Categorias
Artigos

Livros lidos, Outono 2022

Veja a minha lista de livros lido na estação anterior

  1. O Caminho do Artista, Julia Cameron – muito mais religioso que o esperado, aborda como podemos usar a escrita diária de 3 páginas matinais para nos curar de angústias passadas, e propõe exercícios de escrita, como escrever uma carta de desculpas, ou relatar a sua infância (algo que me fez lembrar de Bird by Bird, que li no ano passado). Para alguém que gosta de escrever como eu, esse livro é sensacional e propõe muitas reflexões. Estou frustrado ou ansioso com algo? Pego meu caderno e derramo todas as preocupações no meu caderno – e encontro solução todas as vezes, apenas pelo ato de escrever.
  2. The Power of Story, Jim Loehr – o começo tem clichês demais e conteúdo de menos sobre construir a vida que você quer através de uma narrativa, do tipo “que história vão contar de você quando morrer”. Após os dois primeiros capítulos, esse livro começou a conversar com o livro acima e propôs vários temas para minhas páginas matinais onde eu pude refletir sobre diversas áreas da minha vida, e identificar problemas. Assim como o blog da Laura Vanderkam, ajudou-me a parar com a narrativa de “eu não tempo para me exercitar” e aceitar que sou eu que não dou um jeito de encaixar isso.
  3. O Espetacular Homem-Aranha – O Nascimento de Venom, David Michelinie & Todd McFarlane – estou, muito tardiamente, tentando entrar no mundo dos quadrinhos Marvel. Uma pergunta: todas as histórias do Homem-Aranha são narradas por ele mesmo (“agora vou lançar minhas teias nele”)?
  4. Homem Aranha: Carnificina Total, vários autores – outra graphic novel, mas esta muito mais no sentido de “aventuras por Nova York”, e menos sobre a relação de personagens
  5. Aprendizagem baseada em Projetos, William N. Bender – um dos piores livros de pedagogia que li, e um exemplo de “livro que poderia ser um post de blog”. Além disso, os exemplos onde o autor (americano, velho, branco) quer gamificar a escravidão me deixaram extremamente incomodado.
  6. Siga em frente, Austin Kleon – adivinhem quem é o autor? Tema do livro: rotinas, rotinas, rotinas, nos dias bons e nos ruins.
  7. A Mind at Play, Jimmy Soni & Rob Goodman – biografia de Claude Shannon, o pai do conceito de Informação como usamos hoje (como em “Tecnologias da Informação”, por exemplo). Acho que os autores romantizam demais a não-seriedade de Shannon; além disso, como professor que eu sou, sei que o exemplo de um professor do MIT que mal dá aulas e faz pesquisa, e está ali apenas para adicionar prestígio, é a exceção da exceção.
  8. Os Senhores do Norte, Bernard Cornwell – excelente romance histórico, e o primeiro desta série que me fez ficar com raiva genuína dos vilões, e também realmente alegre quando as coisas davam certo.
  9. Divergente, Veronica Roth – uma história jovem, jovem demais para mim, mas é entretenimento puro. No nosso mundo de 2022, fala-se muito em liberdade como a coisa mais importante do mundo; o que acontece quando isto explode, e um mundo surge onde o individualismo é declarado inimigo público, e você só pode fazer o que importa para a sua comunidade?
  10. Harry Potter e a Câmara Secreta, J. K. Rowling – outra história jovem demais para mim, mas ao contrário do livro acima, que foi novidade, esse vale pela nostalgia de reler. É um dos livros menos notáveis da série, de maneira que não tenho mais comentários.
  11. Your Money or Your Life, Vicki Robin & Joe Dominguez – não é à toa que é um dos melhores livros sobre finanças das internets. Para que serve mesmo o dinheiro? E quando você realmente ganha de salário, se tem de descontar por exemplo o tempo e a gasolina gasta nos deslocamentos?
  12. Os sussurros do caos rastejante, texto de Fábio Yabu com desenhos de vários artistas – a graphic novel do #NerdcastRPG, e um dos melhores livros que li nesse ano. Uma sucessão de histórias sobre família, loucura, religião, ciência.
  13. Flow: Living at the peak of your abilities, Mihaly Csikszentmihalyi – o único audiobook desta lista. Li pensando ler um livro sobre produtividade, descobri que é sobre felicidade.

Por Fábio Fortkamp

Pai do João Pedro, Marido da Maria Elisa, Professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade do Estado de Santa Catarina, católico devoto, nerd

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.