 tempos no total. Se é
difícil explicar, imagine compor.).

Os Beatles faziam música pop no estilo mais puro. As músicas são
gostosas de ouvir, fáceis de tocar – e as letras não desafiam nossa
inteligência.

Escute isso e veja se não dá vontade de cantar junto depois dos
primeiros 10 segundos:

Os Beatles evoluíram

Os Beatles atuaram de 1960 a 1970. Foram disso:

a isso:

Os Beatles não falavam só de amor

Pegue uma música do Roberto Carlos, qualquer uma que vier à cabeça.
Deixe-me adivinhar: ela fala de amor, certo? Pegue também uma música
qualquer na sua playlist de sertanejo universitário e me diga se mais da
70% das músicas não falam de amor.

Numa época em que isso era regra absoluta, os Beatles falavam sobre ser
um escritor (Paperback Writer), descreveram o enterro de uma mulher
que catava arroz depois de casamentos (Eleanor Rigby), debocharam da
revolução (Revolution), declaram sua paixão pela maconha (Got to Get
You Into My Life
), musicaram uma notícia de jornal (A Day in the
Life
), chamaram atenção para conflitos raciais (Blackbird),
homenagearam um lugar de infância (Penny Lane).

Quantos grupos conseguem falar sobre tantas coisas?

Mas quando falavam de amor, eles eram mestres

George Harrison começa falando do jeito que a mulher anda, logo de cara
querendo seduzir. Lá no meio, ele diz, “Você me pergunta se meu amor vai
crescer. Eu não sei!”, e você pensa, que cafajeste, como ele pode não
ter certeza de que o amor vai crescer? Ao que ele desafia, “fique
comigo, e isso pode aparecer”. Gênio.

E depois eles dizem mais ou menos isso: “pois é, eu a amo, e ela não
entende e aparentemente nem você. Mas se você apenas a visse… quero ver
não amá-la”.

Até quando parece que não, eles estão falando de amor. O que dizer de
uma canção em que o rapaz pergunta se a mulher vai cuidar dele quando os
dois estiverem velhinhos?

Os Beatles sabiam esconder mensagens

Isso dá um ar de mistério. Como citei, Got to Get You Into My Life,
disfarçada de canção de amor, já foi dita por Paul que é uma canção
sobre a maconha. Ainda hoje, estamos tentando entender qual o
significado de Lucy in the Sky with Diamonds. E o que diabos é
Ob-la-di Ob-la-da? E por acaso existem submarinos amarelos?

O que isso significa? Significa, além de fazer músicas fáceis de cantar,
escrever letras trabalhadas. Eles não despejam palavras pela rima. Dá
para ver que eles pararam e pensaram, nem que seja pensar em nos fazer
de tolos. E na hora da gravação ainda faziam mais brincadeiras.

Quer dizer, as canções já são boas. E você ainda pode conversar, “viu
que no final de All You Need is Love o John canta yes, he is
dead
?
”.


Para conhecer mais, recomendo:

The Beatles – A Biografia

The Beatles – A História Por Trás de Todas as Canções

Além, é claro, de ouvir muito Beatles.


Ah! Querem ouvir minha música preferida?

Categorias
Artigos

99 centavos

Não sei se o nobre leitor ou leitora já lidou alguma vez com
programação de computadores, mas eu já. Quando morei na Alemanha, meu
trabalho como estagiário em um instituto de pesquisa era criar um
programa de computador que simulava um refrigerador. O usuário digitava
alguns valores numa planilha, basicamente as condições de trabalho do
refrigerador (quão gelado deveria ficar o refrigerador e quão quente era
o ambiente, entre outras coisas) e meu programa calculava as pressões e
temperaturas dentro do refrigerador. O engenheiro então projetaria
equipamentos que suportassem esses valores.

Não existe nada de extraordinariamente complicado nesse problema.
Milhares de pesquisadores já formularam as equações que descrevem um
sistema de refrigeração. Minha tarefa era procurar em artigos e livros a
equação que mais se encaixa, escrever o programa dando instruções para
ler a planilha, calcular os parâmetros e resolver as equações. Depois,
basta rodar alguns testes e comparar com valores medidos em laboratório.

Mas coisas podem dar errado. O modelo é tão complicado que o programa
fica tentando resolver a equação infinitamente, sem nunca chegar a
alguma solução. Ou um conjunto misterioso de parâmetros faz o programa
travar. Ou o programa calcula alguma temperatura (em Kelvin) negativa.
Ou a pressão mínima é maior que a pressão máxima. Ou a Segunda Lei da
Termodinâmica é violada.

Tudo, claro, erro meu. Um erro de digitação, ou a escolha da equação
errada, ou a escolha de um método de solução de equações errado. É fácil
se perder à medida que o programa vai crescendo.

O que quero dizer é que programar dá trabalho. Eu sou engenheiro
mecânico, e não tenho nenhuma educação formal em programação ou
computação. Tive uma disciplina de programação da faculdade, mas foi
aquele exemplo clássico de um departamento dando aulas para outro,
achando que o outro nunca vai aprender, que engenheiro mecânico tem de
lidar com graxa e não com algo tão sofisticado quanto um programa de
computador. Não aprendi nada, basicamente. Tudo que sei aprendi fazendo.
Ainda assim, meu programa ficou razoavelmente bom, e meu chefe de lá
mandou um email meses depois dizendo que ele estava sendo bastante útil.

Eu me considero uma pessoa educada, mas depois de todo esse trabalho, se
alguém se oferecesse para comprar meu programa por 99 centavos de dólar,
eu mandaria essa pessoa à merda.


Temos que mudar nossa mentalidade de não querer pagar por software.
Achamos que um programa não é coisa física, que a internet está aí para
“democratizar a informação”, que o culpado é quem colocou no Pirate Bay,
que um software é um artigo de segunda linha.

Produzir um software dá trabalho.

A atual economia de apps por $0,99 na App Store (não posso falar do
ecossistema Android porque não possuo um aparelho desse tipo) não é
sustentável, claramente. Se eu tivesse de vender o meu programa por
$0,99, eu faria uma de duas coisas: ou me preocuparia cada vez menos
(para que dedicar meu tempo para algo que vai me render $0,70,
descontada a fatia da Apple), ou simplesmente abandonaria o projeto e
procuraria outra coisa mais rentável. Observe os apps que você comprou
de graça ou por 99 centavos e me diga que isso não aconteceu.

Você paga R$50 por um livro que vai ler uma vez e nunca mais, paga
R$200+ por uma calça que não pode usar muitas vezes para não repetir,
paga R$ 50 por um rodízio de sushi, para R$1000 por um celular, mas
acha um app de $10 é muito caro?

Precisamos valorizar os desenvolvedores que estão nos ajudando.


Quando eu comecei a tomar conta da importância disso, a coisa mais
benéfica que aconteceu foi que eu parei de comprar apps inúteis. Em vez
de baixar um app de graça ou por $0,99 sem pensar, quando eu quero
comprar um programa de $10 ou $20, seja para iOS ou o OS X, eu paro e
penso
. Esse app vai me ajudar? Eu vou usar quase todo dia?

Ultimamente, o resultado foi positivo. Apps como Notesy, que me
permite visualizar e editar minha notas (e onde estão guardadas muitas
ideias para próximos posts); Byword, onde escrevi o meu último
post
, aliás totalmente escrito e publicado em um iPad; Drafts,
ótimo para capturar pequenas notas; 1Password, um gigante que me
permite gerenciar minhas senhas e minhas licenças (valioso demais
quando tive de formatar meu computador); Taskpaper, para gerenciar
minhas tarefas; Instapaper, para guardar páginas que acho
interessante e quero ler mais tarde, quando tiver tempo.

Em todos esses aplicativos, paguei mais que $0,99, e todos são
extremamente úteis. Nesse momento de minha vida, esse site é muito
importante, então ter um bloco de notos poderoso (Notesy) e um editor de
texto (Byword) comigo, a todo momento, é igualmente importante para mim.
Eu sou constantemente atormentado por ideias, então ter um aplicativo
que me permite registrá-las rapidamente (Drafts) é importante para mim.
Poder gerenciar minhas tarefas com o Taskpaper, entre meu mestrado, esse
site, coisas que preciso comprar, outros projetos pessoais (mais sobre
isso num momento futuro), é importante para mim.

E como é importante, eu me recuso a confiar essas tarefas a um programa
que é grátis (e que logo vai ser abandonado ou, pior, abarrotado de
anúncios) ou vendido a 1 dólar.


Nada disso que eu falei é novo. Na verdade, minha pretensão inicial ao
começar esse texto era fornecer uma introdução a uma série de leituras
que acho essencial que o leitor tenha para pensar melhor sobre o
problema.

Pode começar lendo essa espetacular série sobre a economia da App
Store. Pode continuar lendo a análise de Lex Friedman na Macworld, a
opinião de Marco Arment, desenvolvedor do Instapaper sobre o
assunto (que cita os outros dois textos) e a análise de Tulio
Jarocki
sobre esse último artigo, que praticamente me inspirou a
escrever isso. Todas essas pessoas escreveram sobre o mesmo assunto
(praticamente sobre a mesma ideia), de maneira muito superior. Estou
tentando apenas chamar a atenção para o problema, dar um exemplo pessoal
(por favor, não me considero nem de longe um programador!) e apresentar
essas ideias em Português (rode uma pesquisa por “pagando por software”
e “paying for software” e tire suas conclusões).

Num próximo post falarei sobre os serviços web que supostamente também
são de graça.

Categorias
Artigos

A primeira vez que um homem diz eu te amo

Um homem passa por muitas experiências ao longo da vida.

Somos alimentados com leite materno, e é bom. Somos desmamados, e embora
com certa relutância, aceitamos. Comemos terra, e a julgar pelas nossas
caras de prazer, é a maior iguaria do mundo.

Andamos de bicicleta, e caimos, e queremos morrer de tanta dor.

Chutamos uma bola, e um mundo se abre a nós. Ou não.

Achamos que não tem nada de mais ficar até tarde jogando videogame na
casa de um amigo sem avisar aos pais, e levamos bronca.

Recebemos nota baixa naquela matéria insuportável.

Passamos no vestibular, e descobrimos que somos burros.

Aprendemos a dirigir, e batemos o carro na mureta de casa. Ou sonhamos
em ser o próximo Senna.

Assumimos o primeiro emprego, e somos demitidos.

Morremos.

Tudo isso faz parte da vida de um homem. Mas nada disso importa.

Porque os momentos, as experiências que realmente importam, passamos ao
lado de uma mulher.

Livros, teses, filmes, estudos foram feitos sobre as primeiras vezes. O
primeiro selinho naquela brincadeira de “verdade ou consequência”, e as
meninas não são mais tão chatas. O primeiro beijo de língua, também
conhecido como “o paraíso é aqui”, ou a sua variação “menina com gosto
de morango”. A primeira vez no hiper-americano second base. A primeira
vez que se vê uma mulher nua, provavelmente a cena mais bonita do mundo.
A primeira transa.

Tudo isso é muito bom, e todo homem lembra disso para sempre. Lembramos
inclusive das segundas vezes, e terceiras e quartas.

O que niguém fala é o mais importante. É a primeira vez que um homem diz
“eu te amo”.

Porque isso define um homem. Depois que um homem diz para uma mulher que
a ama, depois que um homem tem a coragem de o fazer, o mundo muda. Um
garoto de 14 anos pode transar, mas dificilmente pode dizer isso tendo
noção da sua importância. Porque amar não é andar de mãos dadas no
shopping, ou admitir que ama na frente dos amigos, ou comprar
chocolates, ou colocar a foto da menina como fundo de tela no celular.

É tudo isso, e muito mais. É dizer todos os dias que a sua garota está
linda sem precisar mentir, porque um homem que se preze acha a sua
mulher linda. É dar flores não por dar, mas por que isso vai provocar o
sorriso mais bonito do mundo. É fazer qualquer por esse sorriso, aliás.
É pedir desculpas por algo errado, mas ser firme quando se acha na razão
(e pedir desculpas novamente se descobrir que não está mais). É tratar a
sogra como se deve. É tratar a mulher como se deve. É priorizar a
mulher na hora do sexo (porque um sexo com uma mulher não é uma
masturbação a dois, ao contrário de crença popular).

Amor não é coisa de criança. Amor exige responsabilidade – por outra
pessoa.

Você pode ser tímido, retraído, pouco desinibido (*sounds like me*) e
ter dito poucas vezes. Pode ser experiente e ter dito muitas vezes. Pode
ser um mentiroso e dizer toda semana. Pode ter dito uma única vez.

Não importa. Foi aquela primeira vez (*A* primeira vez) que realmente
mudou tudo.

Categorias
Artigos

Não sabem nada?

George Bernard Shaw (1856-1950) ajudou a fundar a London School of
Economics e é a única pessoa a ter ganho um Nobel de Literatura e um
Oscar.

Shaw foi um dramaturgo respeitado, e escreveu também ensaios, romances,
contos. Eu já tive a oportunidade de ir a Dublin, sua terra natal, e vi
que ele é um monumento nacional irlandês.

E ele também disse a famosa frase, na peça Man and Superman:

Quem sabe faz, quem não sabe ensina.

Ora, isso é completamente ridículo.

Primeiramente, o que é “fazer”?

Shaw apresentou essa ideia em uma peça de teatro, e portanto não pôde
desenvolver o argumento. Mas seu sentido não é difícil de interpretar.
Ele mesmo foi um escritor prolífico, que passou a vida efetivamente
“criando”. Alguém que se dedique a “ensinar a criar”, na sua visão,
estava aproveitando mal o seu talento, ou, pior, não tinha talento
suficiente.

Já muito ouvi essa frase, quando ficou claro para meus amigos e
familiares que eu estava indo para o meio acadêmico. Meu lugar, o lugar
de um engenheiro, é na indústria, ganhando muito dinheiro, trabalhando
nos fins de semana (porque é isso que os homens de verdade fazem),
torcendo para que seja promovido e não precise lidar com essas coisas
chatas como equações, simulações e gráficos.

Posso estar sendo generalista demais, mas já virou um clichê dizer que a
universidade não prepara para o mercado de trabalho, que as pessoas saem
de lá sem saber nada, e pior, que todos os professores são doutores e
nenhum nunca chegou a trabalhar de verdade.

Meu amigo, a universidade não é uma escola profissionalizante. Isso é
tarefa das escolhas técnicas, dos Institutos Federais. Universidade é um
lugar de Ensino Superior. Ela não me ensinou a ser engenheiro,
ensinou-me Engenharia. A universidade não lhe dá um cargo de arquiteto,
mas um título de Arquiteto.

A universidade não lhe forma juiz, advogado, ou promotor; dá-lhe um
título de bacharel em Direito.

Basta o nobre leitor pensar nos concursos públicos que fez ultimamente;
quantos exigiam uma formação específica ou quantos apenas exigiam “curso
superior”? E quantas pessoas você conhecem que estão trabalhando em
áreas completamente distintas daquela em que se formaram?

Seja você formado em Odontologia, Design ou Ciências Sociais, você
passou por uma série de tarefas que lhe deram o título. Escreveu talvez
uma dúzia de trabalhos (portanto sabe se expressar de maneira
minimamente decente), participou de eventos, desenvolveu um trabalho de
pesquisa, criou uma tese, um trabalho artístico, ou um projeto
científico. E é esse conhecimento teórico que é muito mais importante na
sua vida intelectual que quaisquer habilidades técnicas que você deveria
ter aprendido.

Essas tais habilidades, naturalmente, precisam ser aprendidas. Meu ponto
é que o lugar para isso não é na sala de aula. Temos estágios, visitas
técnicas, parceria universidade-empresa, projetos de consultoria. Tudo
que os alunos podem fazer, complementando a formação. Naturalmente,
existe muita deficiência e muito espaço para aproveitamento. Um
engenheiro precisa conhecer uma fábrica, assim com um bacharel em
Direito precisa conhecer um tribunal e um médico precisa conhecer um
hospital.
Mas você acha que é melhor um médico ir dar uma aula sobre atendimento
de emergência ou você participar de um? Não faz diferença você ter aula
com algum engenheiro que já trabalhou em uma indústria, porque nada
substitui a experiência de você estar lá. Isso não pode ser aprendido
dentro da universidade.

Já que é papel da universidade dar uma formação teórica, nada melhor que
aprender com especialistas; na condição ideal, teóricos do ramo, gente
que está desenvolvendo a disciplina. Na minha faculdade eu não aprendi a
montar um carro, ou a perfurar um poço de petróleo, ou a projetar uma
nova máquina. Aprendi disciplinas de engenharia, que então podem ser
aplicadas a uma ocupação específica (um engenheiro, um bom engenheiro,
não constrói pontes, mas resolve o problema de atravessar o rio).
Aprendi termodinâmica com um professor que desenvolveu e orientou
trabalhos que, só nos últimos 6 anos, renderam dois prêmios
ABCM-EMBRAER de Melhor Dissertação de Mestrado em Engenharia Mecânica
e uma menção honrosa no Prêmio Capes de Tese. Aprendi metodologia de
projeto com membros do grupo de pesquisa que publicou o primeiro livro
em português sobre o assunto. Dois professores do Departamento de
Engenharia Mecânica da UFSC tiveram seus trabalhos testados no
espaço pelo astronauta brasileiro Marcos Pontes.

E você está tentando me dizer que essas pessoas não sabem nada?