Breves comentários literários sobre “O Conto da Aia” (por quem não entende nada de literatura)

Minha motivação para ler O Conto da Aia, de Margaret Atwood, foi uma combinação de coisas: fotos de gente lendo o livro no Instagram, comentários sobre a série da Amazon Prime baseada no livro pipocando pelas internetes, e uma grande promoção da Amazon.

Mesmo com essa motivação meramente circunstancial, não é difícil mergulhar completamente no universo de *O Conto… * — o que aliás é um dos grandes sinais de um bom livro de ficção. E falando sobre o universo, devo admitir que, como aparentemente a maioria da população hoje em dia, tenho um franco por universos distópicos e pós-apocalípticos; mas não vamos perder de vista que esse livro é um produto da década de 80.

A sinopse em um parágrafo: após guerras nucleares, a infertilidade contaminou a maioria da população norte-americana. Um grupo fundamentalista cristão se apoia nisso e instala uma ditadura onde as mulheres férteis, por serem raras, tornam-se propriedades do governo na forma de aias a serem alocadas a líderes cujas esposas são inférteis (pelo menos oficialmente, já que nesse regime não se admite que homens podem ser estéreis). A história é um relato de um dessas aias, de como ela chegou até ali e de como funciona a vida nesse país.

Como ler e escrever é proibido, os relatos são confusos (e no final o leitor entende por quê), o que dá margem ao meu primeiro comentário: esse não é um livro fácil. Sem querer parecer exagerado, o estilo me lembra um pouco Saramago, onde os pensamentos e as ações dos personagens se confundem. O quanto aquilo que está escrito de fato aconteceu? Essa pergunta se torna crítica no Epílogo.

A história é interessante, o estilo de escrita é intrigante… Mas à medida que eu lia, a mesma sensação tomava conta de mim: eu não sou o público alvo desse livro. Como homem decididamente feminista, liberal do século XXI e que não consegue simplesmente compreender a escalada de feminicídio no Brasil de 2019, algumas passagens do livro de escravização das mulheres soam absurdas demais, enquanto os pensamentos libertadores da Aia soam óbvios demais.

Ou será que eu que sou ingênuo demais?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.