Só valorizamos a história de amor quando ela vem acompanhada de sofrimento

Algo sempre me intrigou na música popular. O amor é com certeza o tema
mais frequente (e como falei na minha análise dos Beatles, tem gente
que praticamente só fala disso na sua carreira inteira) porém sempre com
uma visão: o amor sofrido. Algo do tipo “eu amo você, mas a sua família
não me aceita, ou somos de classes diferentes, ou somos de cores
diferentes, ou você só olha para ele, e por isso não podemos ficar
juntos. Mesmo assim eu vou escrever essa música sobre nós dois”. E essas
letras vêm acompanhadas de músicas lentas, em ritmo de balada leve, com
acordes menores, sombrios, fechados.

Aliás, quanto mais sombrio, melhor.

O amor dói. Quer dizer, o amor não correspondido e não realizado dói. Eu
entendo isso (quem nunca passou por algo assim?). E o músico, aquele
rapaz teoricamente mais sensível, quer pôr as mágoas para fora e usa a
música para esse exorcismo.

O que eu não posso aceitar é que isso se torne a regra, que celebremos
esse tipo de visão de amor, e que — tragédia — só valorizamos a
história de amor quando ela vem acompanhada de sofrimento
. E de repente
esse é o único tipo de amor que deve ser expresso.

Todas essa músicas são lindas, mas isso é o tipo de coisa que desvirtua
o que deveria ser o amor.

Amar é bom. É aquela sensação de que nenhum problema mais importa,
porque você sabe que tem alguém a seu lado, alguém que vai dizer que
tudo vai dar certo, que vai consolar quando preciso. É aquela sensação
de partilhar os momentos bons, de associar aquela viagem àquela
pessoa, de querer que ela esteja junto nas suas conquistas, de não
conseguir trabalhar por não parar de pensar nela. E por que não
estamos cantando sobre isso?

O que aconteceu com aquela história de “A conhece B na
aula/academia/festa, saem uma vez, duas vezes, três vezes, várias vezes,
apaixonam-se, começam a namorar, são felizes”? Por acaso esse tipo de
história é menos importante, só porque ninguém sofreu chorando?

O amor para mim é isso:

Acordes maiores, violão, acordeon, dá quase para dançar. Estava escrito
que eu ia lhe amar e eu vou lhe segurar por quanto tempo você quiser. Eu
amo você e a vida é bela. Now we’re talking.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s