Por que não vou escrever sobre as manifestações

Há uma cena no filme “E aí, comeu?”, que é ótima. Afonsinho, o
mulherengo viciado em puteiro e metido a intelectual, quer publicar um
livro na editora do tio. Diante da falta de qualidade da obra, o tio
adverte:

“Você pode até publicar, dinheiro para fazer isso a sua família tem. O
problema é que, quando você publica um livro, ele se torna público”.

Eu sou um estudante de mestrado em engenharia. Eu leio livros, vejo
filmes e escuto músicas. Eu vivo no mundo e observo o que acontece. Para
muitos desses assuntos eu tenho uma opinião, e a melhor maneira de
clerear os meus pensamentos é escrevê-los. Às vezes, surge um texto
que acho que vale a pena ser compartilhado, porque talvez outra pessoa
tenha tido a mesma reflexão que eu tive e gostaria de ler a opinião de
outra pessoa. Mas se for para criticar algo, que seja com
responsabilidade; minha proridade é contribuir com o debate positivo
de ideias.

Na semana passada, tivemos uma greve dos trabalhadores do transporte
coletivo aqui em Florianópolis. Eu cheguei a escrever um texto bastante
crítico que eu planejava publicar hoje. Porém, logo em seguida
explodiram as manifestações pela Tarifa Zero em São Paulo (e logo em
seguida em outras cidades). Esses dois acontecimentos (bastante
distintos, mas ambos relacionados com o problema do transporte público
no Brasil), provocaram uma avalanche de pensamentos em mim. Eu passei o
fim de semana pensando se deveria ou não usar FabioFortkamp.com para
publicar algo sobre isso, ou se deveria continuar com minha intenção de
criticar a greve. Fiquei pensando se quero usar este blog como espaço de
discussão de política.

E a resposta é: não, não quero que FabioFortkamp.com se transforme
num blog sobre política.

O que eu, um mero estudante de Florianópolis, posso escrever que
acrescente às muitas discussões já existentes contra ou a favor das
manifestações? Algumas pessoas com que com conversei têm opiniões das
mais diversas, mas não tem ideia do que afinal se está reinvindicando, e
quer apenas fazer barulho. Outro grupo, mais reduzido (e composto pelos
meus amigos mais inteligentes) tem posições definidas e argumentam com
racionalidade. Pois bem: o primeiro grupo pode ser influenciado por mim,
mas será que quero influenciar alguém que sequer lê jornal? O segundo
grupo de pessoas tem opiniões formadas com base em argumentos muito
melhores que aqueles que posso escrever, então sobre esses eu não tenho
nenhum poder. Vou escrever para quê, então?

O que está acontecendo no Brasil é grande, e, independente da minha
opinião, torço muito para que o Brasil melhore com esse movimento (e que
a polícia não aja com tanta violência nos próximos atos.)

Existem pessoas que estão lá no meio do protesto, lutando por uma causa,
e pessoas que se sentem prejudicadas pelas ruas bloqueadas. Existem
jornalistas feridos e jornalistas que defendem a ação da polícia.
Existem os grandes jornais e revistas e os sites independentes. Esses
grupos tem mais embasamento para discutir essa questão que eu; tiveram
contato com o protesto, têm mais disposição para pesquisar sobre o
assunto e têm mais coragem para tornar públicos suas opiniões e relatos.
É a essas pessoas que vou recorrer quando quiser me manter informado, e
recomendo aos meus leitores que façam o mesmo.

E, se você concordar com as manifestações (depois de se informar com
responsabilidade), participe.

Anúncios

Um comentário sobre “Por que não vou escrever sobre as manifestações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s