Interpretando um livro

Na nossa jornada para aprender a tirar o máximo dos livros, falamos como é interessante você primeiro inspecionar uma obra, com o objetivo principal de saber se ela vai lhe ajudar a cumprir seus objetivos. Se sim, você procede a uma leitura analítica, lenta e atenciosa, prestando atenção a cada frase. De acordo com Adler e van Doren, os autores de Como Ler Livros (HTRAB), existem três etapas principais para você realmente analisar um livro por completo. No último texto, falamos da estruturação do livro. Sobre o que é o livro? Qual a ideia principal? Como o autor estrutura essa ideia? Quais os problemas que ele quer resolver? Essas são as primeiras quatro regras da leitura analítica.

O segundo estágio (que pode ser feito simultaneamente com o primeiro, na verdade), consiste em interpretar o livro, e o modelo de HTRAB segue uma boa seqüência de dentro para fora do livro.

Passos da interpretação de um livro

Identificando os termos

Uma obra literária, no mais detalhado grau, é um conjunto de palavras, e bons autores se diferenciam pelo uso eficiente destas. Nem todas as palavras são importantes, e uma das tarefas do leitor, a Regra 5 da leitura analítica, é identificar quais são importantes e o que elas querem dizer.

Muitas vezes o autor repete incessantemente uma palavra, ou usa diversos sinôminos com um significado só, ou mesmo faz uso extensivo de sublinhados e itálico. Isso é um alerta, um modo do autor dizer “Cuidado! Essa palavra é importante!”. Não exatamente a palavra, mas o termo, o que ela precisamente significa dentro das ideias do livro.

Umas dos termos mais importantes de A Árvore do Dinheiro (AD), (Macedo Jr., Insular, 2013), sem dúvida, é dinheiro, significando algo que você recebe pelo seu trabalho, por presentes, prêmios ou investimentos, e troca por outros bens e serviço; a mais simples definição de dinheiro, para mim, e que serve dentro do contexto de AD foi exemplificada por Alexandre Versignassi em Crash (Leya, 2011):

Dinheiro é um mecanismo engenhoso: permite que uma manicure compre seis pãezinhos sem ter de fazer as unhas do padeiro.

Como acontece com muitas habilidades, é apenas com o hábito de ler muito (como eu estou tentando continuamente cultivar em mim) que você aprende a identificar os termos mais importantes. Aqui está uma lista dos outros que eu identifiquei em AD:

  • Investimento: mecanismo pelo qual você aplica dinheiro e recebe rendimentos, algum tempo depois
  • Felicidade: estado de contentamento, plenitude e paz interior
  • Consumo: hábito controlado ou não de comprar coisas
  • Desejar: querer algo de maneira passional
  • Juros: preço do dinheiro em um investimento: é o que você paga quando empresta dinheiro ou recebe quando o investe
  • Objetivo: algo que você quer realizar dentro de algum prazo
  • Risco: variação temporal dos preços dos investimentos
  • Aposentadoria: processo pelo qual você vive de renda não gerada pelo seu trabalho
  • Mercado: conjunto de pessoas que compram ou vendem algum produto ou serviço
  • Decisão: ato de escolha de alguma ação (no sentido de atividade)
  • Finanças: é usado em dois sentidos ao longo do texto: como estudo de assuntos relacionados a dinheiro (como em “Finanças Comportamentais”), ou como o conjunto do seu patrimônio, renda, dívida e hábitos relacionados a dinheiro (as suas famosas “finanças pessoais”).
  • Emoções: característica dos mamíferos de se apegar a algo ou alguma ideia de maneira irracional (eu usei “mamíferos” porque isso é importante no primeiro capítulo — a propósito, leia o livro!
  • Títulos: tipo de investimento no qual você empresta dinheiro a empresas/governo/bancos, e recebe juros em cima disto
  • Ações: tipo de investimento equivalentes a cotas de uma empresa que você compra, dando direito a receber parte dos seus lucros
  • Fundos: tipos de investimento formado por vários outros sub-tipos
  • Carteira: o seu conjunto pessoal de investimentos.

Identificando proposições

Subindo um nível no livro, passamos de termos a proposições — e, assim como ler um livro com qualidade é ler fazendo perguntas, as proposições mais importantes, segundo HTRAB, são aquelas que levantam as melhores perguntas, ou que melhor contribuem para resolver os problemas do autor. Para relembrar do último texto), os problemas que eu identifiquei que A Árvore do Dinheiro tenta resolver são:

  1. Como construir uma “árvore do dinheiro”, isto é, o que deve ser feito ao longo da vida de uma pessoa para que, quando a pessoa estiver mais idosa, ela comece a receber rendimentos do dinheiro que foi aplicado?
  2. Por que o conhecimento clássico, puramente matemático, das finanças não é suficiente? Por que as nossas emoções nos atrapalham na construção dessa árvore do dinheiro?
  3. Quais são os mecanismos pelos quais uma pessoa constrói a sua árvore do dinheiro? Qual a melhor estratégia?

Por exemplo, referente à primeira pergunta, o autor faz uma proposição importante:

Se você pretende ficar rico, só existe uma receita: precisa gastar menos do que ganha e investir suas economias

Esse é o próprio resumo da resposta à primeira pergunta. Mas isso levanta outras duas perguntas: como gastar menos, e como investir as nossas economias?

Quão fácil é poupar dinheiro? Analisemos um trecho de AD:

Acreditamos que você pode facilmente poupar e ser previdente sem deixar de aproveitar a vida. Pode dosar trabalho e lazer sem prejudicar seu desempenho profissional. […] O segredo é poupar nos gastos que não contribuem para sua qualidade de vida e fazer um bom planejamento financeiro.

A proposição central é então “uma das chaves para ter mais dinheiro para investir é identificar os gastos que não trazem felicidade”. Veja esta outra passagem:

Na Europa é comum que as pessoas ricas adquiram objetos de luxo apenas com o rendimento de seu capital. Somente com a renda que provém de seus investimentos é que os milionários nesses países compram determinados artigos, como carros potentes e bolsas de grife, que têm preço exorbitante. No Brasil é comum presenciarmos situações de pessoas que se endividam para comprar roupas, carros e joias que não condizem com seus ganhos mensais. É importante frisar que você deve tomar cuidado ao adquirir objetos de luxo com o dinheiro que é fruto de seu trabalho. Até porque o trabalho demanda tempo, que é o bem mais precioso.

Mas por que afinal as pessoas se endividam para comprar artigos de luxo? A resposta está distribuída ao longo de várias passagens ao longo do texto, mas a proposição central é que “poupar para o futuro é uma atitude puramente racional e que se baseia na hipótese de que não vamos morrer, mas gastar agora traz uma dose de prazer imediato, e nosso lado mais primitivo adora essas recompensas momentâneas”. Diante da oportunidade de comprar um carro novo e exibir para o seu desafeto na empresa, fica difícil controlar esse instinto de estabelecer status para poupar para a aposentadoria. Quem disse que estaremos vivos até lá?

E assim você vai analisando o livro, montando proposições (que devem ser feitas a partir com suas palavras) a partir de uma ou mais frases do autor (a Regra 6 da leitura analítica). Como outro exemplo, outra proposição principal é que “à medida que você vai envelhecendo, deve trocar seus investimentos de ações para títulos públicos”. (Isso é parte da resposta à pergunta 3 acima). Ou, referente à pergunta 2, uma outra proposição diz que “mercados são compostos de pessoas, e pessoas muitas tomam decisões no calor do momento, mesmo que não faça sentido nenhum, e isso é difícil de calcular matematicamente”.
AD tem muito mais proposições; aqui está uma lista de algumas (estas são, em sua maioria, palavras minhas):

  • Pesquisas e a experiência comum mostram que a felicidade está ligada a aspectos que o dinheiro não pode comprar, como espiritualidade e relacionamento com pessoas amadas
  • Porém, falta de dinheiro e endividamento estão quase sempre ligados à infelicidade
  • Não há sentido nenhum em trabalhar mais para ganhar mais, se isto chega a um ponto em que você não tem mais tempo para aproveitar esse dinheiro
  • Poupar demais pode ser tão ruim quanto não poupar de menos
  • O planejamento financeiro é uma maneira de controlarmos os nossos instintos de consumo e aumenta nossas chances de poupar
  • Pessoas que não se planejam delegam esse planejamento para gerentes de banco
  • No jogo econômico, ou você paga juros, ou os recebe
  • Você se torna rico quando os rendimentos dos seus investimentos (e não o seu trabalho) geram a receita que você precisa e quer para viver.
  • Você deve separar o dinheiro para poupança como uma despesa fixa, todo mês.
  • Fundos de investimento cobram taxas de administração, mas permitem que pequenos investidores se juntem e consigam negociar como grandes investidores
  • Investimentos em títulos de Tesouro Direto são uma das mais atrativas opções para o investidor típico
  • Os títulos do Tesouro Direto (e outros títulos de renda fixa), por terem rendimento fixo (ou indexado a algum fator determinado, como a Selic ou os índices de inflação), só representam prejuízo garantido para o investidor na muita remota hipótese de o governo dar o calote
  • As ações rendem tanto quanto o sucesso financeiro das empresas o permite, mas a chance de rendimento positivo significativo em um prazo menor que dez anos é muito remota
  • A tributação brasileira sobre investimentos favorece muito quem segura os investimentos por três anos ou mais
  • Pesquisas e teorias economômicas mostram que a especulação (compra e venda ativa e diárias de ações) não rende mais que um investimento passivo, onde o o investidor compra ações ao longo de um horizonte de dez anos ou mais e depois começa a colher dividendos
  • Uma carteira de investimentos diversificada, onde a proporção de renda variável decresce ao longo do tempo, é, segundo mostram alguns exemplos, a melhor estratégia de investimentos
  • Planejamento financeiro é algo dinâmico e exige constante reavaliação.

Identitificando os argumentos

Proposições se juntam para formar argumentos, uma sequência lógica de ideias. Como A Árvore do Dinheiro é um livro prático, as proposições e arguementam se mesclam também com as sugestões que o autor faz para que você siga. Ou seja, ao ler um livro prático, é interessante identificar o que o autor recomenda que você faça para melhorar a sua vida no aspecto que ele está estudando.

A lista acima dá muitos exemplos de proposições que se juntam para formar argumentos. Por exemplo: dado que nossos sistemas primitivos sempre vão nos puxar para o lado do prazer imediato (pense no pico de prazer ao tomar sorvete, mesmo que você racionalmente saiba que não deveria comer tanto açúcar), para vencer isso você deve formar o hábito de planejar as suas finanças e se pagar primeiro. Trate a sua poupança como uma despesa fixa, onde assim que você recebe o seu salário você dedica uma parcela (de 8 a 20% é o recomendado pelo autor; pessoas mais jovens podem se dar ao luxo de poupar menos, porque terão mais tempo de poupança) para algum investimento. Como fazer para não faltar dinheiro para as outras despesas (incluindo contas a pagar): poupe naqueles itens que não contribuem na sua qualidade de vida. Uma sugestão boa do autor é regularmente se perguntar “o que me traz felicidade?”. Literalmente, de tempos em tempos pegue uma folha de papel e faça uma lista do que é importante. De repente você descobre que assitir TV a cabo não entrou na sua lista, e poderia cortar essa despesa.

Porém, o perigo inverso é poupar demais, e nem chegar a viver para ver os frutos dessa poupança. O autor mostra uma pesquisa de um psicólogo americano que concluiu que a felicidade está ligada a prazer, engajamento e significado. O dinheiro só pode comprar prazer (não tendo muito efeito prático na relação com sua mãe nem com o sentido que você atribui à sua existência), e é imporante não esquecer dos pequenos prazeres que podem trazer muita felicidade. Tomar uma cerveja com seus amigos numa sexta-feira pode ser bastante barato (se você não se deixar levar pela tentação de frequentar bares da moda) e trazer bastante felicidade. Ou o cinema que você vai com sua namorada para ver aquele filme pelo qual você não aguenta esperar. Ou o livro do seu autor favorito. Em geral, todos esses pequenos gastos podem ser encaixados no orçamento, com algum planejamento, e trazem grande benefício.

Outro exemplo, para finalizar: a tributação e a maneira como os mercados oscilam favorecem muito o investimento em longo prazo. Investidores “amadores” não têm tempo para tentar adivinhar qual empresa está melhor em cada dia, e parte do lucro que supostamente pode ser obtido com um jogo de trading vai ser comido por impostos e pelas taxas das corretoras. Além disso, pesquisas em Economia mostram que os preços das coisas semprem tendem ao seu valor eficiente; você até pode encontrar uma ação que está muito barata, mas as milhões de outras pessoas logo vão perceber e corrigir isso (comprando ações), e você não vai conseguir correr atrás de todas as ações muito baratas. Logo, a melhor estratégia (de acordo com essas pesquisas e com a experiência do autor) para construir a árvore do dinheiro é ser passivo: pague-se primeiro (como já falado) e investa essa poupança em títulos de tesouro e um ações de empresas de setores diferentes (indústiras, alimentos, serviços financeiros, mercado de roupas…), de maneira que uma crise em um setor seja “amortecido” pelos outros; o crescimento natural da economia vai se encarregar de valorizar o seu patrimônio. Á medida que você for envelhecendo, vá direcionando mais e mais para o tesouro, que tem rendimento menor porém garantido. Entretanto, você também vai ter objetivos de curto e médio prazo, como uma viagem ou trocar de carro; para esses casos, a renda variável é muito arriscada, mas a caderneta de poupança (que sempre perde para a inflação em prazos muito longos) e alguns tipos de títulos do tesouro funcionam bem. Trace seus objetivos e trace planos para cada um, de acordo com o horizonte de tempo disponível (lembram que esse era um dos meus principais problemas?).

Juntar proposições em argumentos é a Regra 7 da leitura analítica.

Identificando as respostas aos problemas do autor

O último passo da interpretação do livro é verificar se o autor responder às perguntas que ele mesmo propôs, e caso contrário, onde ele falhou (a Regra 8 da leitura analítica).

No caso de livros práticos, a minha percepção é que o autor raramente vai deixar claro onde estão as falhas (em um livro prático a pessoa propõe uma metodologia, e não vai querer apontar onde ela é incompleta). No caso de AD, que é um livro relativamente curto, para mim fica claro que o Prof. Jurandir concatenou todas as respotas para as suas três perguntas principais, através dos argumentos que eu delineei na última seção.

Da interpretação à crítica

O último estágio da leitura é criticar o livro — e isto significa muito mais que dizer se o autor está certo ou errado. É usar a sua experiência para avaliar o livro.

Aguardem para a última parte desta série que está me dando muito trabalho, mas está me dando uma luz incrível, tanto sobre Como Ler Livros quanto sobre A Árvore do Dinheiro.

Anúncios

Um comentário sobre “Interpretando um livro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s